CONSTRUÇÃO DE NOVO MODELO DE MAPA INTELIGENTE COMO INSTRUMENTO DE TERRITORIALIZAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

  • Aline Mitie Both Budal Universidade Federal do Paraná
  • Verônica Azevedo Mazza Universidade Federal do Paraná
  • Marilene da Cruz Magalhães Buffon Universidade Federal do Paraná
  • Rafael Gomes Ditterich Universidade Federal do Paraná
  • Michele Jocowski Universidade Federal do Paraná
  • Valquiria Plucheg Secretaria Municipal de Saúde de Colombo
Palavras-chave: Territorialização, Saúde Coletiva, Saúde pública, Planejamento em Saúde, Planejamento em saúde, Atenção Primária à Saúde, Atenção primária à saúde

Resumo

A respeito da territorialização na atenção primária à saúde, o presente estudo é um relato de experiência que objetiva descrever a construção de um novo modelo de mapa inteligente em uma unidade de saúde da família no município de Colombo (PR). Para a construção dos mapas foram utilizados softwares de imagem por satélite e de desenho digital. Os mapas foram confeccionados por microárea, impressos e entregues aos agentes comunitários de saúde que, durante visitas domiciliares, inseriram as informações do território. Por serem embasados em fotos por satélite, os mapas representam o território de forma realista e dinâmica, além de ter como características a facilidade em seu manuseio, pois podem ser levados a campo, e ser de fácil preenchimento de informações e compreensão. O mapa inteligente, como instrumento de uso individual do agente comunitário de saúde e de uso coletivo da equipe, se torna ferramenta importante na identificação das situações de saúde do território e no planejamento, execução e acompanhamento das atividades na comunidade. A aproximação do espaço de vivência das pessoas com a equipe de saúde por meio de mapas inteligentes no cotidiano dos serviços permite maior reconhecimento do território e maior vinculação da unidade básica de saúde à população.

Palavras-chave: Territorialização. Saúde pública. Planejamento em saúde. Atenção primária à saúde.

Biografia do Autor

Aline Mitie Both Budal, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva. Curitiba, Paraná, Brasil.

Verônica Azevedo Mazza, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Marilene da Cruz Magalhães Buffon, Universidade Federal do Paraná

Cirurgiã Dentista. Doutora em Ciências. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Rafael Gomes Ditterich, Universidade Federal do Paraná

Cirurgião Dentista. Doutor em Odontologia. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Michele Jocowski, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Especialista em Saúde Coletiva. Curitiba, Paraná, Brasil.

Valquiria Plucheg, Secretaria Municipal de Saúde de Colombo

Enfermeira. Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

1. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte (MG): ESPMG; 2009.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2012.
3. Santos AL, Rigotto RM. Território e territorialização: incorporando as relações de produção, trabalho ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab Educ Saúde. 2011;8(3):387-406.
4. Gondim GMM, Monken M, Rojas LI, Barcellos C, Peiter P, Gracie R. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2008.
5. Monken M. Contexto, território e processo de territorialização de informações: desenvolvendo estratégias pedagógicas para a educação profissional em vigilância em saúde. In: Barcellos C, organizador. A geografia e o contexto dos problemas de saúde. Rio de Janeiro (RJ): Abrasco; 2008. p. 141-63.
6. Pessoa VM, Teixeira ACA, Rigotto RM, Pinheiro TMM. As novas necessidades de saúde nos territórios dos sertanejos do baixo Vale do Jaguaribe-CE e os desafios à política pública de saúde. In: Rigotto RM, organizadora. Agrotóxicos, trabalho e saúde. Fortaleza (CE): Edições UFC; 2011. p. 549-83.
7. Garcia ACP, Lima RCD, Galavote HS, Coelho APS, Vieira ECL, Silva RC, Andrade MAC. Agente comunitário de saúde no Espírito Santo: do perfil às atividades desenvolvidas. Trab Educ Saúde. 2017;15(1):283-300.
8. Cardoso CG, Piovesan MG, Vieira VA, Moraes RB, Henrigson D, Cardoso CR. Mapa inteligente: planejamento em ações de saúde no município de Santa Cruz do Sul. Anais do Salão de Ensino e Extensão; 2011; Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul (RS): Unisc; 2011.
9. Klebian LVA, Acioli AS. Visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde na estratégia de saúde da família. Rev Eletr Enf. 2014;16(1):161-9.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão: diretrizes operacionais. Brasília (DF); 2006.
11. Rolim D, Silva L, Batista TV, Lopes F, Cavalcante E, Cacho N, et al. Uma plataforma integradora da educação no território inteligente. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação; 2018; Fortaleza. Fortaleza (CE): SBIE; 2018. p. 208-17.
12. Goldstein RA, Barcellos C, Magalhães MAFM, Gracie R, Viacava F. A experiência de mapeamento participativo para a construção de uma alternativa cartográfica para a ESF. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(1):45-56.
13. Muraro, CF. Proposta de modelo para o processo de serviço do agente comunitário de saúde [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2018.
14. Mai S, Guimarães CF, Silva JM, Hinkel JHS. O uso das tecnologias na democratização da informação em saúde. Rev Gest Sist Saúde. 2017;6(3):210-8.
15. Monken M, Gondim G, Pereira EM, Bagatoli F, Valentim J, Valente B. Estação de territorialização: projeto e aprendizado coletivo em geografia da saúde. Anais do VIII Simpósio Nacional de Geografia da Saúde; 2017; Dourados. Dourados (MT): Adeir Archando da Mota; 2017. p. 606-14.
Publicado
2020-08-12
Seção
Relato de experiências