CONSTRUÇÃO DE NOVO MODELO DE MAPA INTELIGENTE COMO INSTRUMENTO DE TERRITORIALIZAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

  • Aline Mitie Both Budal Universidade Federal do Paraná
  • Verônica Azevedo Mazza Universidade Federal do Paraná
  • Marilene da Cruz Magalhães Buffon Universidade Federal do Paraná
  • Rafael Gomes Ditterich Universidade Federal do Paraná
  • Michele Jocowski Universidade Federal do Paraná
  • Valquiria Plucheg Secretaria Municipal de Saúde de Colombo

Resumo

A respeito da territorialização na atenção primária à saúde, o presente estudo é um relato de experiência que objetiva descrever a construção de um novo modelo de mapa inteligente em uma unidade de saúde da família no município de Colombo (PR). Para a construção dos mapas foram utilizados softwares de imagem por satélite e de desenho digital. Os mapas foram confeccionados por microárea, impressos e entregues aos agentes comunitários de saúde que, durante visitas domiciliares, inseriram as informações do território. Por serem embasados em fotos por satélite, os mapas representam o território de forma realista e dinâmica, além de ter como características a facilidade em seu manuseio, pois podem ser levados a campo, e ser de fácil preenchimento de informações e compreensão. O mapa inteligente, como instrumento de uso individual do agente comunitário de saúde e de uso coletivo da equipe, se torna ferramenta importante na identificação das situações de saúde do território e no planejamento, execução e acompanhamento das atividades na comunidade. A aproximação do espaço de vivência das pessoas com a equipe de saúde por meio de mapas inteligentes no cotidiano dos serviços permite maior reconhecimento do território e maior vinculação da unidade básica de saúde à população.


Palavras-chave: Territorialização. Saúde pública. Planejamento em saúde. Atenção primária à saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Mestre em Saúde Coletiva. Curitiba, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Cirurgiã Dentista. Doutora em Ciências. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Cirurgião Dentista. Doutor em Odontologia. Docente da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Especialista em Saúde Coletiva. Curitiba, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

1. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte (MG): ESPMG; 2009.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2012.
3. Santos AL, Rigotto RM. Território e territorialização: incorporando as relações de produção, trabalho ambiente e saúde na atenção básica à saúde. Trab Educ Saúde. 2011;8(3):387-406.
4. Gondim GMM, Monken M, Rojas LI, Barcellos C, Peiter P, Gracie R. O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2008.
5. Monken M. Contexto, território e processo de territorialização de informações: desenvolvendo estratégias pedagógicas para a educação profissional em vigilância em saúde. In: Barcellos C, organizador. A geografia e o contexto dos problemas de saúde. Rio de Janeiro (RJ): Abrasco; 2008. p. 141-63.
6. Pessoa VM, Teixeira ACA, Rigotto RM, Pinheiro TMM. As novas necessidades de saúde nos territórios dos sertanejos do baixo Vale do Jaguaribe-CE e os desafios à política pública de saúde. In: Rigotto RM, organizadora. Agrotóxicos, trabalho e saúde. Fortaleza (CE): Edições UFC; 2011. p. 549-83.
7. Garcia ACP, Lima RCD, Galavote HS, Coelho APS, Vieira ECL, Silva RC, Andrade MAC. Agente comunitário de saúde no Espírito Santo: do perfil às atividades desenvolvidas. Trab Educ Saúde. 2017;15(1):283-300.
8. Cardoso CG, Piovesan MG, Vieira VA, Moraes RB, Henrigson D, Cardoso CR. Mapa inteligente: planejamento em ações de saúde no município de Santa Cruz do Sul. Anais do Salão de Ensino e Extensão; 2011; Santa Cruz do Sul. Santa Cruz do Sul (RS): Unisc; 2011.
9. Klebian LVA, Acioli AS. Visita domiciliar de enfermeiros e agentes comunitários de saúde na estratégia de saúde da família. Rev Eletr Enf. 2014;16(1):161-9.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Pactos pela vida, em defesa do SUS e de gestão: diretrizes operacionais. Brasília (DF); 2006.
11. Rolim D, Silva L, Batista TV, Lopes F, Cavalcante E, Cacho N, et al. Uma plataforma integradora da educação no território inteligente. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação; 2018; Fortaleza. Fortaleza (CE): SBIE; 2018. p. 208-17.
12. Goldstein RA, Barcellos C, Magalhães MAFM, Gracie R, Viacava F. A experiência de mapeamento participativo para a construção de uma alternativa cartográfica para a ESF. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(1):45-56.
13. Muraro, CF. Proposta de modelo para o processo de serviço do agente comunitário de saúde [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2018.
14. Mai S, Guimarães CF, Silva JM, Hinkel JHS. O uso das tecnologias na democratização da informação em saúde. Rev Gest Sist Saúde. 2017;6(3):210-8.
15. Monken M, Gondim G, Pereira EM, Bagatoli F, Valentim J, Valente B. Estação de territorialização: projeto e aprendizado coletivo em geografia da saúde. Anais do VIII Simpósio Nacional de Geografia da Saúde; 2017; Dourados. Dourados (MT): Adeir Archando da Mota; 2017. p. 606-14.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
BUDAL, Aline Mitie Both et al. CONSTRUÇÃO DE NOVO MODELO DE MAPA INTELIGENTE COMO INSTRUMENTO DE TERRITORIALIZAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 727-740, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2503>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2503.
Seção
Relato de experiências

Palavras-chave

Territorialização; Saúde Coletiva; Planejamento em Saúde; Atenção Primária à Saúde