A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE PARA AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES DE CRIANÇAS DESNUTRIDAS MENORES DE DOIS ANOS

  • Paula Chuproski Saldan Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Débora Falleiros de Mello Universidade de São Paulo

Resumo

Objetivou-se descrever a utilização da observação participante (OP) para análise da alimentação de crianças desnutridas menores de dois anos. Foram analisados na íntegra oito diários de campo (DC) para identificar como a OP auxilia na avaliação das práticas alimentares de crianças dessa faixa etária. Os resultados foram agrupados nos seguintes temas: “A entrada em campo”; “O diário de campo: antes, durante e após as observações”; “A observação das práticas alimentares das crianças”; e “A observação que ultrapassa as práticas alimentares das crianças”. Verificou-se in loco quais os alimentos preparados, oferecidos e consumidos pela criança, quem preparava, horários e locais das refeições, aspectos de higiene, interações mãe-criança, cuidados dispensados às crianças, situação social e redes de suporte das famílias. A OP revelou aspectos para além da alimentação como ato biológico e ampliou o entendimento sobre a situação da criança frente ao problema de saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Ciências. Docente da Universidade Estadual do Centro-Oeste. Guarapuava, Paraná, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Pós-Doutorado em Saúde Coletiva. Docente titular da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Referências

1. Malinowski B. Introdução: o assunto, o método e o objetivo desta investigação. In: Durham ER, organizadora. Malinowski. São Paulo (SP): Ática; 1986. p. 24-48.
2. Romanelli G. A entrevista antropológica: troca e alteridade. In: Romanelli G, Biasoli-Alves ZMM, organizadores. Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. Ribeirão Preto (SP): Legis Summa; 1998. p. 119-33.
3. Gualda DMR. Etnografia. In: Merighi MAB, Praça NS. Abordagens teórico-metodológicas qualitativas. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2003. p. 19-29.
4. Bustamante V, Trad LAB. Cuidando da saúde de crianças pequenas no contexto familiar: um estudo etnográfico com famílias de camadas populares. Ciênc Saúde Colet. 2007;12(5):1175-84.
5. Maranhão DG, Sarti CA. Cuidado compartilhado: negociações entre famílias e profissionais em uma creche. Interface. 2007;11(22):257-70.
6. Caprara A, Landim LP. Etnografia: uso, potencialidades e limites na pesquisa em saúde. Interface. 2008;12(25):363-76.
7. Canesqui AM. Pesquisas qualitativas em nutrição e alimentação. Rev Nutr. 2009;22(1):125-39.
8. Velho G. O desafio da proximidade. In: Velho G, Kuschnir K, organizadores. Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropológico. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar Editor; 2003. p. 11-9.
9. Canesqui AM, Garcia RWD. Uma introdução à reflexão sobre a abordagem sociocultural da alimentação. In: Canesqui AM, Garcia RWD, organizadores. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2005. p. 9-19.
10. Romanelli G. O significado da alimentação na família: uma visão antropológica. Medicina. 2006;39(3):333-9.
11. Poulain JP, Proença RPC. O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Rev Nutr. 2003;16(3):245-56.
12. Rotenberg S, De Vargas S. Práticas alimentares e o cuidado da saúde: da alimentação da criança à alimentação da família. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2004;4(1):85-94.
13. Brasil. Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.
14. Nogueira-Martins MCF, Bógus CM. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde Soc. 2004;13(3):44-57.
15. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2006.
16. Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 25a ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2007.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1996 out 16. Seção 1, p. 21086.
18. Queiroz DT, Vall J, Souza AMA, Vieira NFC. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Rev Enferm UERJ. 2007;15(2):276-83.
19. Fernandes FMB, Moreira MR. Considerações metodológicas sobre as possibilidades de aplicação da técnica de observação participante na Saúde Coletiva. Physis. 2013;23(2):511-29.
20. Correia MCB. A observação participante enquanto técnica de investigação. Pensar Enferm. 2009;13(2):30-6.
21. Marcon SS, Elsen I. Estudo qualitativo utilizando observação participante: análise de uma experiência. Acta Sci Biol Sci. 2000;22(2):637-47.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
SALDAN, Paula Chuproski; MELLO, Débora Falleiros de. A OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE PARA AVALIAÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES DE CRIANÇAS DESNUTRIDAS MENORES DE DOIS ANOS. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2512>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2512.
Seção
Artigos originais de temas livres