PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO NA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA

  • Liane Oliveira Gomes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Flávia Pedro Anjos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Vanda Palmarella Rodrigues Universidade Estadual do Sudoestde da Bahia
  • Maristela Santos Nascimento Universidade Estadual do Sudoestde da Bahia
  • Eduardo Nagib Boery Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Palavras-chave: Enfermagem, Saúde da família, Estratégia Saúde da Família, Trabalho., Serviços de saúde, Trabalho

Resumo

Este estudo objetivou analisar o processo de trabalho dos enfermeiros nas equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) em um município do interior do estado da Bahia. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, realizada com 20 enfermeiros das Equipes de Saúde da Família do município baiano. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e analisados com base na técnica de análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram que o processo de trabalho dos enfermeiros contempla a gerência e a assistência. Na prática gerencial, os enfermeiros compartilham responsabilidades com a equipe de saúde para a tomada de decisões; planejam as ações e avaliam os sistemas de informação. Já na prática assistencial, realizam assistência aos grupos populacionais, desenvolvendo visitas domiciliares e atividades educativas. Assim, evidenciamos diversas atribuições do enfermeiro na sua prática cotidiana na ESF, tornando fundamental a esse profissional melhorar o emprego das tecnologias em saúde para o desenvolvimento do processo de trabalho nas ações em saúde aos usuários e às famílias.

Palavras-chave: Enfermagem. Estratégia Saúde da Família. Serviços de saúde. Trabalho.

Biografia do Autor

Liane Oliveira Gomes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, Bahia, Brasil.

Flávia Pedro Anjos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié. Bahia. Brasil.

Vanda Palmarella Rodrigues, Universidade Estadual do Sudoestde da Bahia

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, Bahia, Brasil.

 

Maristela Santos Nascimento, Universidade Estadual do Sudoestde da Bahia

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Docente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié.

 

Eduardo Nagib Boery, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Docente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié. Bahia. Brasil.

 

Referências

1. Brito GEG, Mendes ACG, Santos Neto PM. O objeto de trabalho na Estratégia Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2018;22(64):77-86.
2. Gonçalves RBM. Tecnologia e organização social das práticas de saúde: características tecnológicas de processo de trabalho na rede estadual de centros de saúde de São Paulo. São Paulo (SP): Hucitec; 1994.
3. Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo (SP): Hucitec; 2007.
4. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília (DF); 1997.
5. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70; 2012.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 1996.
7. Assis MMA, Nascimento MAA, Lima WCMB, Oliveira SS, Franco TB, Jorge MSB, et al. Dimensões teóricas e metodológicas na produção do cuidado em saúde. In: Assis MMA, Levi DL, Nascimento MAA, Franco TB, Jorge MSB, organizadores. Produção do cuidado no programa saúde da família: olhares analisadores em diferentes cenários. Salvador (BA): Edufba; 2010. p. 13-38.
8. Andrade CS, Franco TB. O trabalho de equipes de Saúde da Família de Itabuna e Ilhéus, Bahia. In: Franco TB, Andrade CS, Ferreira VSC, organizadores. A produção subjetiva do cuidado: cartografias da estratégia saúde da família. São Paulo (SP): Hucitec; 2009. p. 61-78.
9. Feuerwerker LCM. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre (RS): Rede Unida; 2014.
10. Amorim ACCLA, Assis MMA, Santos AM. Vínculo e responsabilização como dispositivos para produção do cuidado na Estratégia Saúde da Família. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(3):539-54.
11. Bahia. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia. Curso de saúde da família e curso de gestão da atenção básica com ênfase na implantação das linhas de cuidado. Salvador (BA): Sesab; 2009.
12. Jequié. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório de gestão. Jequié (BA); 2010.
13. Franco TB, Merhy EE. Programa de saúde da família (PSF): contradições de um programa destinado à mudança do modelo tecnoassistencial. In: Merhy EE, Magalhães HM Jr, Rimoli J, Franco TB, Bueno WS. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. São Paulo (SP): Hucitec; 2007. p. 55-124.
14. Nascimento MS, Nascimento MAA. Prática da enfermeira no Programa de Saúde da Família: a interface da vigilância da saúde versus as ações programáticas em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(2):333-45.
15. Andrade LOM, Barreto ICHC, Bezerra RC. Atenção primária à saúde e estratégia Saúde da Família. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akeman M, Drumond M Jr, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. São Paulo (SP): Hucitec, 2012. p. 783-835.
16. Vidal LM, Boery EN, Nery AA, Rodrigues VP. Processo de trabalho e prática gerencial no Programa Saúde da Família. Enferm Atual. 2010;10(60):14-6.
17. Vanderlei MIG, Almeida MCP. A concepção e prática dos gestores e gerentes da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(2):443-53.
18. Hausmann M, Peduzzi M. Articulação entre as dimensões gerencial e assistencial do processo de trabalho do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2009;18(2):258-65.
19. Orrico GS, Lourenço RO, Souza MKB, Lima CA, Araújo RS, Santana SP. Práticas de planejamento em uma unidade de saúde da família: um relato de experiência. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(1):213-22.
20. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a estratégia saúde da família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 out 24. Seção 1, p. 48.
21. Silva LMS, Fernandes MC, Mendes EP, Evangelista NC, Torres RAM. Trabalho interdisciplinar na estratégia saúde da família: enfoque nas ações de cuidado e gerência. Rev Enferm UERJ. 2012;20(esp. 2):784-8.
22. Nascimento MS. Prática da enfermeira no Programa de Saúde da Família: a interface da vigilância da saúde versus as ações programáticas em saúde [dissertação]. Feira de Santana (BA): Universidade Estadual de Feira de Santana; 2003.
23. Souza MCMR, Horta NC. Enfermagem em saúde coletiva: teoria e prática. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2016.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres