AUTOMEDICAÇÃO POR IDOSOS USUÁRIOS DE PLANO DE SAÚDE SUPLEMENTAR

  • Elaine Cristina Salzedas Muniz Faculdade de Medicina de Marília
  • Maria José Sanches Marin Faculdade de Medicina de Marília
  • Carlos Alberto Lazarini Faculdade de Medicina de Marília
  • Flavia Cristina Goulart Faculdade de Medicina de Marília
  • Danielle Ruiz Faculdade de Medicina de Marília
Palavras-chave: Automedicação, Automedicação. Saúde Suplementar. Idoso. Uso de Medicamentos Self Medication. Supplemental Health. Aging. Drug Utilization Automedicación. Salud Complementaria. Anciano. Utilización de medicamentos, Saúde suplementar, Idoso, Uso de medicamentos

Resumo

A utilização de medicamentos pelos idosos torna-se ainda mais problemática quando se trata da automedicação. Embora essa prática seja comum no mundo todo, as causalidades são diversas, visto que as variáveis socioculturais influenciam essa prática. Dados epidemiológicos do Brasil mostram que 80 milhões de pessoas têm o hábito de se automedicar, e os idosos fazem parte dessa estatística. Este estudo tem como objetivo analisar o perfil sociodemográfico de idosos que utilizam plano de saúde suplementar e automedicação. Trata-se de um estudo transversal, com abordagem quantitativa, no qual foram entrevistados 239 idosos usuários de plano de saúde suplementar utilizando-se um questionário previamente estruturado. Os dados foram transcritos para o software SPSS versão 17 e as análises inferenciais foram realizadas pelo teste de qui-quadrado de Pearson ou pelo teste exato de Fisher. Observou-se que 53,9% (125) dos entrevistados realizaram automedicação. Os homens e os idosos que vivem sozinhos tendem a fazer uso de automedicação em maior proporção. Os medicamentos mais utilizados dessa forma são a dipirona sódica, sozinha 15,8% (21) ou em associação 24,8% (33), seguida do paracetamol 10,5% (14), dos fitoterápicos 9% (12), vitaminas 6,8% (9) e nimesulida, utilizada por 6% dos idosos. Os dados indicam que esses idosos apresentam padrão de automedicação que se aproxima dos dados encontrados em outros estudos. Considera-se importante maior investimento em estratégias educativas como forma de evitar o uso de automedicação.

Palavras-chave: Automedicação. Saúde suplementar. Idoso. Uso de medicamentos.

Biografia do Autor

Elaine Cristina Salzedas Muniz, Faculdade de Medicina de Marília

Enfermeira. Mestre em Saúde e Envelhecimento. Marília, São Paulo, Brasil.

Maria José Sanches Marin, Faculdade de Medicina de Marília

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do curso de Enfermagem e mestrado da Faculdade de Medicina de Marília. Marília, São Paulo, Brasil.

Carlos Alberto Lazarini, Faculdade de Medicina de Marília

Farmacêutico. Doutor em Farmacologia. Docente da Faculdade de Medicina de Marília. Marília, São Paulo, Brasil.

Flavia Cristina Goulart, Faculdade de Medicina de Marília

Farmacêutica. Doutora em Farmacologia. Docente da Faculdade de Medicina de Marília. Marília, São Paulo, Brasil.

Danielle Ruiz, Faculdade de Medicina de Marília

Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília. Marília, São Paulo, Brasil.

Referências

1. Bloom DE, Cafiero ET, Jané-Llopis E, Abrahams-Gessel S, Bloom LR, Fathima S, et al. The global economic burden of non-communicable diseases. Report by the World Economic Forum and the Harvard School of Public Health [Internet]. Genève: World Economic Forum; 2011 [citado em 2012 maio 20]. Disponível em: http://www3.weforum.org/docs/WEF_Harvard_HE_GlobalEconomicBurdenNonCommunicableDiseases_2011.pdf
2. Sá MB, Barros JAC, Sá MPB. Automedicação em idosos na cidade de Salgueiro-PE. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(1):75-85.
3. Arrais PSD, Coelho HLL, Batista MCDS, Carvalho ML, Righi RE, Arnau JM. Perfil da automedicação no Brasil. Rev Saúde Pública. 2013;31(1):71-7.
4. Organización Mundial de la Salud. El papel del farmacéutico en el autocuidado y la automedicación. Reporte de la 4ª Reunión del Grupo Consultivo de la OMS sobre el Papel del Farmacéutico [Internet]; 1998 ago 26-28; La Haya, Países Bajos. La Haya; 1998 [citado em 1998 ago 18]. Disponível em: https://onedrive.live.com/view.aspx?resid=7BE6A348B99749AC!199&ithint=file%2cdocx&authkey=!APdPPPU8R7_HLzs
5. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicamentos. Brasília (DF); 2001.
6. Asseray N, Ballereau F, Trombert-Paviot B, Bouget J, Foucher N, Renaud B, et al. Frequency and severity of adverse drug reactions due to self-medication: a cross-sectional multicentre survey in emergency departments. Drug Saf. 2013;36(12):1159-68.
7. Federación Internacional Farmacéutica, Organización Mundial de la Salud. Directrices conjuntas FIP/OMS sobre buenas prácticas en farmacia: estándares para la calidad de los servicios farmacéuticos. Hyderabad; 2011.
8. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 586, de 29 de agosto de 2013. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 26 set 2013 [citado em 2015 ago 20]. Disponível em: http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=136&data=26/09/2013
9. Duarte LR, Gianinni RJ, Ferreira LR, Camargo MAS, Galhardo SD. Hábitos de consumo de medicamentos entre idosos usuários do SUS e de plano de saúde. Cad Saúde Colet. 2012;20(1):64-71.
10. Santos JC, Faria M Jr, Restini CBA. Potenciais interações medicamentosas identificadas em prescrições a pacientes hipertensos. Rev Bras Clín Méd. 2012;10(4):308-17.
11. Stefano ICA. Uso de medicamentos por idosos: análise da prescrição, dispensação e utilização num município de médio porte-SP [dissertação]. Marília (SP): Faculdade de Medicina de Marília; 2015.
12. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências: Brasil, grandes regiões e unidades da Federação. Rio de Janeiro (RJ); 2015.
13. Brasil. Ministério da Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar. Plano de cuidado para idosos na saúde suplementar [Internet]. Brasília (DF); 2012 [citado em 31 ago 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_cuidado_idosos.pdf
14. Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil [Internet]. São Paulo (SP); 2013. [citado em 2013 dez 15]. Disponível em: http://www.abep.org/new/criterioBrasil.aspx
15. Flores VB, Benvegnú LA. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(6):1439-46.
16. Bueno CS, Weber D, Oliveira KR. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí/RS. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2009;30(2):75-82.
17. Martinez F, Goulart FC, Lazarini CA. Caracterização da prática de automedicação e fatores associados entre universitários do curso de enfermagem. Rev Eletrônica Enferm. 2014:16(3):644-51.
18. Valença CN, Germano RM, Menezes RMP. A automedicação em idosos e o papel dos profissionais de saúde e da enfermagem. Rev Enferm UFPE on-line. 2010;4(3):320-6.
19. Jafari F, Khatony A, Rahmani E. Prevalence of self-medication among the elderly in Dermanshah-Iran. Glob J Health Sci. 2015;7(2):360-5.
20. Chehuen Neto JA, Delgado AAA, Galvão CCGD, Machado SJM, Bicalho TC, Oliveira TA. Uso de medicamentos por idosos de Juiz de Fora: um olhar sobre a polifarmácia. HU Rev. 2012;37(3):305-13.
21. Brasil. Ministério da Saúde. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília (DF); 2012.
22. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira – 2013 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2013 [citado em 2014 maio 12]. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf
23. Camargos MCS, Rodrigues RN, Machado CJ. Idoso, família e domicílio: uma revisão narrativa sobre a decisão de morar sozinho. Rev Bras Estud Popul. 2001;28(1):217-30.
24. Santos VP, Lima WR, Rosa RS, Barros IMC, Boery RNSO, Ciosak SI. Perfil de saúde dos idosos muito velhos em vulnerabilidade social na comunidade. Rev Cuid. 2018:9(3):2322-37.
25. Stosic R, Dunagan F, Palmer H, Fowler T, Adams I. Responsible self-medication: perceived risks and benefits of over-the-counter analgesic use. Int J Pharm Pract. 2011;19(4):236-45.
26. Oliveira MA, Francisco PMSB, Costa KS, Barros M B A. Automedicação em idosos residentes em Campinas, São Paulo, Brasil: prevalência e fatores associados. Cad Saúde Pública. 2012;28(2):335-45.
27. Fick DM, Cooper JW, Wade WE, Waller JL, Maclean JR, Beers MH. Updating the Beers criteria for potentially inappropriate medication use in older adults: results of a US Consensus Panel of Experts. Arch Intern Med. 2003;163(22):2716-24.
28. Knappmann AL, Melo EB. Qualidade de medicamentos isentos de prescrição: um estudo com marcas de dipirona comercializadas em uma drogaria de Cascavel (PR, Brasil). Ciênc Saúde Colet. 2010:15(supl. 3):3467-76.
29. Goh LY. Vitry AI, Semple SJ, Esterman A, Luszcs MA. Self-medication with over-the-counter drugs and complementary medications in South Australia's elderly population. BMC Complement Altern Med. 2009;9:42.
30. Aquino DS. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciênc Saúde Colet. 2008;13(supl.):733-6.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres