O TELESSAÚDE COMO ESTRATÉGIA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE DOS TRABALHADORES DO SUS

  • Márcio Lemos Universidade Federal de Sergipe
  • Celina Sayuri Takeshita Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe
  • Eneida Gomes Ferreira Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe
  • Valdelíria Coelho Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe
Palavras-chave: Educação permanente, Educação, Saúde pública, Educação a distância, Estratégia Saúde da Família

Resumo

O estudo tem como objetivo apresentar a experiência da Secretaria Estadual de Saúde de Sergipe e da Fundação Estadual de Saúde quanto ao processo de implantação de dispositivos de Educação Permanente em Saúde (EPS) para os trabalhadores da Atenção Primária à Saúde (APS) por meio da estratégia denominada “Telessaúde”. A experiência configurou-se na implantação de pontos descentralizados do Telessaúde, contemplando equipes da Estratégia Saúde da Família nas sete regiões de saúde do estado, com cobertura de 98,7% dos municípios. O desenvolvimento do programa se deu a partir de três diretrizes principais: (A) Teleconsultoria; (B) Segunda Opinião Formativa; e (C) Estratégias de Educação a Distância. Paralelamente a essas diretrizes foram desenvolvidas ações de integração entre as instituições de ensino e as Secretarias Municipais e Estadual de Saúde no intuito de fortalecer as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Destaca-se o Telessaúde como uma ferramenta eficiente para ampliar o acesso dos trabalhadores às ações de educação permanente com vistas à melhoria da assistência em saúde em Sergipe e ao cumprimento dos princípios de universalidade, integralidade, equidade e resolutividade. As diretrizes de formação dos trabalhadores em saúde exigem, portanto, o aprimoramento de suas estratégias tanto na dimensão pedagógica quanto na político-institucional.

Palavras-chave: Educação permanente. Educação. Saúde pública. Educação a distância. Estratégia Saúde da Família.

Biografia do Autor

Márcio Lemos, Universidade Federal de Sergipe

Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia. Docente do Departamento de Medicina da Universidade Federal de Sergipe, campus Lagarto. Salvador, Bahia, Brasil.

Celina Sayuri Takeshita, Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe

Enfermeira. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Eneida Gomes Ferreira, Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe

Coordenadora do Telessaúde da Fundação Estadual de Saúde de Sergipe. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Valdelíria Coelho, Fundação Estadual de Saúde do Estado de Sergipe

Membro da equipe do Telessaúde da Fundação Estadual de Saúde de Sergipe. Aracaju, Sergipe, Brasil.

Referências

1. Concepção do projeto, análise e interpretação dos dados: Márcio Lemos Coutinho.
2. Redação do artigo e revisão crítica relevante do conteúdo intelectual: Márcio Lemos Coutinho, Celina Sayuri Shiraishi, Eneida Gomes Ferreira e Valdelíria Coelho.
3. Revisão e/ou aprovação final da versão a ser publicada: Márcio Lemos Coutinho.
4. Ser responsável por todos os aspectos do trabalho na garantia da exatidão e integridade de qualquer parte da obra: Márcio Lemos Coutinho.

REFERÊNCIAS
1. Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF); 1988.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília (DF); 2004.
3. Brasil. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 402, de 24 de fevereiro de 2010. Institui, em âmbito nacional, o Programa Telessaúde Brasil para apoio à Estratégia de Saúde da Família no SUS, institui o Programa Nacional de Bolsas do Telessaúde Brasil e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2010 fev 25. Seção 1, p. 36.
5. Kenski VM. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas (SP): Papirus; 2007.
6. Wen CL. Telemedicina e Telessaúde: um panorama no Brasil. Inf Pública. 2008;10(2):7-15.
7. Paim JS. Recursos humanos em saúde no Brasil: problemas crônicos e desafios agudos. São Paulo (SP): Edusp; 1994.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasília (DF); 2011.
9. Brasil. Ministério da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Manual de Telessaúde para Atenção Básica/Atenção Primária à Saúde/Ministério da Saúde. Brasília (DF); 2012.
10. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): Unesco; 2002.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde. Brasília (DF); 2012.
12. Paim MC. Projeto EAD SUS/Ba: incorporação do ensino a distância aos processos de educação permanente para profissionais do Sistema Único de Saúde do estado da Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2012;33(1):104.
13. Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface Comun Saúde Educ. 2005;9(16):161-77.
14. Rovere M. Seminário de Planejamento Estratégico da Rede Unida. Salvador (BA): Redes; 1998.
15. Mendes E. As redes de atenção à saúde. 2a ed. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.
Publicado
2020-10-20
Seção
Relato de experiências