RELAÇÃO DE CAUSALIDADE ENTRE A FEBRE DA ZIKA E MICROCEFALIA NO BRASIL: REVISÃO INTEGRATIVA

  • André Emanuel Dantas Mercês Universidade do Estado da Bahia
  • Angela de Souza Cajuhi Universidade do Estado da Bahia
  • Lorena Conceição Souza dos Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Rudval Souza da Silva Universidade do Estado da Bahia
  • Cleuma Sueli Santos Suto Universidade do Estado da Bahia
  • Jones Sidnei Barbosa de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

O Zika vírus é um arbovírus transmitido pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus infectados e apresentam como principais manifestações clínicas: febre aguda, exantema, prurido e conjuntivite. Em 2015 causou uma epidemia no Brasil, desencadeando casos de microcefalia em bebês cujas gestantes tiveram a febre da Zika. O Nordeste notificou o maior número de casos. Objetivou-se identificar, a partir de uma revisão integrativa, a relação entre a febre da Zika e a microcefalia. Trata-se de revisão integrativa, realizada a partir de buscas desenvolvidas nas bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e da Scientific Electronic Library Online (SciELO) com publicações dos anos de 2015 e 2016, idiomas português e inglês. Foram encontradas 191 publicações, as quais passaram por um processo de leitura e análise quanto ao atendimento do objetivo e aplicação dos critérios de inclusão. Restaram oito publicações que integraram o corpus desta revisão. Os resultados apontam para uma relação de causa e efeito entre o contato das gestantes com o Zika vírus e o desenvolvimento de microcefalia em seus bebês. Necessita-se de maiores evidências que demonstrem os reais fatores envolvidos nesse processo, como os genéticos, ambientais e até mesmo interferência de outras infecções.


Palavras-chave: Zika vírus. Microcefalia. Aplicações da epidemiologia.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Mestre em Enfermagem. Recife, Pernambuco, Brasil.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Zika: Abordagem clínica na atenção básica. Ministério da Saúde, 72p, 2016. Acesso em: 10 de ago 2017. Disponível em: http://www.saude.pi.gov.br/uploads/warning_document/file/276/livro.pdf
2. Falcão M et al. Guia de manejo da infecção pelo vírus zika. Sociedade Brasileira de Infectologia, 2016. Acesso em: 10 de ago 2017. Disponível em: http://www.sierj.org.br/artigos/Guia_Manejo_Zika_SBI.pdf
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo de atenção à saúde e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus zika [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 42 p.
4. Polit DF, Beck CT. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 7ª ed. Porto Alegre: ArtMed; 2011.
5. Rother ET. Revisão Sistemática x Revisão Narrativa. Acta Paul Enferm 2007; 20(2): 1–2.
6. Luz KG, Santos GIV, Vieira RM. Febre pelo vírus Zika. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2015; 24(4): 785–788.
7. Aguiar R. A mídia em meio às “emergências” do vírus Zika: questões para o campo da comunicação e saúde/ The media among the Zika virus “emergencies”: issues for the communication and health field/ Los medios de comunicación entre las “emergencias” del virus Zika. Rev Eletron Comun Inf Inov Saúde 2016; 10: 1–15.
8. Brasil. Informe Epidemiológico No 15 – Semana Epidemiológica (SE) 08/2016 (21 A 27/02/2016) Monitoramento dos Casos de microcefalia no Brasil. Ministério da Saúde 2016, 29–32.
9. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES). Informe Técnico SEVS / SES-PE No 24 - Gestantes com exantema: Possível Alteração do Padrão Epidemiológico de Microcefalia em Pernambuco 2016. Pernambuco-PE, (24): 1–6.
10. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES). Informe Técnico SEVS / SES-PE No 57 - Casos de Microcefalia: Possível Alteração do Padrão Epidemiológico de Microcefalia em Pernambuco 2016; (48)57: 1–16.
11. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES). Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e Epidemiológico para investigação de casos de microcefalia no estado de Pernambuco. Versão N° 02. Pernambuco: Secretaria Estadual de Saúde, 2015. 42p.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: Ministério da Saúde, 2015
13. Nunes ML et al. Microcephaly and Zika virus: a clinical and epidemiological analysis of the current outbreak in Brazil. Jornal de Pediatria (Versão em Português) 2016; 92(3): 230–240.
14. Walter LT et al. Evaluation of Possible Consequences of Zika Virus Infection in the Developing Nervous System. Molecular Neurobiology, p. 1–10, 2017.
15. Organização Mundial da Saúde. Resposta da Representação da OPAS / OMS no Brasil para a epidemia do vírus da Zika e suas consequências. Boletim Semanal # 9, 2016.
16. Bahamondes L et al. Contraceptive sales in the setting of the Zika virus epidemic. Human Reproduction 2016; 371(1): 1316–1323.
17. Brasil P et al. Zika Virus Infection in Pregnant Women in Rio de Janeiro. New England Journal of Medicine 2016; 375(24): 2321–2334.
Publicado
2020-06-26
Como Citar
MERCÊS, André Emanuel Dantas et al. RELAÇÃO DE CAUSALIDADE ENTRE A FEBRE DA ZIKA E MICROCEFALIA NO BRASIL: REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 3, jun. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2784>. Acesso em: 15 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n3.a2784.
Seção
Artigos originais de temas livres