ASPECTOS PSICOSSOCIAIS E SÍNDROME DE BURNOUT ENTRE TRABALHADORES DE ENFERMAGEM INTENSIVISTAS

  • Jorge Luiz Lima da Silva Universidade Federal Fluminense
  • Liliane Reis Teixeira Fundação Instituto Oswaldo Cruz
Palavras-chave: aspectos psicossociais, esgotamento profissional, transtornos mentais, equipe de enfermagem, unidades de terapia intensiva, ambiente de trabalho, saúde do trabalhador.

Resumo

Os aspectos psicossociais referem-se a elementos do ambiente organizacional que sofrem influências das características individuais ao serem vivenciados pelos trabalhadores, estão relacionados ao macro contexto histórico, social de cada pessoa. O estresse é elemento-chave referente aos aspectos psicossociais. O estudo objetivou analisar a prevalência da síndrome de burnout (SB), segundo os aspectos psicossociais, sócio-demográficos e laborais de trabalhadores de enfermagem intensivistas. Estudo seccional realizado com 130 profissionais, com aplicação de questionário autopreenchido, contendo: a versão resumida do Job Stress Scale - para aferir o estresse; Maslach Burnout Inventory – para mensurar a SB; e Self Reporting Questionnaire – para medir transtornos mentais comuns (TMC). Foram realizadas análises univariadas e bivariadas, segundo modelo demanda-controle, com nível de significância de 5%. Revisão realizada no primeiro artigo identificou que o burnout está relacionado a fatores organizacionais, pessoais, individuais e aos inerentes à profissão. As repercussões envolvem as esferas físicas, psíquicas, emocionais, organizacionais e familiares. No segundo artigo, discorreu-se quanto às dimensões de estresse onde: 30,8% encontravam-se em alta exigência; 24,6% em trabalho ativo; 20,8% em trabalho passivo, e 23,8% em baixa exigência. O apoio social revelou que 53,1% dos trabalhadores estavam abaixo da mediana, aqueles em trabalho ativo apresentavam-se acima deste valor (p=0,027). A prevalência de SB foi de 55,3%, sendo 72,5% estavam em alta exigência (p= 0,006). A prevalência de TMC foi de 27,7%. Os fatores referidos como estressores em UTI foram: carga horária; relacionamento interpessoal profissional; relacionamento com a chefia e déficit de pessoal. No terceiro artigo, foi observado que 80,6% da prevalência de TMC estavam associados à SB (<0,0001). Após análise multivariada, foi constatado caráter protetor para SB nas dimensões intermediárias de estresse: trabalho ativo OR = 0,26 (IC95%=0,09-0,69); e trabalho passivo OR = 0,22 (IC95%=0,07-0,63), com modelo ajustado para sexo, idade, escolaridade, carga horária semanal, renda, e pensamento no trabalho durante as folgas. No quarto artigo, refletiu-se que os aspectos políticos, institucionais e de qualidade de vida devem receber destaque, pois o estresse é algo que transcende o aspecto individual e possui grande impacto na qualidade do serviço, na instituição e na sociedade. A construção de uma rede nacional de negociação junto aos sindicatos, conselhos e governo federal; a implantação de gestão participativa, e levantamento de problemas e possíveis soluções são ações que partem do geral para que surtam efeito sobre cada trabalhador da UTI. A reflexão traz à tona o grande desafio de encarar o cuidado ao ser humano de forma a desconsiderá-lo como bem de capital, em países em desenvolvimento com sistema neoliberal. A organização do trabalho em UTI favorece ao estresse de alta exigência e, como consequência, demonstra prevalências expressivas de TMC e SB.  

Biografia do Autor

Jorge Luiz Lima da Silva, Universidade Federal Fluminense
Professor de saúde coletiva do departamento materno-infantil e psiquiatria da Universidade Federal Fluminense.
Liliane Reis Teixeira, Fundação Instituto Oswaldo Cruz
Pesquisadora do Centro de Estudos em Saúde do Trablhador e Ecologia Humana.
Publicado
2015-10-16
Seção
Teses e dissertações