A PRODUÇÃO DAS DESIGUALDADES: ANÁLISE ENTRE O TRABALHO INFANTIL E INDICADORES SOCIAIS

  • Natércia Janine Dantas Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Angelo Giuseppe Roncalli da Costa Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Alessandra Aniceto Ferreira Figueiredo Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

A Organização Internacional do Trabalho estima que no Brasil haja 3,5 milhões de trabalhadores entre 5 e 17 anos que estão expostos a uma gama de riscos que podem torná-los adultos doentes e/ou interromper precocemente suas vidas. Objetiva-se analisar a relação existente entre trabalho infantil, na faixa etária de 10 a 13 anos, e indicadores socioeconômicos no Brasil. Esta é uma pesquisa quantitativa, ecológica, cujos níveis de análise são os municípios brasileiros agrupados em 161 regiões. A variável dependente foi a prevalência de trabalho infantil na faixa etária de 10 a 13 anos. Foi realizada a Regressão Linear Múltipla, estratificada pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Os resultados indicam que as políticas públicas, como recursos do Programa Bolsa Família e do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, ao serem alocados em municípios com IDH baixo, representam uma diminuição na taxa de trabalho infantil. Já os recursos investidos em municípios com IDH alto não apresentam impacto na taxa de trabalho infantil. O enfretamento do trabalho infantil necessita de uma ampla articulação intersetorial com diversas políticas públicas, visando a garantia da integralidade dos direitos de crianças e adolescentes.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Psicóloga. Doutora em Saúde Coletiva. Professora substituta na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Odontólogo. Doutor em Odontologia Preventiva e Social. Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Psicóloga. Doutora em Saúde Coletiva. Docente da Universidade Federal do Rio de Janeiro, campus Macaé. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

1. Ramalho HMB, Mesquita SP. Determinantes no trabalho infantil no Brasil urbano: uma análise em dados no painel de 2001-2009. Economia Apl. 2013;17(2):193-225.
2. Organização Mundial de Saúde. Redução das desigualdades no período de uma geração: igualdade na saúde através de ações sobre os seus determinantes [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2010 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: http://cmdss2011.org/site/wp-content/uploads/2011/07/Redu%C3%A7%C3%A3o-das-Desigualdades-no-per%C3%ADodo.pdf
3. Sucupira ACSL, Andrade LOM, Barreto ICHC, Lima JW, Santiago AV, Santiago AX. Determinantes sociais da saúde de crianças de 5 a 9 anos da zona urbana de Sobral, Ceará, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):160-77.
4. Guimarães RM, Asmuss CIRF. Desigualdades sociais e trabalho infantil no Brasil. Cad Saúde Coletiva. 2010;18(4):572-7.
5. Organização Internacional do Trabalho. Medir o progresso na luta contra o trabalho infantil: estimativas e tendências mundiais 2000-2012 [Internet]. Genebra; 2013 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---ed_norm/---ipec/documents/publication/wcms_221799.pdf
6. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. Pesquisa nacional por amostra domiciliar: Brasil. Rio de Janeiro (RJ); 2010.
7. Buss PM, Pellegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais em saúde. Physis. 2007;17(1):77-93.
8. Brasil. Ministério da Saúde. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil: relatório final da Comissão Nacional sobre os Determinantes Sociais de Saúde [Internet]. Brasília (DF); 2008 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/causas_sociais_iniquidades.pdf
9. Morais FKRO. Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil de Mossoró [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará; 2008.
10. Brasil. Ministério do Trabalho e do Emprego. Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil. Plano nacional de prevenção e erradicação do trabalho infantil e proteção do adolescente trabalhador [Internet]. 2a ed. Brasília (DF); 2011 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/participacao/images/pdfs/conferencias/Crianca_adolescente_IX/plano%20nacional%20preveno%20e%20erradicao%20do%20trabalho%20infantil.pdf
11. Alberto MFP, Silva AC, Souza GP, Nunes TS. O trabalho infantil na rua, Brasil. Cad Psicol Soc Trab. 2010;13(1):59-71.
12. Campelo T, Neri MC, organizadores. Programa Bolsa Família: uma década de inclusão e cidadania [Internet]. Brasília (DF): Ipea; 2014 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_bolsafamilia_10anos.pdf
13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores de 2009 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2010 [citado em 2013 nov 1]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45767.pdf
14. Felício F, Fernandes R. O efeito da qualidade da escola sobre o desempenho escolar: uma avaliação do ensino fundamental no estado de São Paulo. Anais do XXXIII Encontro Nacional de Economia; 2005 dez 6-9; Natal, RN. Belo Horizonte (MG): Anpec; 2005.
15. Silva IC. Programa de transferência de renda condicionado: bolsa escola: o resgate da cidadania através da educação [dissertação]. Curitiba (PA): Universidade Federal do Paraná; 2004.
16. Cardoso E, Souza AP. The impact of cash transfers on child labor and school attendance in Brazil [Internet]. Working paper 04-W07. Nashville: Vanderbilt University; 2004 [citado em 2017 abr 12]. Disponível em: https://ir.vanderbilt.edu/handle/1803/20
17. Cacciamali MC, Tatei F, Batista FN. Impactos do Programa Bolsa Família federal sobre o trabalho infantil e a frequência escolar. Rev Economia Contemp. 2008;14(2):269-301.
18. Barros AR. Desigualdades regionais no Brasil: natureza, causas, origens e soluções. Rio de Janeiro (RJ): Elsevier Campus; 2011.
19. Muniz ALP. Os determinantes do trabalho infantil: uma revisão bibliográfica. Rev Estud Trab. 2012;6(10):1-36.
20. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra [Internet]. Brasília (DF); 2007 [citado em 2020 maio 5]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacao_negra.pdf
Publicado
2020-06-26
Como Citar
SILVEIRA, Natércia Janine Dantas; OLIVEIRA, Angelo Giuseppe Roncalli da Costa; FIGUEIREDO, Alessandra Aniceto Ferreira. A PRODUÇÃO DAS DESIGUALDADES: ANÁLISE ENTRE O TRABALHO INFANTIL E INDICADORES SOCIAIS. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 3, jun. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2775>. Acesso em: 02 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n3.a2775.
Seção
Artigos originais de temas livres