PRÁTICAS DE ALEITAMENTO MATERNO: CONCEPÇÕES DAS TRABALHADORAS DE SAÚDE DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE SALVADOR

  • Lais Alves Porto Universidade do Estado da Bahia
  • Raquel Neves Valente Hospital Geral Roberto Santos
  • Clara Oliveira Esteves Universidade Veiga de Almeida
  • Julia Escalda Universidade do Estado da Bahia

Resumo

As políticas públicas voltadas para o incentivo ao aleitamento materno compreendem todos os níveis de atenção à saúde, desde as unidades básicas até as hospitalares. Este estudo teve como objetivo descrever e analisar concepções de trabalhadoras de um hospital público de Salvador (BA) sobre práticas de saúde para a promoção do aleitamento materno no hospital. Para tanto, optou-se como percurso metodológico pela realização de grupos focais a fim de proporcionar o compartilhamento de experiências e vivências entre as trabalhadoras. As participantes do estudo eram trabalhadoras dos setores de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-Neo), Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) e Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa). Os grupos focais foram gravados em áudio, transcritos integralmente e analisados quanto aos seus conteúdos temáticos. A análise temática das falas das participantes resultou em reflexões sobre o processo de trabalho no hospital; concepções e práticas de aleitamento materno; acolhimento e conhecimento popular e científico das participantes. Tendo em vista os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), as trabalhadoras de saúde procuram sustentar suas práticas de cuidado em uma atenção à saúde integral, humanizada, equânime e universal. O estudo produziu reflexões acerca das ações de saúde realizadas, incentivando mudanças no processo do cuidar em saúde. Práticas educativas dialógicas para a produção de saúde podem ser utilizadas como propulsoras de transformação.


Palavras-chave: Aleitamento materno. Unidade de terapia intensiva neonatal. Saúde pública.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Especialista em Fonoaudiologia Hospitalar. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Doutora em Linguística. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fonoaudióloga. Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Lima IMSO, Leão TM, Alcântara MAR. Proteção legal à amamentação, na perspectiva da responsabilidade da família e do Estado no Brasil. Rev Direito Sanit. 2013;14(3):66-90.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido: método canguru, manual técnico. 3a ed. Brasília (DF); 2017.
3. Costa R, Padilha MI, Monticelli M, Ramos FRS, Borenstein MS. Políticas públicas de saúde ao recém-nascido no Brasil: reflexos para a assistência neonatal. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2010;1(1):55-68.
4. Mello AO, Cesar E, Beltrame MV, Heberle R. O discurso sanitarista como discurso político e ideológico na República Velha. Rev Historiador. 2010;(3):92-106.
5. Oliveira MIC, Hartz ZMA, Nascimento VC, Silva KS. Avaliação da implantação da iniciativa hospital amigo da criança no Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2012;12(3):281-95.
6. Figueredo SF, Mattar MJG, Abrao ACFV. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: uma política de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Acta Paul Enferm. 2012;25(3):459-63.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru, manual técnico. 2a ed. Brasília (DF); 2011.
8. Maricondi MA, Chiesa AM. A transformação das práticas educativas em saúde no sentido da escuta como cuidado e presença. Ciênc Cuid Saúde. 2010;9(4):704-12.
9. Freire P, Ira S. O que é “método dialógico” de ensino? O que é uma “pedagogia situada” e empowerment? In: Freire P, Ira S. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 13a ed. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 2011. p. 64-77.
10. Santana MCCP, Goulard BNG, Chiari BM, Melo AM, Silva EHAA. Aleitamento materno em prematuros: atuação fonoaudiológica baseada nos pressupostos da educação para promoção da saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(2):411-7.
11. Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2000;4(6):109-16.
12. Sociedade Brasileira de Pediatria. Infra-estrutura para atendimento integral ao recém-nascido: documento científico do Departamento de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Rio de Janeiro (RJ); 2010.
13. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.
14. Faria HP, Werneck MAF, Santos MA, Teixeira PF. Processo de trabalho em saúde. 2a ed. Belo Horizonte (MG): Nescon; 2009.
15. Lopes SS, Laignier MR, Primo CC, Leite FMC. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: avaliação dos Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno. Rev Paul Pediatr. 2013;31(4):488-93.
16. Souza KMO, Ferreira SD. Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(2):471-80.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS. Brasília (DF); 2011.
18. Sampaio J, Santos GC, Agostini M, Salvador AS. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(2):1299-312.
19. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília (DF): Organização Pan-Americana de Saúde; 2011.
20. Strasburg AC, Pintanel AC, Gomes GC, Mota MS. Cuidado de enfermagem a crianças hospitalizadas: percepção de mães acompanhantes. Rev Enferm UERJ. 2011;19(2):262-7.
21. Santos EM, Agra GFA. “Só o leite materno!”: significados de nutrizes sobre o aleitamento materno exclusivo. Semina Cienc Biol Saúde. 2016;37(2):93-106.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
PORTO, Lais Alves et al. PRÁTICAS DE ALEITAMENTO MATERNO: CONCEPÇÕES DAS TRABALHADORAS DE SAÚDE DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE SALVADOR. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 653-670, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2828>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a2828.
Seção
Artigos originais de temas livres