MORTALIDADE POR CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL, ENTRE 1996 E 2012

  • Naiana Manuela Rocha Arcanjo da Cruz Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Karlos Eduardo Arcanjo da Cruz Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Carlos Alberto Lima da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana

Resumo

O câncer de colo do útero ainda é um problema de saúde pública no Brasil, sendo a quarta causa de morte por câncer na população feminina apesar dos mais altos potenciais de prevenção e cura entre todos os tipos de câncer. O objetivo deste estudo é analisar a tendência da mortalidade por câncer cervical na Bahia entre 1996 e 2012. Realizou-se um estudo ecológico que investigou os óbitos por câncer do colo do útero de mulheres residentes no estado, com idade igual ou superior a 20 anos, entre 1996 e 2012. Como fonte de dados, utilizou-se o Datasus. Foram calculadas taxas de mortalidade específicas por idade, por macrorregião de saúde, brutas e padronizadas pela população mundial. A análise de tendência foi realizada por modelos de regressão linear. Calculou- -se a variação percentual, a percentagem por estado civil e local de ocorrência do óbito. A Bahia apresentou 6.275 mortes por câncer de colo do útero, com taxa de mortalidade média de 6/100.000 mulheres, sendo observada tendência de estabilidade entre 1996 e 2012. O risco de morte cresceu com o aumento da idade. A macrorregião de saúde com maior taxa de mortalidade foi a Leste, porém apresentou tendência decrescente. Do total de óbitos, a maioria foi de mulheres solteiras (46,4%), e 69,3% das mortes ocorreram no hospital. Na Bahia, a mortalidade por câncer de colo do útero ainda é elevada, o que sugere a necessidade de implementação de estratégias específicas para o enfrentamento da morbimortalidade por este agravo.


Palavras-chave: Neoplasias do colo do útero. Saúde da mulher. Mortalidade.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Médica. Especialista em Saúde das Famílias e das Comunidades. Recife, Pernambuco, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Economia. Recife, Pernambuco, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Saúde Comunitária. Docente na Universidade Estadual de Feira de Santana. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Ferlay J, Soerjomataram I, Dikshit R, Eser S, Mathers C, Rebelo M, et al. Cancer incidence and mortality worldwide: sources, methods and major patterns in Globocan 2012. Int J Cancer. 2015;136(5):E359-86.
2. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativas 2016: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2016 [citado em 2017 maio 20]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016
3. Guarisi R, Hardy E, Derchain SFM, Fonsechi-Carvasan GA, Borges JBR. Rastreamento, diagnóstico e tratamento das lesões precursoras e do câncer invasor de colo uterino no município de Franco da Rocha, SP. Rev Bras Cancerol. 2004;50(1):7-15.
4. Walboomers JM, Jacobs MV, Manos MM, Bosch FX, Kummer JA, Shah KV, et al. Human papillomavirus is a necessary cause of invasive cervical cancer worldwide. J Pathol. 1999;189(1):12-9.
5. Stumbar SE, Stevens M, Feld Z. Cervical cancer and its precursors: a preventative approach to screening, diagnosis, and management. Prim Care. 2019;46(1):117-34.
6. Santos RS, Prates EC, Santos KM. Análise espacial dos indicadores pactuados para o rastreamento do câncer do colo do útero no Brasil. Texto Contexto Enferm. 2012;21(4):800-10.
7. Mendonça VG, Lorenzato FRB, Mendonça JG, Menezes TC, Guimarães MJB. Mortalidade por câncer de colo do útero: características sociodemográficas das mulheres residentes na cidade de Recife, Pernambuco. Rev Bras Ginecol Obstet. 2008;30(5):248-55.
8. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2019 [citado em 2020 maio 4]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf
9. Rodrigues AD, Bustamante-Teixeira MT. Mortalidade por câncer de mama e câncer de colo do útero em município de porte médio da região Sudeste do Brasil, 1980-2006. Cad Saúde Pública. 2011;27(2):241-48.
10. Derossi AS, Paim JS, Aquino E, Silva LMV. Evolução da mortalidade e anos potenciais de vida perdidos por câncer cérvico-uterino em Salvador (BA), 1979-1997. Rev Bras Cancerol. 2001;47(2):163-70.
11. Hallal ALC, Gotlieb SLD, Latorre MRDO. Evolução da mortalidade por neoplasias malignas no Rio Grande do Sul, 1979-1995. Rev Bras Epidemiol. 2001;4(3):168-76.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade. Datasus [Internet]. Brasília (DF); c2017 [citado em 2017 maio 1]. Disponível em http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=060701
13. Bahia. Secretaria de Estado da Saúde. Plano Diretor de Regionalização [Internet]. Salvador (BA); 2007 [citado em 2017 jun 10]. Disponível em: http://www1.saude.ba.gov.br/mapa_bahia/visaomacrorregiao.asp
14. Doll R, Cook P. Summarizing indices for comparison of cancer incidence data. Int J Cancer. 1967;2(3):269-79.
15. Souza TO, Souza ER, Pinto LW. Evolução da mortalidade por homicídio no Estado da Bahia, Brasil, no período de 1996 a 2010. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(6):1889-900.
16. Fonseca LAM, Ramacciotti AS, Eluf Neto J. Tendência da mortalidade por câncer do útero no município de São Paulo entre 1980 e 1999. Cad Saúde Pública. 2004;20(1):136-42.
17. Santos AC Jr, Rêgo MAV. Tendência da mortalidade por câncer de colo do útero em Salvador e no estado da Bahia, Brasil, de 1980 a 2007. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(3):722-33.
18. Santos UM, Souza SEB. Papanicolaou: diagnóstico precoce ou prevenção do câncer cervical uterino? Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(4):941-51.
19. Campos NG, Sharma M, Clark A, Lee K, Geng F, Regan C, et al. The health and economic impact of scaling cervical cancer prevention in 50 low and lower middle income countries. Int J Gynecol Obstet. 2017;138(supl 1):47-56.
20. Lama Y, Hu D, Jamison A, Quinn SC, Broniatowski DA. Characterizing trends in human papillomavirus vaccine discourse on reddit (2007-2015): an observational study. JMIR Public Health Surveill. 2019;5(1):e12480.
21. Correa DAD, Villela WV. O controle do câncer de colo do útero: desafios para implementação de ações programáticas no Amazonas, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2008;8(4):491-7.
22. White A, Thompson TD, White MC, Sabatino SA, Moor J, Doria-Rose PV, et al. Cancer screening test use – United States, 2015. Morb Mortal Wkly Rep. 2017;66(8):201-6.
23. Gamarra CJ, Valente JG, Silva GA. Magnitude da mortalidade por câncer do colo do útero na região Nordeste do Brasil e fatores socioeconômicos. Rev Panam Salud Publica. 2010;28(2):100-10.
24. Maciel SSSV, Maciel WV, Fontes WS Jr. Mortalidade por câncer de colo do útero em regionais de saúde do estado de Pernambuco, Brasil. Rev AMRIGS. 2011;55(1):11-9.
25. Meira KC, Gama SGN, Silva CMFP. Perfil de mortalidade por câncer do colo do útero no município do Rio de Janeiro no período 1999-2006. Rev Bras Cancerol. 2011;57(1):7-14.
26. Andrade MS, Almeida MMG, Araújo TM, Santos KOB. Fatores associados a não adesão ao papanicolau entre mulheres atendidas pela Estratégia Saúde da Família em Feira de Santana, Bahia, 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(1):111-20.
27. Dias-da-Costa JS, Olinto MTA, Gigante DP, Menezes AMB, Macedo S, Borba AT, et al. Cobertura do exame citopatológico na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):191-7.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
CRUZ, Naiana Manuela Rocha Arcanjo da; CRUZ, Karlos Eduardo Arcanjo da; SILVA, Carlos Alberto Lima da. MORTALIDADE POR CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NO ESTADO DA BAHIA, BRASIL, ENTRE 1996 E 2012. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 624-639, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2807>. Acesso em: 23 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2807.
Seção
Artigos originais de temas livres