TENDÊNCIA DA MORTALIDADE POR SUICÍDIO NO BRASIL E REGIÕES NO PERÍODO DE 2000-2014

  • Emelynne Oliveira Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Isabelle Ribeiro Barbosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a tendência da mortalidade por suicídio no Brasil e regiões no período de 2000 a 2014. É um estudo ecológico de série temporal que analisou os óbitos por suicídio (X60-84) registrados no Sistema de Informação sobre Mortalidade. As taxas de mortalidade padronizadas foram analisadas pela regressão Joinpoint, de acordo com o sexo e região geográfica. Foram registrados 144.848 óbitos no período, na razão de sexos de 4:1. Apresentou aumento mais intenso para o sexo feminino (APC = 1,2% IC95% 1,0-1,3) do que para o sexo masculino (APC = 0,5% IC95% 0,4-0,7). Houve tendência de aumento significativo para o sexo masculino nas regiões Sudeste (APC = 0,9%), Norte (APC = 2,3%) e Nordeste (APC = 8,2%), tendo esta região apresentado estabilidade a partir do ano de 2005. Para o sexo feminino, na região Sudeste (APC = 2%). Essa tendência se repete para as regiões Norte e Nordeste, tendo estas apresentado joinpoints para o ano 2002, mantendo a tendência de aumento, porém de maneira moderada. Existe uma tendência de aumento da mortalidade por suicídio no Brasil, sendo esta mais intensa entre as mulheres, além de estar desigualmente distribuído entre as regiões brasileiras.


Palavras-chave: Suicídio. Tendências. Distribuição por idade e sexo. Desigualdades em saúde. Epidemiologia.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Mestra em Saúde Coletiva. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Farmacêutica. Doutora em Saúde Coletiva. Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

1. World Health Organization. Preventing suicide: a global imperative [Internet]. Genebra; 2014 [citado em 2020 maio 6]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/131056/9789241564779_eng.pdf;jsessionid=AA4C5961B928A8CBA0AC6FB1CA5A5A3D?sequence=1
2. Associação Brasileira de Psiquiatria, Conselho Federal de Medicina. Suicídio: informando para prevenir [Internet]. Brasília (DF); 2014 [citado em 2020 maio 6]. Disponível em: https://www.cvv.org.br/wp-content/uploads/2017/05/suicidio_informado_para_prevenir_abp_2014.pdf
3. World Health Organization. Country reports and charts available [Internet]. Genebra; 2014 [citado em 2017 jul 27]. Disponível em: www.who.int/mental_health/prevention/suicide/country_reports/en/index.Html
4. Souza VS, Alves MS, Silva LA, Lino DCSF, Nery AA, Casotti CA. Tentativas de suicídio e mortalidade por suicídio em um município no interior da Bahia. J Bras Psiquiatr. 2011;60(4):294-300.
5. Botega NJ. Comportamento suicida: epidemiologia. Psicol USP. 2014;25(3):231-6.
6. Braga LL, Dell’Aglio DD. Suicídio na adolescência: fatores de risco, depressão e gênero. Contextos Clín. 2013;6(1):2-14.
7. Waiselfisz JJ. Mapa da violência: os jovens do Brasil. Brasília (DF): Flacso Brasil; 2014.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS [Internet]. Brasília (DF); 2014 [citado em 2020 maio 6]. Sistema de Informação sobre Mortalidade; [aproximadamente 2 telas]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060701
9. Marín-León L, Oliveira HB, Botega NJ. Suicide in Brazil, 2004-2010: the importance of small counties. Rev Panam Salud Publica. 2012;32(5):351-9.
10. Puzo Q, Qin P, Mehlum L. Long-term trends of suicide by choice of method in Norway: a joinpoint regression analysis of data from 1969 to 2012. BMC Public Health 2016; 16(1):255.
11. Sousa GS, Silva RM, Figueiredo AEB, Minayo MCS, Vieira LJES. Circunstâncias que envolvem o suicídio de pessoas idosas. Interface Comun Saúde Educ. 2017;18(49):389-402.
12. Doll R, Payne P, Waterhouse JAH, editores. Cancer incidence in five continents. Genebra: Union Internationale Contre le Cancer; 1966.
13. Kim HJ, Fay MP, Feuer EJ, Midthune DN. Permutation tests for joinpoint regression with applications to cancer rates. Stat Med. 2000;19(3):335-51.
14. Chang SS, Stuckler D, Yip P, Gunnell D. Impact of 2008 global economic crisis on suicide: time trend study in 54 countries. BMJ. 2013;347:f5239.
15. Alameda-Palacios J, Ruiz-Ramos M, García-Robredo B. Mortalidad por suicidio en Andalucía: distribución geográfica y relación con el uso de antidepresivos, la altitud y desigualdades socioeconómicas. Rev Esp Salud Publica. 2015;89(3):283-93.
16. Lovisi G, Santos AS, Legay L, Abelha L, Valencia E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(II):S86-93.
17. Machado DB, Santos DN. Suicídio no Brasil, de 2000 a 2012. J Bras Psiquiatr. 2015;64(1):45-54.
18. Ceccon RF, Meneghel SN, Tavares JP, Lautert L. Suicídio e trabalho em metrópoles brasileiras: um estudo ecológico. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(7):2225-34.
19. Durkheim E. O suicídio. São Paulo (SP): Martin Claret; 2003.
20. Fond G, Llorca PM, Boucekine M, Zendjidjian X, Brunel L, Lancon C, Boyer L. Disparities in suicide mortality trends between United States of America and 25 European countries: retrospective analysis of WHO mortality database. Sci Rep. 2016;6:20256.
21. Baptista MN, Carneiro AM, Gomes JO, Cardoso HF. Análise epidemiológica do suicídio em duas regiões do estado de São Paulo entre 2004 e 2008. Psicol Pesq. 2012;6(1):2-12.
22. Siegel M, Rothman EF. Firearm ownership and suicide rates among US men and women, 1981–2013. Am J Public Health. 2016;106(7):1316-22.
23. Associação Brasileira de Psiquiatria, Conselho Federal de Medicina. Comportamento suicida: informando para prevenir dirigido para profissionais de imprensa [Internet]. Brasília (DF); 2009 [citado em 2020 maio 6]. Disponível em: http://www.proec.ufpr.br/download/extensao/2017/abr/suicidio/manual_cpto_suicida_conhecer_prevenir.pdf
24. Conte M, Meneghel SN, Trindade AG, Ceccon RF, Hesler LZ, Cruz CW, Jesus I. Programa de Prevenção ao Suicídio: estudo de caso em um município do Sul do Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(8):2017-26.
25. Mota AA. Cartografia do suicídio no Brasil no período 1979-2011. Hygeia. 2015;11(20):85-98.
26. Brasil. Ministério da Saúde. Painel temático de indicadores do SUS nº 5: prevenção de violência e cultura da paz: v. II [Internet]. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2008 [citado em 2020 maio 6]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/painel_indicadores_sus_prevencao_violencia.pdf
27. World Health Organization. Depression and other common mental disorders: global health estimates [Internet]. Genebra; 2017 [citado em 2017 jul 27]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/254610/1/WHO-MSD-MER-2017.2-eng.pdf?ua=1
28. Nakanishi M, Yamauchi T, Takeshima T. National strategy for suicide prevention in Japan: impact of a national fund on progress of developing systems for suicide prevention and implementing initiatives among local authorities. Psychiatry Clin Neurosci. 2015;69(1):55-64.
Publicado
2020-06-26
Como Citar
SANTOS, Emelynne Oliveira; BARBOSA, Isabelle Ribeiro. TENDÊNCIA DA MORTALIDADE POR SUICÍDIO NO BRASIL E REGIÕES NO PERÍODO DE 2000-2014. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 3, jun. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2777>. Acesso em: 15 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n3.a2777.
Seção
Artigos originais de temas livres