ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DE UM SUJEITO COM DIABETES MELLITUS: TRILHANDO POSSIBILIDADES NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

  • Jandesson Mendes Coqueiro Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
  • Roseane Vargas Rohr Universidade Federal do Espírito Santo
  • Adauto Emmerich Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo
  • Túlio Alberto Martins de Figueiredo Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Diabetes mellitus, Acesso aos serviços de saúde, Atenção primária à saúde

Resumo

O diabetes mellitus é um dos principais problemas de saúde pública em todo mundo devido principalmente a complicações e altos índices de morbimortalidade, em especial na idade adulta. Este estudo teve como objetivo compreender o itinerário terapêutico de um sujeito com diabetes mellitus e a sua experiência com a enfermidade. A abordagem foi qualitativa e o cenário um território de saúde do município de Serra, Espírito Santo. Os instrumentos de produção de material foram entrevista narrativa, observação e diário de campo, tendo sido a entrevista realizada na residência do sujeito. A partir do material transcrito e das anotações do diário de campo, buscou-se dar sentido à construção da narrativa do sujeito, uma mulher com diagnóstico de diabetes mellitus estabelecido há dez anos, baixa escolaridade e pertencente à camada social menos favorecida. A partir de sua trajetória de cuidado com a saúde, destacaram-se os limites – fragmentação do cuidado, condição socioeconômica, dentre outros – e possibilidades – apoio familiar, por exemplo –, desse sujeito, bem como a produção de sentido na experiência do adoecimento de longa duração. Dessa forma, percebeu-se que a constituição do itinerário terapêutico ainda é marcada por problemas que dificultam o bom gerenciamento do diabetes mellitus, mas a escuta dos usuários do Sistema Único de Saúde pode constituir faceta importante para valorização dos diversos sujeitos implicados na produção de saúde e diminuição das fragilidades na produção de cuidado em saúde.

Palavras-chave: Diabetes mellitus. Acesso aos serviços de saúde. Atenção primária à saúde.

Biografia do Autor

Jandesson Mendes Coqueiro, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Enfermeiro. Doutor em Saúde Coletiva. Docente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Teófilo Otoni, Minas Gerais, Brasil.

Roseane Vargas Rohr, Universidade Federal do Espírito Santo

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Adauto Emmerich Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo

Cirurgião-dentista. Doutor em Odontologia. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Túlio Alberto Martins de Figueiredo, Universidade Federal do Espírito Santo

Enfermeiro. Doutor em Saúde Pública. Docente da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo,
Brasil.

Referências

1. Tavares FRG, Bonet O. Itinerário terapêutico e práticas avaliativas: algumas considerações. In: Pinheiro R, Silva Junior AG, Mattos RA, editores. Atenção básica e integralidade: contribuições para estudos de práticas avaliativas em saúde. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2011. p. 189-214.
2. Bellato R, Araújo LFS, Castro P. O itinerário terapêutico como uma tecnologia avaliativa da integralidade em saúde. In: Pinheiro R, Silva Junior AG, Mattos RA, editores. Atenção básica e integralidade: contribuições para estudos de práticas avaliativas em saúde. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2011. p. 167-187.
3. Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM. Contextos, parceiras e itinerários na produção do cuidado integral: entrecruzando racionalidades e práticas. In: Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM, editores. Contexto, parcerias e itinerários na produção do cuidado integral: diversidade e interseções. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2015. p. 15-24.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2010 dez 31. Seção 1, p. 88.
5. Canesqui AM. Adoecimentos e sofrimentos de longa duração. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2015. Adoecimentos de longa duração: análise da literatura publicada em seis periódicos de saúde coletiva/saúde pública; p. 27-69.
6. Alves PC, Souza IM. Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In: Rabelo MC, Alves PC, Souza IM, editores. Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 1999. p. 125-38.
7. Fleischer S. Pasando por comadrona, midwife y médico: el itinerario terapéutico de una embarazada en Guatemala. Anthropologica. 2006;24(24):51-75.
8. Trad LAB, Tavares JSC, Soares CS, Ripardo RC. Itinerários terapêuticos face à hipertensão arterial em famílias de classe popular. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):797-806.
9. Grietens KP, Toomer E, Boock AU, Hausmann-Muela S, Peeters H, Kanobana Kirezi, et al. What role do traditional beliefs play in treatment seeking and delay for buruli ulcer disease? Insights from a mixed methods study in Cameroon. Plos one. 2012;7(1):e36954.
10. Del Monaco R. Dolor crónico y narrativa: experiencias cotidianas y trayectorias de atención en el padecimiento de la migraña. Physis. 2013;23(2):489-510.
11. Martins PV, Iriart JAB. Itinerários terapêuticos de pacientes com diagnóstico de hanseníase em Salvador, Bahia. Physis. 2014;24(1):273-89.
12. Finco M, Bertoncini JH. Itinerário terapêutico e vivência dos familiares e adolescentes com diabetes mellitus tipo 1. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(3):371-9.
13. Lima NC, Baptista TWF, Vargas EP. Ensaios sobre “cegueiras”: itinerário terapêutico e barreias de acesso em assistência oftalmológica. Interface. 2017;21(62):615-27.
14. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes: 2014-2015. São Paulo (SP): AC Farmacêutica; 2015.
15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2011.
16. Chizzotti A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 4a ed. São Paulo (SP): Cortez; 2000.
17. Bury M. Illness narratives: fact or fiction? Sociol Health Illn. 2001;23(3):263-85.
18. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2012 jun 13.
19. Kleinman A. Concepts and model for the comparison of medical systems as cultural systems. Soc Sci Med. 1978;12(1):85-93.
20. Barsaglini RA. As representações sociais e a experiência com o diabetes: um enfoque socioantropológico. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2011.
21. Thoolen B, De Ridder D, Bensing J, Gorter K, Rutten G. No worries, no impact? A systematic review of emotional, cognitive, and behavioural responses to the diagnosis of type 2 diabetes. Health Psychol Rev. 2008;2(1):65-93.
22. Ferreira DSP, Daher DV, Teixeira ER, Rocha IJ. Repercussão emocional diante do diagnóstico de diabetes mellitus tipo 2. Rev Enferm UERJ. 2013;21(1):41-6.
23. Lopes AAF. O gênero do cuidado de si: as implicações da dieta alimentar na comensalidade de diabéticos. Cad Pagu. 2011;36(1):345-74.
24. Faria APS, Bellato R. A vida cotidiana de quem vivencia a condição crônica do diabetes mellitus. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(4):752-9.
25. Cyrino AP. Entre a ciência e a experiência: uma cartografia do autocuidado no diabetes. São Paulo: Editora Unesp; 2009.
26. Oliveira VA, Santos MA, Andrade NHS, Teixeira CRS, Rodrigues FFL, Zanetti ML. A percepção do corpo por mulheres com e obesidade. Rev Enferm UERJ. 2014;22(2):251-7.
27. Seara SS, Rodrigues AS, Rocha RM. “É muito dificultoso a gente controlar”: percepções de diabéticos sobre adesão ao tratamento. Rev Enferm UFPE on line. 2013;7(9):5460-8.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: MS; 2013.
29. Tavares JSC, Rocha AARM. Redes sociais de suporte: pontes entre a família e os outros contextos de atenção. In: Trad LAB, Jorge MSB, Pinheiro R, Mota CS, Rocha AARM, editores. Contexto, parcerias e itinerários na produção do cuidado integral: diversidade e interseções. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2015. p. 135-148.
30. Wright LM, Leahey M. Enfermeiras e famílias: um guia para avaliação e intervenção na família. 4a ed. São Paulo (SP): Roca; 2009.
Publicado
2020-05-12
Seção
Artigos originais de temas livres