EDUCAÇÃO EM SAÚDE E ESTRATÉGIAS UTILIZADAS PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL COM IDOSOS

  • Vanessa Lopes Munhoz Afonso Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia
  • Rosamaria Rodrigues Garcia Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia
  • Carolina Menezes Sinato Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia
  • Regina Garcia Nascimento Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia
  • Francisco Souza Carmo Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia

Resumo

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um problema de saúde pública devido à sua elevada prevalência entre idosos e às graves complicações que pode acarretar à saúde do indivíduo. Este relato de experiência teve como objetivo identificar o perfil de pressão arterial e descrever as estratégias utilizadas para rastreio e prevenção da HAS em idosos através de campanha educativa realizada em serviço público ambulatorial especializado em geriatria e gerontologia. A campanha, pautada na gerontologia educacional, foi realizada entre 24 e 30 de abril de 2015. A equipe de enfermagem convidou os usuários à aferição da pressão arterial (PA) e os questionou sobre uso de medicamentos, existência de acompanhamento médico e incidência de quedas no último ano. Foi produzido um vídeo e entregue material educativo, valorizando adesão ao tratamento e enfatizando prática regular de atividade física, redução da ingesta de sal e manutenção do peso corpóreo adequado. Participaram 421 idosos, sendo 322 mulheres (76%) e 99 homens (24%), com média de idade de 72,5 anos. A PA média dos participantes foi 130×74 mmHg (maior PA encontrada de 195×98 mmHg e menor de 90×60 mmHg), sendo que 29,9% apresentaram valores acima do limite, e 19% referiram estar sem acompanhamento médico. Verificou-se que 13,3% dos idosos utilizam cinco ou mais medicamentos, e 17% apresentaram uma queda ou mais. É imprescindível, portanto, diagnóstico precoce e intervenção da equipe interdisciplinar. As campanhas educativas complementam e apoiam o tratamento clínico, e é fundamental que os serviços de saúde façam programas de prevenção, busca ativa e rastreio, bem como sistematizem estudos para avaliar o impacto das ações.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Mestre em Ciências da Saúde. São Paulo, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Doutora em Saúde Pública. São Paulo, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Mestre em Ciências. São Paulo, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Psicóloga. Mestranda em Gerontologia pelo Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia. São Paulo, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Geriatra. Mestre em Ciências da Saúde. São Paulo, São Paulo, Brasil.

Referências

1. Buford TW. Hypertension and aging. Ageing Res Rev. 2016;26:96-111.
2. Ferreira DN, Matos DL, Loyola AI Filho. Ausência de consulta médica de rotina entre idosos hipertensos e/ou diabéticos: um estudo epidemiológico baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2008. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(3):578-94.
3. Freitas LRS, Garcia LP. Evolução da prevalência do diabetes e deste associado à hipertensão arterial no Brasil: análise da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 1998, 2003 e 2008. Epidemiol Serv Saúde. 2012;21(1):7-19.
4. World Health Organization. A global brief on hypertension: silent killer, global public health crisis [Internet]. Geneva: WHO; 2013 [citado 2016 mar 19]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/79059/1/WHO_DCO_WHD_2013.2_eng.pdf?ua=1
5. Simão AF, Precoma DB, Andrade JP, Correa H Filho, Saraiva JFK, Oliveira GMM, et al. I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;101(6 Supl 2):1-63.
6. Bastos-Barbosa RG, Ferriolli E, Moriguti JC, Nogueira CB, Nobre F, Ueta J, Lima NKC. Adesão ao tratamento e controle da pressão arterial em idosos com hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2012;99(1):636-41.
7. Mendes TAB, Goldbaum M, Segri JN, Barros MBA, César CLG, Carandina L. Factors associated with the prevalence of hypertension and control practices among elderly residents of São Paulo city, Brazil. Cad Saúde Pública. 2013;29(11):2275-86.
8. Pereira IMO. Proposta de intervenção interdisciplinar para a adesão dos pacientes ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Liph Sci. 2015;2(2):21-40.
9. Contiero AP, Pozati MPS, Challouts RI, Carreira L, Marcon SS. Idoso com hipertensão arterial: dificuldades de acompanhamento na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm. 2009;30(1):62-70.
10. Go AS, Bauman MA, Coleman King SM, Fonarow GC, Lawrence W, Williams KA, Sanchez E. An effective approach to high blood pressure control: a science advisory from the American Heart Association, the American College of Cardiology, and the Centers for Disease Control and Prevention. J Am Coll Cardiol. 2014;63(12):1230-8.
11. James PA, Oparil S, Carter BL, Cushman WC, Dennison-Himmelfarb C, Handler J, et al. 2014 Evidence-based guideline for the management of high blood pressure in adults: report from the panel members appointed to the Eighth Joint National Committee (JNC 8). JAMA. 2014;311(5):507-20.
12. Cachioni M, Neri AL. Educação e gerontologia: desafios e oportunidades. RBCEH. 2004;1(1):99-115.
13. Capuzzo DB. O trabalho educativo com idosos. Fragment Cult. 2012;22(1):37-47.
14. Correr CJ, Otuki MF. Método clínico de atenção farmacêutica. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo [Internet]. 2011 mar [citado 2020 mar 9];1-22. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ipgg/assistencia-farmaceutica/otuki-metodoclinicoparaatencaofarmaceutica.pdf
15. Monégat M, Sermet C, Perronnin M, Rococo E. Polypharmacy: definitions, measurement and stakes involved: review of the literature and measurement tests. Questions d’économie de la Santé. 2014;204:1-8.
16. Perracini MR, Ramos LR. Fall-related factors in a cohort of elderly community residents. Rev Saúde Pública. 2002;36(6):709-16.
17. Fhon JRS, Rosset I, Freitas CP, Silva AO, Santos JLF, Rodrigues RAP. Prevalência de quedas em idosos em situação de fragilidade. Rev Saúde Pública. 2013;47(2):266-73.
18. Duarte MTC, Cyrino AP, Cerqueira ATAR, Nemes MIB, Iyda M. Motivos do abandono do seguimento médico no cuidado a portadores de hipertensão arterial: a perspectiva do sujeito. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(5):2603-10.
19. Dias EG, Silva EJF, Lima FN, Anjos ECF, Alves JCS. Caracterização dos hipertensos e fatores dificultadores na adesão do idoso ao tratamento medicamentoso da hipertensão. Rev Interdisciplin. 2015;8(3):39-49.
20. Almeida AV, Mafra SCT, Silva EP, Kanso S. A feminização da velhice: em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social. Textos Contextos. 2015;14(1):115-31.
21. Carvalho MCF, Luppi G, Reis MP. Atenção farmacêutica. In: Papaléo Netto M, organizador. Tratado de gerontologia. 2a ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2007. p. 719-27.
22. Carvalho MFC, Romano-Lieber NS, Bergsten-Mendes G, Secoli SR, Ribeiro E, Lebrão ML, Duarte YAO. Polifarmácia entre idosos do município de São Paulo: Estudo SABE. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(4):817-27.
23. Pepersack T, Gilles C, Petrovic M, Spinnewine A, Baeyens H, Beyer I, et al. Prevalence of orthostatic hypotension and relationship with drug use amongst older patients. Acta Clin Belg. 2013;68(2):107-12.
24. Nobre F. Valores de pressão arterial para o diagnóstico e metas: análise crítica das diretrizes mais recentes. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. 2015;25(1):19-22.
25. Centers for Disease Control and Prevention. National diabetes fact sheet: general information and national estimates on diabetes in the United States, 2007 [Internet]. Atlanta: CDC; 2008 [citado 2016 mar 20]. Disponível em: http://www.cdc.gov/diabetes/pubs/pdf/ndfs_2007.pdf
26. Chobanian AV, Bakris GL, Black HR, Cushman WC, Green LA, Izzo JL Jr, et al. Seventh report of the Joint National Committee on Prevention, Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure. Hypertension. 2003;42(6):1206-52.
27. Alves VS, Nunes MO. Educação em saúde na atenção médica ao paciente com hipertensão arterial no Programa Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2006;10(19):131-47.
28. Piancastelli CH, Di Spirito GC, Flisch TMP. Saúde do adulto. Belo Horizonte (MG): Nescon/UFMG; 2011. 161 p.
29. Romero AD, Silva MJ, Silva ARV, Freitas RWJF, Damasceno MMC. Características de uma população de idosos hipertensos atendida numa Unidade de Saúde da Família. Rev Rene. 2010;11(2):72-78.
30. Tavares DMS, Dias FA, Munari DB. Qualidade de vida de idosos e participação em atividades educativas grupais. Acta Paul Enferm. 2012;25(4):601-6.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
AFONSO, Vanessa Lopes Munhoz et al. EDUCAÇÃO EM SAÚDE E ESTRATÉGIAS UTILIZADAS PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL COM IDOSOS. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2458>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2458.
Seção
Relato de experiências

Palavras-chave

HIPERTENSÃO. Promoção da saúde. Saúde do idoso.