PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS SOBRE SUAS NECESSIDADES DE SAÚDE NO ÂMBITO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

  • Taynana Soares Oliveira Fequis Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Acre
  • Eliana Sabrina de Souza Barbosa Universidade Federal do Acre
  • Rozilaine Redi Lago Universidade Federal do Acre
  • Lydhia Rubhia de Lima Torres Faculdade Barão do Rio Branco

Resumo

A atenção primária à saúde (APS) constitui espaço privilegiado de atuação de políticas públicas de saúde e representa o nível de atenção preferencial para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) obterem o atendimento de suas necessidades. Diante da carência de melhor compreensão sobre este tema, buscou-se analisar a produção científica acerca da percepção dos usuários sobre suas necessidades no âmbito da APS no SUS, a partir da taxonomia de Matsumoto. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, na qual foram selecionados quatro artigos completos, disponíveis em língua portuguesa, como resultado da busca realizada nas bases de dados eletrônicas Lilacs e Medline, usando as palavras-chave “necessidades e demandas de serviços de saúde”, “necessidades” e “necessidades de saúde”, publicados entre 2009 e 2013. Os estudos analisados utilizam abordagem qualitativa (classificados com nível de evidência número 4), são de autoria de enfermeiros e apresentam o estado de São Paulo como local de pesquisa predominante. As categorias de necessidades de saúde expressas pelos usuários nos artigos contemplaram aquelas propostas por Matsumoto. Concluiu-se que os usuários da atenção primária do SUS compreendem suas necessidades no âmbito da APS e têm uma visão ampliada de que elas não estão atreladas apenas aos fatores biológicos, mas envolvem também a sua situação social, além do acesso que devem possuir a todos os serviços de saúde desde a porta de entrada.


 

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Sanitarista. Mestranda em Gestão, Trabalho, Educação e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Rio Branco, Acre, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Sanitarista. Especialista em Saúde Pública. Técnica Administrativa na Secretaria Estadual de Educação do Acre.
Rio Branco, Acre, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Saúde Pública. Docente do Departamento de Saúde da Universidade Federal do Acre.
Rio Branco, Acre, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Mestre em Fonoaudiologia. Docente do Centro Universitário Uninorte. Rio Branco, Acre, Brasil.

Referências

1. Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1988 out 5. p. 1.
2. Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e outros assuntos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1990 set 20. p. 18055.
3. Arreaza ALV, Moraes JC. Vigilância da saúde: fundamentos, interfaces e tendências. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(4):2215-28.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. Brasília (DF): MS; 2008. (Cadernos de atenção básica, n. 21).
5. Brasil. Ministério da Saúde. As cartas de promoção da saúde. Série B. Textos básicos em saúde. Brasília (DF): MS; 2002.
6. Czeresnia D. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. In: Czeresnia D, Freitas CM, organizadores. Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2003. p. 1-12.
7. Westphal MF. Promoção da saúde e prevenção de doenças In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond M Jr, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2012. p. 635-644.
8. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): Unesco; 2002.
9. Nascimento MR. Humanização da assistência pré-natal: um padrão importante para avaliar a qualidade do serviço [dissertação]. Sobral (CE): Escola de Saúde Pública do Ceará; 2005.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): MS; 2012. p. 54-61. (Séria E. Legislação em Saúde).
11. Castiel LD. O técnico e as necessidades em saúde. Cad Saúde Pública. 1985;1(1):18 24.
12. Stotz EN. Os desafios para o SUS e a educação popular: uma análise baseada na dialética da satisfação das necessidades de saúde. In: Rocha CMF, Pinto HA, Andrade LR, Feuerwerker HAP, Santos L, Bilibio LFS et al., organizadores. VER-SUS Brasil: cadernos de textos. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004. p. 286-301.
13. Campos CMS, Bataiero MO. Necessidades de saúde: uma análise da produção cientifica brasileira de 1990 a 2004. Interface. 2007;11(23):605-18.
14. Schraiber LB, Mendes-Gonçalves RB. Necessidade de saúde e atenção primária. In: Schraiber LB, Nemes MIB, Mendes-Gonçalves RB, organizadores. Saúde do adulto: programa e ações na unidade básica. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2000. p. 29-47.
15. Mastsumoto NF. Operacionalização do PAS de uma unidade básica de saúde do Município de São Paulo, analisada sob ponto de vista das necessidades de saúde [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 1999.
16. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.
17. Sampaio RS, Santos I, Amantéa ML, Nunes AS. A classificação das intervenções de enfermagem na prática clínica de enfermeiros brasileiros. Acta Paul Enferm. 2011;24(1):120-6.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Avaliação de tecnologias em saúde. Brasília (DF): MS; 2008 [citado 2014 jun 14]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/avaliacao_tecnologias_saude.pdf
19. Moraes PA, Bertolozzi MR, Hino P. Percepções sobre necessidades de saúde na atenção básica segundo usuários de um serviço de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):19-25.
20. Storino LP. Necessidades de saúde de homens usuários de uma unidade básica de saúde [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2013.
21. Santos BP, Nunes FN, Noguez PT, Roese A. Atenção à saúde na estratégia saúde da família: reflexões da perspectiva do usuário com doença crônica não transmissível. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(8):665-78
22. Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho Vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo (SP): Hucitec; 1997. p. 71-112.
23. Shimoda GT, Silva IA. Necessidades de saúde de mulheres em processo de amamentação. Rev Bras Enferm. 2010;63(1):58-65.
24. Marin MJS, Santana FHS, Moracvick MYAD. Percepção de idosos hipertensos sobre suas necessidades de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):103-10.
25. Assis LCF, Veríssimo MLR. Expectativas e necessidades de acompanhantes de crianças na consulta de saúde. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2010;20(2):317-29.
26. Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília (DF): MS; 1997.
27. Egry EY. Apresentação. In: Egry EY, organizadora. Necessidades em saúde na perspectiva da atenção básica: guia para pesquisadores. São Paulo (SP): Dedone; 2008. p. 79-90.
28. Cecilio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção à saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro (RJ): Uerj; 2001. p. 113-26.
29. Nery AA. Necessidades de saúde na estratégia de saúde da família, no município de Jequié-BA: em busca de uma tradução [tese]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2006.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
FEQUIS, Taynana Soares Oliveira et al. PERCEPÇÃO DOS USUÁRIOS SOBRE SUAS NECESSIDADES DE SAÚDE NO ÂMBITO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2574>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2574.
Seção
Artigo de Revisão

Palavras-chave

Atenção primária à saúde. Necessidades e demandas de serviços de saúde. Saúde Pública.