FATORES ASSOCIADOS ÀS DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS EM CRIANÇAS DURANTE O CARNAVAL DE SALVADOR

  • Andressa Silva Carneiro de Souza Universidade Federal da Bahia
  • Nathalee Ferreira Cordeiro Universidade Federal da Bahia
  • Ivan de Mattos Paiva Filho Secretária Municipal de Saúde. Salvador
  • Denise Santana Silva dos Santos Universidade do Estado da Bahia
  • Maria Carolina Ortiz Whitaker Universidade Federal da Bahia
  • Márcia Maria Carneiro Oliveira Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Aglomeração., Saúde da criança., Saúde pública., Doenças transmitidas por alimentos.

Resumo

Doenças transmitidas por alimentos (DTA) oferecem riscos à saúde. No Brasil em 2016 foram notificadas 9.935 pessoas com DTA, reforçando a importância de conhecer os fatores associados para prevenção e planejamento da redução de incidentes. Crianças estão expostas às DTA, principalmente no carnaval. O objetivo deste artigo é descrever as características clínicas e fatores associados às DTA em crianças durante o carnaval de Salvador. Este é um estudo transversal, com análise das fichas de atendimento de crianças de 0 a 12 anos, durante o carnaval de Salvador/2016. Para análise dos dados foi utilizada a estatística descritiva, aplicou-se o teste qui-quadrado de Pearson para medidas de associação (p < 0,05). A amostra foi constituída de 127 crianças, sendo que 37,8% foram diagnosticadas com DTA. Dentre as crianças com DTA, houve o predomínio da faixa etária de 1 a 9 anos (70,8%) e sexo masculino (54,2%), folião de rua (95,8%), atendidos no circuito Osmar (52,1%), no período da tarde (31,3%). Na análise bivariada identificou-se associação de DTA  com: náuseas/vômitos (p < 0,001) e dor abdominal (p = 0,001). Prevaleceu o número de crianças de 1 a 9 anos, sexo masculino e a maioria sendo folião de rua, atendidos no turno da tarde. As DTA foram associadas com náuseas/vômitos e dor abdominal.

Palavras-chave: Aglomeração. Saúde da criança. Saúde pública. Doenças transmitidas por alimentos.

Biografia do Autor

Andressa Silva Carneiro de Souza, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira. Residente em Enfermagem em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Salvador. Salvador, Bahia, Brasil.

Nathalee Ferreira Cordeiro, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira. Salvador, Bahia, Brasil.

Ivan de Mattos Paiva Filho, Secretária Municipal de Saúde. Salvador

Médico. Especialista em Cirurgia Geral e Emergências Médicas. Mestre em Gestão de Tecnologia e Inovação em Saúde. Salvador, Bahia, Brasil.

Denise Santana Silva dos Santos, Universidade do Estado da Bahia

Enfermeira. Especialista em Neonatologia. Mestre em Enfermagem. Docente na Universidade do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Maria Carolina Ortiz Whitaker, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Oncológica. Doutora em Ciências da Saúde. Docente da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Márcia Maria Carneiro Oliveira, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva. Doutora em Medicina e Saúde. Docente da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Shirm S, Liggin R, Dick R, Graham J. Prehospital preparedness for pediatric mass-casualty events. Pediatrics. 2007;120(4):756-61.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis. Surtos de doenças transmitidas por alimentos no Brasil [Internet]. Brasília (DF); 2018 [citado em 2020 maio 6]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/17/Apresentacao-Surtos-DTA-2018.pdf
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde [Internet]. Brasília (DF); 2014 [citado em 2020 maio 6].
Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_unificado.pdf
4. Takla A, Velasco E, Benzler J. The FIFA women’s world cup in Germany 2011: a practical example for tailoring an event-specific enhanced infectious disease surveillance system. BMC Public Health. 2011;21(12):576-82.
5. Arbon P. Mass-gathering medicine: a review of the evidence and future directions for research. Prehosp Disaster Med. 2007;22(2):131-5.
6. Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Nota Técnica n. 15: responsabilidades das esferas de gestão e diretrizes nacionais para planejamento, execução e avaliação das ações de vigilância e assistência à
saúde em eventos de massa [Internet]. Brasília (DF); 2013 [citado em 2018 fev 27]. Disponível em: http://www.conass.org.br/biblioteca/wp-content/uploads/2013/01/NT-15-2013-EVENTOS-DE-MASSA.pdf
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.139, de 10 de junho de 2013: define, no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS), as responsabilidades das esferas de gestão e estabelece as Diretrizes Nacionais para Planejamento,
Execução e Avaliação das Ações de Vigilância e Assistência à Saúde em Eventos de Massa [Internet]. Brasília (DF); 2013 [citado em 2018 fev 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1139_10_06_2013.html
8. Nunes DM, Paula FJ Jr, Melo JS, De-Oliveira EC, Meneguini VC, Dias F, et al. Surto de doença transmitida por alimento em evento de massa de populações indígenas em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, no ano de 2013.
Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(1):195-202.
9. Krul J, Sanou B, Swart EL, Girbes AR. Medical care at mass gatherings: emergency medical services at large-scale rave events. Prehosp Disaster Med. 2012;27(1):71-4.
10. Castro CF, Simões DCM, Delamarque EV, Pepe VLE. Eventos de massa, desastres e Saúde Pública. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(9):3717-30.
11. Bernardo LM, Veenema TG. Pediatric emergency preparedness for mass gatherings and special events. Disaster Manag Response. 2004;2(4):118-22.
12. Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências [Internet]. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1990 jul 16. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm
13. Rodrigues BF, Góes JAW, Cardoso RCV, Souza WM, Ferreira TCB. O comércio de comida de rua no centro histórico de Salvador – BA: caracterização da oferta de alimentos e aspectos higiênico-sanitários. Segur Aliment Nutricional. 2014;21(1):347-58.
14. Silva C, Germano MIS, Germano PML. Condições higiênico-sanitárias dos locais de preparação da merenda escolar, da rede estadual de ensino de São Paulo. Hig Aliment. 2003;17(110):49-55.
15. Organização Mundial de Saúde. Doenças de origem alimentar: enfoque para educação em saúde. São Paulo (SP): Roca; 2006.
16. Batista FVB, Bezerra VM. Ocorrência de doenças transmitidas por alimentos no município de Vitória da Conquista, Bahia. Cad ESP. 2015;9(1):27-34.
17. Crabtree N, Mo S, Ong L, Jegathees T, Wei D, Fahey D, Liu JJ. Retrospective analysis of patient presentations at the Sydney (Australia) Royal Easter Show from 2012 to 2014. Prehosp Disaster Med. 2017;32(2):187-94.
18. Zroback C, Levin D, Manlhiot C, Alexander A, van As AS, Azzie G. Impact of the 2010 FIFA (Federation Internationale de Football Association) World Cup on pediatric injury and mortality in Cape Town, South Africa. J Pediat. 2014;164(2):327-31.
19. Santos ML, Silva RB, Vogt MSL, Haeffner LSB, Michelotti MRC. Pronto atendimento infantil: quem utiliza e por que motivo. Saúde. 2013;39(2):79-88.
20. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População total e respectiva distribuição percentual, por cor ou raça, segundo as grandes regiões, unidades da federação e regiões metropolitanas: 2010 [Internet]. Rio de
Janeiro; 2010 [citado em 2018 fev 22]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf
21. Avelar AES. Fatores de influência no consumo de alimentos e alimentação fora do lar [dissertação]. Lavras (MG): Universidade Federal de Lavras; 2010.
22. Silveira KB, Alves JF, Ferreira HS, Sawaya AL, Florêncio TM. Association between malnutrition in children living in slums, maternal nutritional status, and environmental factors. J Pediatr. 2010;86:215-20.
23. Alquthami AH, Pines JM. A systematic review of on communicable health issues in Mass Gatherings. Prehosp Disaster Med. 2014;29(2):167-75.
24. Nakagawa FS, Barbosa RRF, Silva LVG. A cidade e o carnaval: os processos mediativo e interativo nos circuitos Dodô e Batatinha [Internet]. Anais do XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação; 2016 set 5-9;
São Paulo, SP. São Paulo (SP): Intercom; 2016 [citado em 2017 out 2]. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0250-1.pdf
25. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual integrado de prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos [Internet]. Brasília (DF); 2010 [citado em 2020 maio 7]. Disponível em:
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_integrado_prevencao_doencas_alimentos.pdf
26. Vieira NC, Oliveira PCM. Carnaval de Salvador: discutindo a gestão da festa [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2014.
27. Santos KB. O comércio da comida de rua no carnaval de Salvador-Bahia: desvendando as dimensões social, econômica, alimentar e sanitária. [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2013.
28. São Paulo. Alerta epidemiológico: surtos de doenças transmitidas por água e alimentos [Internet]. São Paulo (SP): Prefeitura de São Paulo; 2011 [citado em 2018 jan 10]. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/alerta_epidemiologico_-_2011_surtos_de_doencas_transmitidas__por_agua_e_alimentos_1299791339.pdf
29. Food and Agriculture Organization. Good hygienic practices in the preparation and sale of street food in Africa: tools for training [Internet]. Rome; 2009 [citado em 2020 maio 7]. Disponível em: http://www.fao.org/3/a0740e/a0740e00.pdf
Publicado
2020-06-26
Seção
Artigos originais de temas livres