FATORES ASSOCIADOS A ACIDENTES DE TRABALHO ENTRE PROFISSIONAIS MOTOTAXISTAS

  • Loiamara Barreto Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Jéssica Meira Mendes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Camila Rego Amorim Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Alba Benemérita Alves Vilela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Adriana Alves Nery Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Resumo

O número de acidentes de trânsito envolvendo motocicleta é cada vez maior, o que expõe o profissional mototaxista à ocorrência de acidentes de trabalho. O presente estudo tem como objetivo estimar a incidência anual de acidentes de trabalho entre profissionais mototaxistas e os fatores associados a estes agravos segundo características sociodemográficas, características profissionais, condições de trabalho e presença de sintomas osteomusculares. Trata-se de estudo transversal de caráter analítico com amostra composta por 123 mototaxistas cadastrados na Associação de Mototaxistas de Jequié (taxa de resposta 77,8%). Para análise estatística, foi utilizada a técnica de regressão logística, com cálculo das razões de incidência, intervalo de confiança (95%) e nível de significância p ≤ 0,05. A incidência anual de acidentes de trabalho entre mototaxistas foi de 26,8%. Foi observada, ainda, uma incidência expressiva de acidentes entre aqueles que relataram possuir outra atividade remunerada além do serviço de mototáxi (86,7%), com associação estatisticamente significante (p = 0,03). O desempenho de duas profissões parece predispor o mototaxista a maior ocorrência de acidentes com o veículo, sendo considerado um importante problema de saúde pública.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Mestre em Ciências da Saúde. Jequié, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Mestre em Ciências da Saúde. Jequié, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Mestre em Saúde Coletiva. Docente na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, Bahia,
Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente e coordenadora do Programa de Pós Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié, Bahia, Brasil.

Referências

1. Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2012: os novos padrões da violência homicida no Brasil [Internet]. São Paulo (SP): Instituto Sangari; 2012 [citado 2013 set 14]. Disponível em: http://mapadaviolencia.org.br/pdf2012/mapa2012_web.pdf
2. World Health Organization. The global impact. In: Peden M, Scurfield R, Sleet D, Mohan D, Hyder AA, Jarawan E, Mathers C, editores. World report on road traffic injury prevention. Geneva (CH): World Health Organization; 2004. p. 33-61.
3. Amorim CR, Araújo EM, Araújo TM, Oliveira NF. Acidentes de trabalho com mototaxistas. Rev Bras Epidemiol. 2012;15(1):25-37.
4. Albuquerque MES, Morais RS, Ximenes JM, Moura CCB, Freitas RO Jr, Ximenes FRG Neto. Qualidade de vida no trabalho e riscos ocupacionais dos mototaxistas: um estudo de caso. Rev CPAQV. 2012;4(3):1-9.
5. Silva LA, Robazzi MLCC, Dalri RCMB, Terra FS, Silva JNA, Batista MHJ. Características ocupacionais de trabalhadores mototaxistas. Rev Enferm UFPE. 2014;8(10):3377-85.
6. Silva LA, Martins JT, Freitas FCT, Dalri RCMB, Robazzi MLCC. Algumas características do trabalho e do trabalhador mototaxista: revisão bibliográfica. Rev Enferm UFPE. 2009;3(3):678-86.
7. Silva MB, Oliveira MB, Fontana RT. Atividade do mototaxista: riscos e fragilidades autorreferidos. Rev Bras Enferm. 2011;64(6):1048-55.
8. IBGE Cidades [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; c2007. Jequié: população; 2010 [citado 2013 abr 23]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/jequie/panorama
9. Ministério da Infraestrutura [Internet]. Brasília (DF): c2016. Informações sobre frota de veículos; 2016 [citado 2015 maio 27]. Disponível em: https://infraestrutura.gov.br/component/content/article/115-portal-denatran/8552-estat%C3%ADsticas-frota-de-ve%C3%ADculos-denatran.html
10. Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde: décima revisão (CID-10). 8a ed. São Paulo (SP): Edusp; 2000.
11. Lopes F, Buchalla CM, Ayres JRCM. Mulheres negras e não-negras e vulnerabilidade ao HIV/Aids no estado de São Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública. 2007;41(supl. 2):39-46.
12. Araújo EM, Costa MCN, Hogan VK, Mota ELA, Araújo TM, Oliveira NF. Diferenciais de raça/cor da pele em anos potenciais de vida perdidos por causas externas. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):405-12.
13. Pinheiro FA, Tróccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Rev Saúde Pública. 2002;36(3):307-12.
14. Hosmer DW Jr, Lemeshow S. Applied logistic regression. 2a ed. New York (NY): John Wiley & Sons; 2000.
15. Oliveira NF, Santana VS, Lopes AA. Razões de proporções e uso do método delta para intervalos de confiança em regressão logística. Rev Saúde Pública. 1997;31(1):90-9.
16. Brasil. Lei nº 12.009, de 29 de julho de 2009. Regulamenta o exercício das atividades dos profissionais em transporte de passageiros, “mototaxista”, em entrega de mercadorias e em serviço comunitário de rua, e “motoboy”, com o uso de motocicleta, (…). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2009 jul 30. Seção 1, p. 4.
17. Castillo Avila IY, Galarza Herrera B, Palomino Gómez H. Condiciones de trabajo y salud de mototaxistas Cartagena – Colombia. Salud Uninorte. 2013;29(3):514-24.
18. Silva LA, Robazzi MLCC, Terra FS. Associação entre acidentes de trabalho e os níveis de carboxi-hemoglobina em trabalhadores mototaxistas. Rev Latino-Am Enferm. 2013;21(5):1119-26.
19. National Center for Statistics and Analysis. 2013 motor vehicle crashes: overview. Traffic Safety Facts: Research Note [Internet]. 2014 dez [citado 2015 set 14]. Disponível em: https://crashstats.nhtsa.dot.gov/Api/Public/ViewPublication/812101
20. Soares DFPP, Mathias TAF, Silva DW, Andrade SM. Motociclistas de entrega: algumas características dos acidentes de trânsito na Região Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(3):435-44.
21. Silva DW, Andrade SM, Soares DFPP, Mathias TAF, Matsuo T, Souza RKT. Factors associated with road accidents among Brazilian motorcycle couriers. ScientificWorldJournal. 2012;2012:1-6.
22. Rodrigues CL, Armond JE, Gorios C, Souza PC. Acidentes que envolvem motociclistas e ciclistas no município de São Paulo: caracterização e tendências. Rev Bras Ortop. 2014;49(6):602-6.
23. Silva DW, Andrade SM, Soares DA, Soares DFPP, Mathias TAF. Perfil do trabalho e acidentes de trânsito entre motociclistas de entregas em dois municípios de médio porte do estado do Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(11):2643-52.
24. Herazo Y, Domínguez R, Olarte S, Quitian L. Discapacidad y mototaxismo en Cartagena, Colombia. Rev Fac Nac Salud Pública. 2011;29(4):469-73. Disponível em: http://clacso.redalyc.org/pdf/120/12021522019.pdf
25. Diniz EPH, Assunção AA, Lima FPA. Por que os motociclistas profissionais se acidentam? Riscos de acidentes e estratégias de prevenção. Rev Bras Saúde Ocup. 2005;30(111):41-50.
26. Veronese AM, Oliveira DLLC. Os riscos de acidentes de trânsito na perspectiva dos moto-boys: subsídios para a promoção da saúde. Cad Saúde Pública. 2006;22(12):2717-21.
27. Pereira AA, Fischer GJ. Acidentes de trabalho com motocicleta em Joinville, SC. Rev Saúde Ambiente. 2009;10(2):71-81.
28. Lira SVG. Comportamento preventivo e de risco no trânsito, referido por mototaxistas regulamentados em Fortaleza (CE) [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade de Fortaleza; 2008.
29. Paes-Machado E, Riccio-Oliveira MA. O jogo de esconde-esconde: trabalho perigoso e ação social defensiva entre motoboys de Salvador. Rev Bras Cienc Soc. 2009;24(70):91-106.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
SANTOS, Loiamara Barreto et al. FATORES ASSOCIADOS A ACIDENTES DE TRABALHO ENTRE PROFISSIONAIS MOTOTAXISTAS. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2519>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2519.
Seção
Artigos originais de temas livres

Palavras-chave

Epidemiologia; Mototaxistas; Saúde do trabalhador; Condições de trabalho; Acidentes de trabalho; Transtornos traumáticos cumulativos.