ENTREVISTA MOTIVACIONAL COMO UMA FERRAMENTA NO PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

  • Gabriela de Luca Meyer Grupo Hospitalar Conceição
  • Ramona Fernanda Ceriotti Toassi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Elisabeth Meyer Fundação Universitária de Cardiologia
  • Daniel Demétrio Faustino-Silva Grupo Hospitalar Conceição

Resumo

A entrevista motivacional (EM) caracteriza-se como uma forma refinada de guiar uma conversa por meio de estratégias específicas que buscam estimular mudanças de comportamento. Esta pesquisa teve como objetivo compreender a apropriação dos conceitos e técnicas da EM por agentes comunitários de saúde após treinamento específico realizado em um serviço de atenção primária à saúde (APS) no Sul do Brasil. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa que incluiu a participação de agentes comunitários de saúde (ACS) em um grupo focal. O material textual produzido foi analisado pela técnica da análise temática de conteúdo. As três categorias que emergiram do grupo focal destacaram expectativas e lembranças do treinamento em conceitos de EM, com significados para o trabalho do ACS, e suas possibilidades e desafios. Os ACS expressaram conexões dos aprendizados durante treinamento às situações de trabalho e de vida pessoal. Desafios foram identificados na aplicação da EM por questões relacionadas ao tempo para realizar uma visita domiciliar, à intensa demanda no trabalho diário, às mudanças no processo de trabalho e à realização de atividades administrativas. A EM mostrou-se uma ferramenta apropriada e viável para a prática profissional dos ACS no contexto da APS.


Palavras-chave: Entrevista motivacional. Agentes comunitários de saúde. Atenção primária à saúde. Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Odontóloga. Especialista em Saúde da Família e Comunidade. Residente Multiprofissional em Saúde no Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Odontóloga. Doutora em Educação. Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Odontóloga. Doutora em Educação. Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Odontólogo. Doutor em Saúde Bucal Coletiva. Professor do Programa de Pós-Graduação em Avaliação de Tecnologias para o Sistema Único de Saúde no Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

1. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): Unesco/Ministério da Saúde; 2002.
2. Brasil. Decreto nº 3.189, de 4 de outubro de 1999. Fixa diretrizes para o exercício da atividade de Agente Comunitário de Saúde (ACS), e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF): 1999 out 5. Seção 1, p. 1.
3. Brasil. Ministério da Saúde. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília (DF); 2009.
4. Peres CRF, Caldas AL Jr, Silva RF, Marin MJS. Ser agente comunitário de saúde: motivação e significado. REME Rev Min Enferm. 2010;14(4):559-65.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília (DF); 2001.
6. Bornstein VJ, Stotz EN. Concepções que integram a formação e o processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: uma revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(1):259-68.
7. Nogueira ML, Oliveira MGA, Morel AP, Lopes MCR. A educação popular em saúde como base da preceptoria na formação técnica de agentes comunitários de saúde. Rev APS. 2015;18(4):438-46.
8. Nunes, MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1639-46.
9. Souza FP, Silva EM, Boff RM, Trindade MT, Oliveira MS. Características do treinamento em entrevista motivacional. Aletheia. 2012;1(38-39):186-95.
10. Östlund AS, Wadensten B, Kristofferzon ML, Haggström E. Motivational interviewing: experiences of primary care nurses trained in the method. Nurse Educ Pract. 2012;15(2):111-8.
11. Curry-Chiu ME, Catley D, Voelker MA, Bray KK. Dental hygienists’ experiences with motivational interviewing: a qualitative study. J Dent Educ. 2015;79(8):897-906.
12. VanBuskirk KA, Wetherell JL. Motivational interviewing with primary care populations: a systematic review and meta-analysis. J Behav Med. 2014;37(4):768-80.
13. Rubak S, Sandbæk A, Lauritzen T, Christensen B. Motivational interviewing: a systematic review and meta-analysis. Br J Gen Pract. 2005;513(55):305-12.
14. Miller WR, Rollnick, S. Motivational interviewing: helping people change. 2a ed. New York: Guilford Press; 2012.
15. Miller WR, Rollnick S. Entrevista motivacional: preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre (RS): Artmed; 2001.
16. Rollnick S, Miller WR, Butler CC. Entrevista motivacional no cuidado da saúde: ajudando pacientes a mudar comportamento. Porto Alegre (RS): Artmed; 2009.
17. Brobeck E, Odencrants S, Bergh H, Hildingh C. Patients’ experiences of lifestyle discussions based on motivational interviewing: a qualitative study. BMC Nursing. 2014;13(13):1-7.
18. Barros RS, Botazzo C. Subjetividade e clínica na atenção básica: narrativas, histórias de vida e realidade social. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(11):4337-48.
19. Monteiro MM, Figueiredo VP, Machado MFAS. Formação do vínculo no Programa de Saúde da Família numa Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(2):358-64.
20. Pinheiro PM, Oliveira LC. A contribuição do acolhimento e do vínculo na humanização da prática do cirurgião-dentista no Programa Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(36):187-98.
21. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2012.
22. Codern-Bové N, Pujol-Ribera E, Pla M, González-Bonilla J, Granollers S, Ballvé JL, et al. Motivational interviewing interactions and the primary health care challenges presented by smokers with low motivation to stop smoking: a conversation analysis. BMC Public Health. 2014;14:1225.
23. Moyers TB, Martin T, Christopher PJ, Houck JM, Tonigan JS, Amrhein PC. Client language as a mediator of motivational interviewing efficacy: where is the evidence? Alcohol Clin Exp Res. 2007;31(3):40-7.
24. Moyers TB, Martin T, Christopher PJ, Houck JM, Tonigan JS, Amrhein PC. From in-session behaviors to drinking outcomes: a causal chain for motivational interviewing. J Consult Clin Psychol. 2009;77(6):1113-24.
25. Minayo MCS, Deslandes SF, Cruz Neto O, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21a ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2002.
26. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.
27. Noronha MGRCS, Cardoso PS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? Ciênc Saúde Colet. 2009;14(2):497-506.
28. Gomes KO, Cotta RMM, Mitre SM, Batista RS, Cherchiglia ML. O agente comunitário de saúde e a consolidação do Sistema Único de Saúde: reflexões contemporâneas. Physis. 2010;20(4):1143-64.
29. Costa MC, Silva EB, Jahn AX, Resta DG, Colom ICS, Carli R. Processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: possibilidades e limites. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(3):134-40.
30. Miller WR, Baca LM. Two-year follow-up of bibliotherapy and therapist-directed controlled drinking training for problem drinkers. Behav Ther. 1983;14(3):441-8.
31. Ferraz L, Aerts DRGC. O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(2):347-55.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
MEYER, Gabriela de Luca et al. ENTREVISTA MOTIVACIONAL COMO UMA FERRAMENTA NO PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 579-596, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2822>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2822.
Seção
Artigos originais de temas livres