ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DE UM SUJEITO COM DIABETES MELLITUS: TRILHANDO POSSIBILIDADES NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

  • Jandesson Mendes Coqueiro Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Roseane Vargas Rohr Universidade Federal do Espírito Santo
  • Adauto Emmerich Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo
  • Túlio Alberto Martins de Figueiredo Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

O diabetes mellitus é um dos principais problemas de saúde pública em todo mundo devido principalmente a complicações e altos índices de morbimortalidade, em especial na idade adulta. Este estudo teve como objetivo compreender o itinerário terapêutico de um sujeito com diabetes mellitus e a sua experiência com a enfermidade. A abordagem foi qualitativa e o cenário um território de saúde do município de Serra, Espírito Santo. Os instrumentos de produção de material foram entrevista narrativa, observação e diário de campo, tendo sido a entrevista realizada na residência do sujeito. A partir do material transcrito e das anotações do diário de campo, buscou-se dar sentido à construção da narrativa do sujeito, uma mulher com diagnóstico de diabetes mellitus estabelecido há dez anos, baixa escolaridade e pertencente à camada social menos favorecida. A partir de sua trajetória de cuidado com a saúde, destacaram-se os limites – fragmentação do cuidado, condição socioeconômica, dentre outros – e possibilidades – apoio familiar, por exemplo –, desse sujeito, bem como a produção de sentido na experiência do adoecimento de longa duração. Dessa forma, percebeu-se que a constituição do itinerário terapêutico ainda é marcada por problemas que dificultam o bom gerenciamento do diabetes mellitus, mas a escuta dos usuários do Sistema Único de Saúde pode constituir faceta importante para valorização dos diversos sujeitos implicados na produção de saúde e diminuição das fragilidades na produção de cuidado em saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Doutor em Saúde Coletiva. Docente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Teófilo Otoni, Minas Gerais, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Cirurgião-dentista. Doutor em Odontologia. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Doutor em Saúde Pública. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo,
Brasil.

Referências

1. Tavares FRG, Bonet O. Itinerário terapêutico e práticas avaliativas: algumas considerações. In: Pinheiro R, Silva Junior AG, Mattos RA, editores. Atenção básica e integralidade: contribuições para estudos de práticas avaliativas em saúde. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2011. p. 189-214.
2. Bellato R, Araújo LFS, Castro P. O itinerário terapêutico como uma tecnologia avaliativa da integralidade em saúde. In: Pinheiro R, Silva Junior AG, Mattos RA, editores. Atenção básica e integralidade: contribuições para estudos de práticas avaliativas em saúde. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2011. p. 167-187.
3. Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM. Contextos, parceiras e itinerários na produção do cuidado integral: entrecruzando racionalidades e práticas. In: Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM, editores. Contexto, parcerias e itinerários na produção do cuidado integral: diversidade e interseções. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2015. p. 15-24.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2010 dez 31. Seção 1, p. 88.
5. Canesqui AM. Adoecimentos e sofrimentos de longa duração. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2015. Adoecimentos de longa duração: análise da literatura publicada em seis periódicos de saúde coletiva/saúde pública; p. 27-69.
6. Alves PC, Souza IM. Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In: Rabelo MC, Alves PC, Souza IM, editores. Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 1999. p. 125-38.
7. Fleischer S. Pasando por comadrona, midwife y médico: el itinerario terapéutico de una embarazada en Guatemala. Anthropologica. 2006;24(24):51-75.
8. Trad LAB, Tavares JSC, Soares CS, Ripardo RC. Itinerários terapêuticos face à hipertensão arterial em famílias de classe popular. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):797-806.
9. Grietens KP, Toomer E, Boock AU, Hausmann-Muela S, Peeters H, Kanobana Kirezi, et al. What role do traditional beliefs play in treatment seeking and delay for buruli ulcer disease? Insights from a mixed methods study in Cameroon. Plos one. 2012;7(1):e36954.
10. Del Monaco R. Dolor crónico y narrativa: experiencias cotidianas y trayectorias de atención en el padecimiento de la migraña. Physis. 2013;23(2):489-510.
11. Martins PV, Iriart JAB. Itinerários terapêuticos de pacientes com diagnóstico de hanseníase em Salvador, Bahia. Physis. 2014;24(1):273-89.
12. Finco M, Bertoncini JH. Itinerário terapêutico e vivência dos familiares e adolescentes com diabetes mellitus tipo 1. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(3):371-9.
13. Lima NC, Baptista TWF, Vargas EP. Ensaios sobre “cegueiras”: itinerário terapêutico e barreias de acesso em assistência oftalmológica. Interface. 2017;21(62):615-27.
14. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-2015. São Paulo (SP): AC Farmacêutica; 2015.
15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2011.
16. Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 4a ed. São Paulo (SP): Cortez; 2000.
17. Bury M. Illness narratives: fact or fiction? Sociol Health Illn. 2001;23(3):263-85.
18. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2012 jun 13.
19. Kleinman A. Concepts and model for the comparison of medical systems as cultural systems. Soc Sci Med. 1978;12(1):85-93.
20. Barsaglini RA. As representações sociais e a experiência com o diabetes: um enfoque socioantropológico. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2011.
21. Thoolen B, De Ridder D, Bensing J, Gorter K, Rutten G. No worries, no impact? A systematic review of emotional, cognitive, and behavioural responses to the diagnosis of type 2 diabetes. Health Psychol Rev. 2008;2(1):65-93.
22. Ferreira DSP, Daher DV, Teixeira ER, Rocha IJ. Repercussão emocional diante do diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2. Rev Enferm UERJ. 2013;21(1):41-6.
23. Lopes AAF. O gênero do cuidado de si: as implicações da dieta alimentar na comensalidade de diabéticos. Cad Pagu. 2011;36(1):345-74.
24. Faria APS, Bellato R. A vida cotidiana de quem vivencia a condição crônica do diabetes mellitus. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(4):752-9.
25. Cyrino AP. Entre a ciência e a experiência: uma cartografia do autocuidado no diabetes. São Paulo: Editora Unesp; 2009.
26. Oliveira VA, Santos MA, Andrade NHS, Teixeira CRS, Rodrigues FFL, Zanetti ML. A percepção do corpo por mulheres com e obesidade. Rev Enferm UERJ. 2014;22(2):251-7.
27. Seara SS, Rodrigues AS, Rocha RM. “É muito dificultoso a gente controlar”: percepções de diabéticos sobre adesão ao tratamento. Rev Enferm UFPE on line. 2013;7(9):5460-8.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: MS; 2013.
29. Tavares JSC, Rocha AARM. Redes sociais de suporte: pontes entre a família e os outros contextos de atenção. In: Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM, editores. Contexto, parcerias e itinerários na produção do cuidado integral: diversidade e interseções. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2015. p. 135-148.
30. Wright LM, Leahey M. Enfermeiras e famílias: um guia para avaliação e intervenção na família. 4a ed. São Paulo (SP): Roca; 2009.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
COQUEIRO, Jandesson Mendes et al. ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DE UM SUJEITO COM DIABETES MELLITUS: TRILHANDO POSSIBILIDADES NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2746>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2746.
Seção
Artigos originais de temas livres