RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÕES E SENTIDOS PARA RESIDENTES GRADUADOS EM ODONTOLOGIA

  • Joana Danielle Brandão Carneiro Universidade de São Paulo
  • Arlete Maria Gomes Oliveira Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Luciane Zanin Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Flávia Martão Flório Faculdade São Leopoldo Mandic
  • Paulo Frazão Universidade de São Paulo

Resumo

Objetivou-se desvelar os sentidos que graduados em odontologia participantes de programas de residência multiprofissional em saúde da família (RMSF) atribuem a esta modalidade de formação. Realizou-se entrevista semiestruturada com residentes de oito programas de diferentes regiões do país e as narrativas sobre o significado da RMSF para sua formação foram examinadas com base na análise de conteúdo do tipo temática. A maioria dos entrevistados declarou-se do sexo feminino (29/37) e tinha entre 20 e 30 anos de idade (33/37). A interpretação do material resultou em quatro categorias: formação para o Sistema Único de Saúde (SUS); Estratégia Saúde da Família; colaboração interprofissional; integralidade da atenção, subcategorizada em humanização do cuidado e rede de atenção. Indicaram-se evidências empíricas de que esses programas são muito relevantes para complementar a formação dos profissionais de odontologia que pretendem atuar no SUS.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Cirurgiã-dentista. Mestre em Saúde Pública. São Paulo, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Saúde Coletiva. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Odontologia. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Odontologia. Docente da Faculdade São Leopoldo Mandic. Campinas, São Paulo, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Saúde Pública. Docente da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Referências

1. Organização Mundial da Saúde. Trabalhando juntos pela saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.
2. Aguiar DML, Frazão P. A insuficiência da política pública para inclusão do técnico em saúde bucal na atenção primária no Brasil. In: Chaves SCL, organizador. Política de saúde bucal no Brasil: teoria e prática. Salvador (BA): EDUFBA; 2016. p. 298-318.
3. Gil CRR. Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):490-8.
4. Dallegrave D, Kruse MHL. No olho do furão, na ilha da fantasia: a invenção da residência multiprofissional em saúde. Interface. 2009;13(28):213-37.
5. Lobato CP, Melchior R, Baduy RS. A dimensão política na formação dos profissionais de saúde. Physis. 2012;22(4):1273-91.
6. Abib LT. “Caminhando contra o vento...”: a história das Residências Integradas Multiprofissionais em Saúde [monografia]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2012.
7. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde Soc. 2010;19(4):814-27.
8. Santos IG, Batista NA, Devincenzi MU. Multiprofessional residency in Family health: the conceptions of healthcare professionals regarding nutritionists’ performance. Interface. 2015;19(53):349-60.
9. Brasil. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional da Juventude. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2005 jun 1. Seção 1, p. 1.
10. Wanderley LCS. O processo de formação dos cirurgiões-dentistas da residência multiprofissional em saúde da família da Casa de Saúde Santa Marcelina: percepção do egresso [dissertação]. São Paulo (SP): Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo; 2010.
11. Domingos CM, Nunes EFPA, Carvalho BG. Potencialidades da residência multiprofissional em saúde da família: o olhar do trabalhador da saúde. Interface. 2015;19(55):1221-32.
12. Silva LC, Brotto ME. Residência multiprofissional em saúde e serviço social: dilemas na formação e trabalho profissional. Revista em Pauta. 2016;37(14):126-49.
13. Oliveira FP. Política de residência em área profissional de saúde. Anais do 1o Seminário Regional de Residência em Área Profissional da Saúde; 2014 nov 13-14; Porto Alegre. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.
14. Jesus ML, Araújo D. Politização e formação em serviço: significados e sentidos atribuídos pelos residentes em uma residência multiprofissional em saúde mental na Bahia. Psicol Teor Prát. 2011;13(3):67-80.
15. Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis (RJ): Vozes; 2010.
16. Narvai PC, Frazão P. Saúde bucal no Brasil: muito além do céu da boca. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2008.
17. Zilbovicius C, de Araujo ME, Botazzo C, Frias AC, Junqueira SR, Junqueira CR. A paradigm shift in predoctoral dental curricula in Brazil: evaluating the process of change. J Dent Educ. 2011;75(4):557-64.
18. Nash DA. Can dentistry have two contracts with the public? J Am Coll Dent. 2015;82(3):4-11.
19. Botazzo C. Saúde bucal coletiva: um conceito em permanente construção. Saúde Atual. 1992;(1):14-23.

20. Chaves SCL, Almeida AMFL, Rossi TRA, de Santana SF, Barros SG, Santos CML. Política de saúde bucal no Brasil 2003-2014: cenário, propostas, ações e resultados. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(6):1791-803.
21. Matuda CG, Pinto NRS, Martins CL, Frazão P. Colaboração interprofissional na estratégia saúde da família: implicações para a produção do cuidado e a gestão do trabalho. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2511-21.
22. Mattos RA. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado em saúde. 4a ed. Rio de Janeiro (RJ): Cepesc; 2005. p. 39-64.
23. Viegas SMF, Penna CMM. As dimensões da integralidade no cuidado em saúde no cotidiano da estratégia saúde da família no Vale do Jequitinhonha, MG, Brasil. Interface. 2015;19(55):1089-100.
24. Melo MMDC, Frazão P, Jamelli S. Saúde bucal e as doenças crônicas não transmissíveis: determinantes e fatores de risco que exigem ação articulada no contexto de construção do sistema de vigilância à saúde. In: Freese E, organizador. Epidemiologia, políticas e determinantes das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. Recife (PE): Ed. Universitária UFPE; 2006. p. 231-266.
25. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização – PNH. Brasília (DF): MS; 2013.
26. Loignon C, Allison P, Landry A, Richard L, Brodeur JM, Bedos C. Providing humanistic care: dentists’ experiences in deprived areas. J Dent Res. 2010;89(9):991-5.
27. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(5):2297-305.
28. Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41-65.
29. Rosa SD, Lopes RE. Residência multiprofissional em saúde e pós-graduação lato sensu no Brasil: apontamentos históricos. Trab Educ Saúde. 2010;7(3):479-98.
30. Cardoso DSA, Oliveira JM, Costa LMC, Rozendo CA. Aprendizagem reflexiva: o uso do portfólio coletivo. Rev Bras Educ Méd. 2015;39(3):442-9.
31. Giannini DT, Afonso DH, da Silveira LMC. Construção colaborativa de um manual: estratégia no processo ensino e aprendizagem na residência. Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2012; Suppl 11.
32. Cotta RMM, Mendonça ET, Costa GD. Portfólios reflexivos: construindo competências para o trabalho no Sistema Único de Saúde. Rev Panam Salud Pública. 2011;30(5):415-21.
33. Chiarella T, Bivanco-Lima D, Moura JC, Marques MCC, Marsiglia RMG. A pedagogia de Paulo Freire e o processo ensino-aprendizagem na educação médica. Rev Bras Educ Méd. 2015;39(3):418-25.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
CARNEIRO, Joana Danielle Brandão et al. RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÕES E SENTIDOS PARA RESIDENTES GRADUADOS EM ODONTOLOGIA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2780>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2780.
Seção
Artigos originais de temas livres