EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E OS CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA: OLHARES TEÓRICOS, POLÍTICOS E PRÁTICOS

  • Marcela Maria da Conceição Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • José Magno Alves dos Santos Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju
  • Marcus Valerius da Silva Peixoto Universidade Federal de Sergipe
  • Susana de Carvalho Universidade Federal de Sergipe

Resumo

A fim de garantir o acesso de pessoas com deficiência (PCD) a todos os bens e serviços de saúde, foi criada a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência (RCPD). Tal política pretende garantir ações de promoção à saúde, identificação precoce de deficiências, prevenção dos agravos, tratamento e reabilitação. A promoção de estratégias de educação permanente faz parte das diretrizes da RCPD. O objetivo deste artigo é relatar a experiência de uma ação de educação permanente em saúde (EPS) sobre o cuidado à PCD no contexto da atenção básica (AB). Os encontros de ensino-aprendizagem, no contexto do trabalho, foram orientados pela metodologia problematizadora do Arco de Maguerez. O conteúdo do curso foi distribuído em dez eixos. Os resultados evidenciaram a importância de propor temáticas inéditas para o cotidiano das equipes, além de reforçar o compromisso de promover uma aprendizagem significativa e baseada na reflexão crítica sobre as práticas. Concluiu-se que a EPS direcionada para a consolidação da RCPD ainda é temática pouco estudada e debatida, embora de grande relevância para a qualificação das ações em saúde para essa população. Ampliar a formação e qualificação dos trabalhadores da saúde, nas dimensões técnica, ética e política e nas inter-relações pessoais, é tarefa necessária para a constituição de sujeitos integrais no mundo do trabalho, incorporando em suas ações os princípios e valores que orientam o Sistema Único de Saúde.


Palavras-chave: Pessoas com deficiência. Atenção primária à saúde. Educação permanente em saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Residente em Saúde da Família pela Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, Sergipe, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Servidor do Programa Saúde da Família da Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju. Aracaju, Sergipe, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudiólogo. Professor do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, Sergipe, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Professora do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, Sergipe, Brasil.

Referências

1. Brasil. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Cartilha do Censo 2010: pessoas com deficiência. Brasília (DF); 2012.
2. Vieira DKR, Favoreto CAO. Narrativas em saúde: refletindo sobre o cuidado à pessoa com deficiência e doença genética no Sistema Único de Saúde (SUS). Interface. 2016;20(56):89-98.
3. Vieira MB, Ayres JRCM. Necessidades de saúde da pessoa com deficiência: a perspectiva dos sujeitos por meio de histórias de vida. Interface. 2012;16(40):219-33.
4. Farias N, Buchalla CM. A classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde da Organização Mundial da Saúde: conceitos, usos e perspectivas. Rev Bras Epidemiol. 2005;8(2):187-93.
5. Brasil. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: protocolo facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Decreto Legislativo n. 186, de 9 de julho de 2008: Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. 4a ed., rev. e atual. Brasília (DF); 2011.
6. Brasil. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Viver sem limite: Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Brasília (DF): SDH-PR/SNPD; 2013.
7. Brasil. Decreto n. 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Plano Viver sem Limite. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2011 nov 18. Seção 1, p. 12.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde: polos de educação permanente em saúde. Brasília (DF); 2004.
9. Carvalho SM, Matos RL. A produção de espaços coletivos e a função apoio nos processos de formação em saúde na Bahia. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(4):771-83.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF); 2009.
11. Merhy EE. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias gerenciais. Ciênc Saúde Colet. 1997;4(2):305-14.
12. Santos AR, Coutinho ML. Educação permanente em saúde: construções de enfermeiros da estratégia saúde da família. Rev Baiana Saúde Pública. 2014;38(3):708-24.
13. Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 4a ed. São Paulo (SP): Vozes; 1989.
14. Berbel NAN. Metodologia da problematização no Ensino Superior e sua contribuição para o plano da praxis. Semina. 1996;17(esp.):7-17.
15. Berbel NAN. Metodologia da problematização: uma alternativa metodológica apropriada para o ensino superior. Semina. 1995;16(2):9-19.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2012.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
OLIVEIRA, Marcela Maria da Conceição et al. EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE E OS CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA: OLHARES TEÓRICOS, POLÍTICOS E PRÁTICOS. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 700-711, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2821>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2821.
Seção
Relato de experiências