RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÕES E SENTIDOS PARA RESIDENTES GRADUADOS EM ODONTOLOGIA

  • Joana Danielle Brandão Carneiro Universidade de São Paulo
  • Arlete Maria Gomes Oliveira Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Luciane Zanin Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Flávia Martão Flório Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Paulo Frazão Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Formação de recursos humanos, Odontologia em saúde pública, Sistema Único de Saúde

Resumo

Objetivou-se desvelar os sentidos que graduados em odontologia participantes de programas de residência multiprofissional em saúde da família (RMSF) atribuem a esta modalidade de formação. Realizou-se entrevista semiestruturada com residentes de oito programas de diferentes regiões do país e as narrativas sobre o significado da RMSF para sua formação foram examinadas com base na análise de conteúdo do tipo temática. A maioria dos entrevistados declarou-se do sexo feminino (29/37) e tinha entre 20 e 30 anos de idade (33/37). A interpretação do material resultou em quatro categorias: formação para o Sistema Único de Saúde (SUS); Estratégia Saúde da Família; colaboração interprofissional; integralidade da atenção, subcategorizada em humanização do cuidado e rede de atenção. Indicaram-se evidências empíricas de que esses programas são muito relevantes para complementar a formação dos profissionais de odontologia que pretendem atuar no SUS.

Palavras-chave: Formação de recursos humanos. Odontologia em saúde pública. Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

Joana Danielle Brandão Carneiro, Universidade de São Paulo

Cirurgiã-dentista. Mestre em Saúde Pública. São Paulo, São Paulo, Brasil.

Arlete Maria Gomes Oliveira, Faculdade São Leopoldo Mandic

Doutora em Saúde Coletiva. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

Luciane Zanin, Faculdade São Leopoldo Mandic

Doutora em Odontologia. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

Flávia Martão Flório, Faculdade São Leopoldo Mandic

Doutora em Odontologia. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

Paulo Frazão, Universidade de São Paulo

Doutor em Saúde Pública. Docente da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Referências

1. Organização Mundial da Saúde. Trabalhando juntos pela saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.
2. Aguiar DML, Frazão P. A insuficiência da política pública para inclusão do técnico em saúde bucal na atenção primária no Brasil. In: Chaves SCL, organizador. Política de saúde bucal no Brasil: teoria e prática. Salvador (BA): EDUFBA; 2016. p. 298-318.
3. Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):490-8.
4. Dallegrave D, Kruse MHL. No olho do furão, na ilha da fantasia: a invenção da residência multiprofissional em saúde. Interface. 2009;13(28):213-37.
5. Lobato CP, Melchior R, Baduy RS. A dimensão política na formação dos profissionais de saúde. Physis. 2012;22(4):1273-91.
6. Abib LT. “Caminhando contra o vento...”: a história das Residências Integradas Multiprofissionais em Saúde [monografia]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012.
7. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde Soc. 2010;19(4):814-27.
8. Santos IG, Batista NA, Devincenzi MU. Multiprofessional residency in Family health: the conceptions of healthcare professionals regarding nutritionists’ performance. Interface. 2015;19(53):349-60.
9. Brasil. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2005 jun 1. Seção 1, p. 1.
10. Wanderley LCS. O processo de formação dos cirurgiões-dentistas da residência multiprofissional em saúde da família da Casa de Saúde Santa Marcelina: percepção do egresso [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo; 2010.
11. Domingos CM, Nunes EFPA, Carvalho BG. Potencialidades da residência multiprofissional em saúde da família: o olhar do trabalhador da saúde. Interface. 2015;19(55):1221-32.
12. Silva LC, Brotto ME. Residência multiprofissional em saúde e serviço social: dilemas na formação e trabalho profissional. Revista em Pauta. 2016;37(14):126-49.
13. Oliveira FP. Política de residência em área profissional de saúde. Anais do 1o Seminário Regional de Residência em Área Profissional da Saúde; 2014 nov 13-14; Porto Alegre. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.
14. Jesus ML, Araújo D. Politização e formação em serviço: significados e sentidos atribuídos pelos residentes em uma residência multiprofissional em saúde mental na Bahia. Psicol Teor Prát. 2011;13(3):67-80.
15. Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis (RJ): Vozes; 2010.
16. Narvai PC, Frazão P. Saúde bucal no Brasil: muito além do céu da boca. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2008.
17. Zilbovicius C, de Araujo ME, Botazzo C, Frias AC, Junqueira SR, Junqueira CR. A paradigm shift in predoctoral dental curricula in Brazil: evaluating the process of change. J Dent Educ. 2011;75(4):557-64.
18. Nash DA. Can dentistry have two contracts with the public? J Am Coll Dent. 2015;82(3):4-11.
19. Botazzo C. Saúde bucal coletiva: um conceito em permanente construção. Saúde Atual. 1992;(1):14-23.

20. Chaves SCL, Almeida AMFL, Rossi TRA, de Santana SF, Barros SG, Santos CML. Política de saúde bucal no Brasil 2003-2014: cenário, propostas, ações e resultados. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(6):1791-803.
21. Matuda CG, Pinto NRS, Martins CL, Frazão P. Colaboração interprofissional na estratégia saúde da família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2511-21.
22. Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado em saúde. 4a ed. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2005. p. 39-64.
23. Viegas SMF, Penna CMM. As dimensões da integralidade no cuidado em saúde no cotidiano da estratégia saúde da família no Vale do Jequitinhonha, MG, Brasil. Interface. 2015;19(55):1089-100.
24. Melo MMDC, Frazão P, Jamelli S. Saúde bucal e as doenças crônicas não transmissíveis: determinantes e fatores de risco que exigem ação articulada no contexto de construção do sistema de vigilância à saúde. In: Freese E, organizador. Epidemiologia, políticas e determinantes das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. Recife (PE): Ed. Universitária UFPE; 2006. p. 231-266.
25. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília (DF): MS; 2013.
26. Loignon C, Allison P, Landry A, Richard L, Brodeur JM, Bedos C. Providing humanistic care: dentists’ experiences in deprived areas. J Dent Res. 2010;89(9):991-5.
27. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(5):2297-305.
28. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41-65.
29. Rosa SD, Lopes RE. Residência multiprofissional em saúde e pós-graduação lato sensu no Brasil: apontamentos históricos. Trab Educ Saúde. 2010;7(3):479-98.
30. Cardoso DSA, Oliveira JM, Costa LMC, Rozendo CA. Aprendizagem reflexiva: o uso do portfólio coletivo. Rev Bras Educ Méd. 2015;39(3):442-9.
31. Giannini DT, Afonso DH, da Silveira LMC. Construção colaborativa de um manual: estratégia no processo ensino e aprendizagem na residência. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2012; Suppl 11.
32. Cotta RMM, Mendonça ET, Costa GD. Portfólios reflexivos: construindo competências para o trabalho no Sistema Único de Saúde. Rev Panam Salud Pública. 2011;30(5):415-21.
33. Chiarella T, Bivanco-Lima D, Moura JC, Marques MCC, Marsiglia RMG. A pedagogia de Paulo Freire e o processo ensino-aprendizagem na educação médica. Rev Bras Educ Méd. 2015;39(3):418-25.
Publicado
2020-05-12
Seção
Artigos originais de temas livres