DAS FLORES AOS ESPINHOS: OCORRÊNCIA DAS FISSURAS OROFACIAIS NO SERVIÇO PÚBLICO DA BAHIA, 2000‑2010

  • Lília Paula de Souza Santos Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Maria Conceição Andrade de Freitas Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Túlio Alves de Azevedo Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Luciana Loyola Dantas Obras Sociais Irmã Dulce
  • Lívia Maria Andrade de Freitas Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Daniela Gamba Garib Universidade de São Paulo, Faculdade de Odontologia de Bauru

Resumo

As fissuras labiopalatinas atingem a face média pela ruptura do lábio e/ou palato.

São reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde como um relevante problema de saúde

pública. O objetivo deste artigo é descrever os casos de fissuras labiopalatinas ocorridos na Bahia

quanto ao gênero, tipo de fissura, síndromes associadas, etnia e localização geográfica. Para isso,

os dados foram retirados dos prontuários do Centro de Anomalias Craniofaciais das Obras Sociais

Irmã Dulce entre o ano 2000 e 2010. Os resultados revelam que dos 1752 pacientes analisados,

52,3% eram do gênero masculino e 47,7% feminino, sem diferença estatisticamente significativa.

A fissura transforame incisiva teve a maior prevalência (47,3%), sendo o lado esquerdo o mais

afetado. Houve predominância de 53% nas fissuras unilaterais. Da amostra total, 1,1% estavam

relacionadas a síndromes, sendo que a de Pierre Robin foi a mais prevalente. Todos os casos

estavam associados a fissura pós‑forame incompleta. Quanto à etnia, as maiores taxas foram negra

(30%) e parda (23,7%). A maioria dos casos registrados reside nos municípios do interior da Bahia.

Os resultados fornecem instrumentos epidemiológicos para que os gestores de saúde pública

estabeleçam protocolos de prevenção e tratamento interdisciplinar para anomalias craniofaciais.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Departamento de Saúde - Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva
##submission.authorWithAffiliation##
Departamento de Saúde - Odontologia
##submission.authorWithAffiliation##
Departamento de Saúde - Medicina
##submission.authorWithAffiliation##
Departamento de Saúde - Odontologia
Publicado
2015-12-04
Como Citar
SANTOS, Lília Paula de Souza et al. DAS FLORES AOS ESPINHOS: OCORRÊNCIA DAS FISSURAS OROFACIAIS NO SERVIÇO PÚBLICO DA BAHIA, 2000‑2010. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 39, n. 2, p. 225, dez. 2015. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/1028>. Acesso em: 23 set. 2017. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2015.v39.n2.a1028.
Seção
Artigos originais de temas livres

Palavras-chave

Fissura labial; fissura palatina; epidemiologia; saúde pública.