DOS DESAFIOS ÀS ESTRATÉGIAS DE SUPERAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA DO NASF: UM OLHAR DO RESIDENTE

  • Paulo Henrique Caetano de Sousa Prefeitura Municipal de Uruburetama
  • Denise Gonçalves Moura Pinheiro Universidade Federal do Ceará
  • Gisele Maria Melo Soares Arruda Centro Universitário Christus
  • Bernardo Diniz Coutinho Universidade Federal do Ceará

Resumo

Como parte do Núcleo Ampliado de Saúde da Família (Nasf), o fisioterapeuta, na atenção primária, deve desenvolver ações de promoção da saúde e prevenção de doenças que perpassam práticas de matriciamento, planejamento estratégico, análise situacional, territorialização, atendimentos individuais, compartilhados, visitas domiciliares etc. Objetiva-se descrever as competências e discutir as dificuldades de execução das atribuições do fisioterapeuta do Nasf diante da realidade de um município cearense com base na ótica de um fisioterapeuta residente em saúde da família. Trata-se de relato de experiência em que foi utilizado o método narrativo-analítico com base nos relatos e no cotidiano vivenciados pelo autor no município de Horizonte, CE. Para se executar adequadamente essas atribuições, o profissional necessita de um aparato técnico e logístico que muitos municípios não conseguem ofertar, tais como material para intervenção prática, meio de transporte adequado e uma equipe multiprofissional que contemple as necessidades da área. Em Horizonte, tendo em vista sua demografia e sua recente de fundação, não houve possibilidade de realização das atribuições já explanadas. Pode-se relatar a dificuldade na utilização do transporte para as visitas domiciliares e demais atividades externas, o rigor da formação do fisioterapeuta com foco clínico e barreiras na realização do apoio matricial. Contudo, o profissional busca criar estratégias para realização do serviço de modo adequado e para gerenciar grupos e atividades de intervenção multidisciplinar. Para reduzir as dificuldades, faz-se necessário que os gestores forneçam apoio institucional a fisioterapeuta, convoque por concurso público mais profissionais de modo a cobrir o território e oferte capacitação específica conforme a linha de cuidado do Nasf.


Palavras-chave: Fisioterapia. Atenção primária à saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Egresso da Residência em Saúde da Família e Comunidade. Fortaleza, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Doutora em Cuidado em Saúde. Professora do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Doutoranda em Saúde Coletiva. Professora do Centro Universitário Christus. Fortaleza, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Doutor em Ciências da Reabilitação. Professor do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: diretrizes do Nasf. Brasília (DF); 2009.
2. Shiwa SR, Schmitt ACB, João SMA. O fisioterapeuta do estado de São Paulo. Fisioter Pesqui. 2016;23(3):301-10.
3. Souza FR. Processo de construção dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) na atenção básica do estado do Ceará [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará; 2013.
4. Patrocínio SSSM, Machado CV, Fausto MCR. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: proposta nacional e implementação em municípios do Rio de Janeiro. Saúde Debate. 2015;39(esp.):105-19.
5. Martinez JFN, Silva MS, Silva AM. O Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Goiânia (GO): percepções dos profissionais e gestores. Saúde Debate. 2016;40(110):95-106.
6. Volponi PRR, Garanhani ML, Carvalho BG. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades como dispositivo de mudança na Atenção Básica em Saúde. Saúde Debate. 2015;39(esp.):221-31.
7. Pagliosa FL, Da Ros MA. O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Rev Bras Educ Méd. 2008;32(4):492-9.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Educação na saúde. Brasília (DF); 2005.
9. Pereira FWA, Mangueira JO, Monteiro MPA, Véras MMS, Lima VCS, Barrocas TCP, Lucena D. A inserção da fisioterapia na estratégia saúde da família em Sobral/CE. Sanare. 2004;5(1):93-100.
10. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em saúde da família. Saúde Soc. 2010;19(4):814-27.
11. Ferretti F, Lima L, Zuffo A. Perception of the Family Health Program professionals about the need for insertion of physiotherapist in the team. Fisioter Mov. 2014;27(3):337-47.
12. Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do fisioterapeuta na atenção básica: uma analogia entre experiências acadêmicas e a proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Rev Bras Ciênc Saúde. 2012;16(2):113-22.
13. Bondía JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev Bras Educ. 2002;19:20-8.
14. Wittizorecki ES, Bossle F, Silva LO, Oliveira LR, Günther MCC, Santos MV, et al. Pesquisar exige interrogar-se: a narrativa como estratégia de pesquisa e de formação do(a) pesquisador(a). Movimento. 2006;12(2):9-33.
15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de Janeiro (RJ): Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2011.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de informação da atenção básica. Brasília (DF); 2010.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.124, de 28 de dezembro de 2012. Redefinição dos parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) modalidades 1 e 2 às equipes saúde da família e/ou equipes de atenção básica para populações específicas, cria a modalidade Nasf 3, e dá outras providências. Brasília (DF); 2012.
18. Oliveira PRS, Reis F, Arruda CAM, Vieira ACVC, Tófoli LF. Novos olhares, novos desafios: vivências dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em Fortaleza – CE. Cadernos Esp. 2012;6(1):54-64.
19. Reis MLS, Medeiros M, Pacheco LR, Caixeta CC. Avaliação do trabalho multiprofissional do núcleo de apoio à saúde da família (Nasf). Texto Contexto Enferm. 2016;25(1):e2810014.
20. Valença TDC, Silva LWS. Vivências de graduandos e fisioterapeutas no contexto domiciliários à pessoa idosa fragilizada. Estud Interdiscipl Envelhec. 2017;22(2):153-66.
21. Fernandes JM, Rios TA, Sanches VS, Santos MLM. Nasf’s tools and practices in health of physical therapists. Fisioter Mov. 2016;29(4):741-50.
22. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. Brasília (DF); 2008.
23. Cunha GT, Campos GWS. Apoio matricial e atenção primária em saúde. Saúde Soc. 2011;20(4):961-70.
24. Braghini CC, Ferretti F, Ferraz L. The role of physical therapists in the context of family health support centers. Fisioter Mov. 2017;30(4):703-13.
25. Sousa PHC, Domiciano BR, Gonçalves MO, Teles MD, Pinheiro FML Jr, Macena RHM. Educação em saúde e fisioterapia: prevenção ao uso de drogas para adolescentes em vulnerabilidade social. Rev Fisioter S Fun. 2013;2(2):21-6.
26. Macena RHM, Domiciano BR, Moreira MA, Correia MB, Ferreira RM. Fisioterapia e promoção da saúde. Fortaleza (CE): Premius; 2013.
27. Fernandes SCS, Ros MA. Desconstruir para transformar: o perfil do fisioterapeuta para o Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Fisioter Bras. 2018;19(2):249-58.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
SOUSA, Paulo Henrique Caetano de et al. DOS DESAFIOS ÀS ESTRATÉGIAS DE SUPERAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA DO NASF: UM OLHAR DO RESIDENTE. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 712-726, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2795>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2795.
Seção
Relato de experiências