A (IN)VISIBILIDADE DO SURDO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

  • Desirée De Vit Begrow Universidade Federal da Bahia
  • Daniella Souza Santos Universidade Federal da Bahia
  • Marília Emanuela Ferreira de Jesus Universidade Federal da Bahia
  • Manôa Marques de Carvalho Bispo CEPRED
  • Mayara Pinheiro de Souza Universidade Federal da Bahia
  • Priscilla Santos Costa Secretaria Municipal de Saúde

Resumo

O Programa de Educação pelo Trabalho-Saúde/Redes de Atenção à Saúde do Surdo (PET-Saúde/Redes) visa colaborar na implantação da rede de atenção à saúde das pessoas com deficiência, tomando como ponto de partida a Unidade de Saúde da Família (USF). Este artigo relata a experiência dos participantes do PET na busca ativa dos surdos em uma USF de Salvador, Bahia. Este relato de experiência foi desenvolvido por integrantes do PET-Saúde/Redes – uma graduanda de enfermagem e uma de fonoaudiologia da Universidade Federal da Bahia –, sob preceptoria de fisioterapeuta, integrante do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, no período de setembro de 2014 a junho de 2015. A partir da experiência no PET, constatou-se que a inexistência de notificações sobre os surdos na USF se devia à falta de informação dos profissionais de saúde sobre a presença destes na região, e mesmo ao se depararem com as pessoas localizadas pelo projeto, foi externado despreparo para lidar com esses usuários. Essa constatação implica a necessidade de ações mais específicas de sensibilização para ampliar o olhar da equipe sobre essa população já historicamente estigmatizada, ações que envolvem desde a gestão da unidade até o esclarecimento por meio de atividades de educação em saúde com toda a comunidade, sobre como a atenção primária pode contribuir na melhor qualidade de vida das pessoas sob seu cuidado.


Palavra-chave: Unidade de Saúde da Família. Surdez. Programa de Educação pelo Trabalho.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Doutora em Educação. Professora Associada do Departamento de Fonoaudiologia na Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Graduanda em Fonoaudiologia na Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem e Saúde no Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia. Bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Camaçari, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Especialista em Saúde Materno-Infantil. Lauro de Freitas, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Mestranda em Medicina e Saúde Humana pela Bahiana – Escola de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Especialista em Metodologia do Ensino Superior. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Brasil. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2002 abr. 25. Seção 1, p. 23.
2. Brasil. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 dezembro 2000. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2005 dez. 23. Seção 1, p. 28.
3. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte (MG): Escola de Saúde Pública de Minas Gerais; 2009.
4. Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado a saúde. Rio de Janeiro (RJ): UERJ-IMS/Abrasco; 2001. p. 39-63.
5. Nardi HC, Rigoni RQ. Marginalidade ou cidadania? A rede discursiva que configura o trabalho dos redutores de danos. Psicol Estud. 2005;10(2):273-82.
6. Silva LM. O estranhamento causado pela deficiência: preconceito e experiência. Rev Bras Educ. 2006;11(33):424-561.
7. Santos BS. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitanismo multicultural. Rio de Janeiro (RJ): Civilização Brasileira; 2003.
8. Brasil. Conselho Nacional de Secretários da Saúde. Assistência de média e alta complexidade no SUS. Brasília (DF): Conass; 2011.
9. Dias VA. Referência e contra referência: um importante sistema para a complementaridade da integralidade da assistência [monografia]. Florianópolis (SC): Universidade de Santa Catarina; 2012.
10. Chaveiro N, Barbosa MA, Porto CC. Revisão de literatura sobre o atendimento ao paciente surdo pelos profissionais de saúde. Rev Esc Enferm. 2008;42(3):578-83.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
BEGROW, Desirée De Vit et al. A (IN)VISIBILIDADE DO SURDO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 753-762, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2567>. Acesso em: 22 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2567.
Seção
Relato de experiências

Palavras-chave

Surdez, Unidade de Saúde da Família, Programa de Educação pelo Trabalho