QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO E DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA: REVISÃO INTEGRATIVA

Palavras-chave: Qualidade de vida, Hipertensão, Diabetes mellitus, Atenção primária à saúde

Resumo

Doenças crônicas não transmissíveis são a maior causa de morbimortalidade no mundo, com destaque para a hipertensão e o diabetes, que tendem a afetar a qualidade de vida das pessoas acometidas. Este estudo, de revisão integrativa, objetiva analisar evidências científicas sobre as ações de cuidado na promoção da qualidade de vida de pessoas com hipertensão e diabetes na atenção básica à saúde. A busca de estudos foi realizada mediante três cruzamentos na Biblioteca Virtual de Saúde, utilizando a estratégia Prisma. Foram selecionados 19 estudos, publicados em revistas indexadas nas bases de dados Lilacs e BDENF. Os resultados evidenciaram ser necessário conhecer as condições de saúde dos pacientes para planejar intervenções destinadas a públicos específicos. Ademais, ressalta-se a relevância da educação em saúde visando ao autocuidado e à corresponsabilização no tratamento. Também foi possível identificar a importância de o trabalho ser compartilhado por uma equipe multiprofissional. A revisão integrativa propõe que o cuidado em prol da qualidade de vida de pessoas com hipertensão e diabetes seja conduzido colaborativamente, com base nos contextos de vida.

Palavras-chave: Qualidade de vida. Hipertensão. Diabetes mellitus. Atenção primária à saúde.

Biografia do Autor

Marina Pereira Moita, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Acadêmica do curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

Maria Socorro de Araújo Dias, Dra., Universidade Estadual Vale do Acaraú

Enfermeira. Pós-doutoramento em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará. Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

Maria da Conceição Coelho Brito, Me., Universidade Estadual do Ceará

Enfermeira. Doutoranda em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Ceará. Docente da Faculdade Luciano Feijão. Sobral, Ceará, Brasil.

Lielma Carla Chagas da Silva, Me., Universidade Federal do Ceará

Enfermeira. Mestre em Saúde da Família. Assistente de pesquisa da Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia.
Sobral, Ceará, Brasil.

Referências

1. Organização Mundial da Saúde. Cuidados primários de saúde: relatório da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Brasília, DF: Organização Mundial da Saúde; 1979.
2. Malta GC, Morosini MVG. Atenção primária à saúde. In: Pereira IB, Lima JCF, editores. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro, RJ: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; 2006.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.
4. Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1499-509.
5. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012
6. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.
8. Guimarães RM, Andrade SSCA, Machado EL, Bahia CA, Oliveira MM, Jacques FV. Diferenças regionais na transição da mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980 a 2012. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(2):83-9.
9. Organização Pan-Americana da Saúde. Linhas de cuidado: hipertensão arterial e diabetes. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2010.
10. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.
11. Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):599-608.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil, 2016: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.
13. Faria HTG, Veras VS, Xavier ATF, Teixeira CRS, Zanetti ML, Santos MA. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus antes e após participação em programa educativo. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(2):348-54.
14. Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(2):335-45.
15. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.
16. Joanna Briggs Institute. Systematic review resource package: the Joanna Briggs Institute method for systematic review research quick reference guide. Adelaide: Joanna Briggs Institute; 2015.
17. Galvão TF, Pansani TSA, Harrad D. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação PRISMA. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):335-42.
18. Oliveira EA, Bubach S, Flegeler DS. Perfil de hipertensos em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Enferm UERJ. 2009;17(3):383-7.
19. Santa Helena ET, Nemes MIB, Eluf-Neto J. Avaliação da assistência a pessoas com hipertensão arterial em unidades de Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2010;19(3):614-626.
20. Carvalho RDP, Carvalho CDP, Martins DA. Aplicação dos cuidados com os pés entre portadores de diabetes mellitus. Cogitare Enferm. 2010;15(1):106-9.
21. Faquinello P, Marcon SS, Waidmann MAP. A rede social como estratégia de apoio à saúde do hipertenso. Rev Bras Enferm. 2011;64(5):849-56.
22. Cardoso GM, Valoes LMA, Almeida OAEA, Ferrari CKB. Qualidade de vida na percepção da gravidade da doença em portadores de diabetes mellitus. Enferm Foco (Brasília). 2012;3(3):143-6.
23. Madeira TCS, Aguiar MIF, Bernardes ACF, Rolim ILTP, Braga VAB. Depressão em idosos hipertensos e diabéticos no contexto da atenção primária em saúde. Rev APS. 2013;16(4):393-8.
24. Anderle P, Souza BB, Julião GG, Millão LF, Santos CJ, Monteiro JAS. Perfil dos pacientes assistidos pela residência integrada em saúde: um olhar humanizado na assistência domiciliar. Aletheia. 2013;41:164-73
25. Pereira JN, Lucio LM, Silva TC. Avaliação da assistência prestada ao paciente com diabetes mellitus tipo 2, pela Estratégia Saúde da Família nº 06, da cidade do Paranoá-DF, Brasil. Rev APS. 2013;16(4):350-6.
26. Winkelmann ER, Fontela PC. Condições de saúde de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 cadastrados na Estratégia Saúde da Família, em Ijuí, Rio Grande do Sul, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):665-74.
27. Silva PCS, Fava SMCL, Machado JP, Bezerra SMMS, Gonçalves MPT, Veiga EV. Alimentação e qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas com hipertensão arterial sistêmica. Rev Rene. 2014;15(6):1016-23.
28. Ribeiro CD, Soares MCF. Situações com potencialidade para atuação da fisioterapia na atenção básica no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(2):117-23.
29. Leal LB, Moura IH, Carvalho RBN, Leal NTB, Silva AQ, Silva ARV. Qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Rev Rene. 2014;15(4):676-82.
30. Pimenta FB, Pinho L, Silveira MF, Botelho ACC. Fatores associados a doenças crônicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família.
Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2489-98.
31. Rossi VLC, Silva AL, Fonseca GSS. Adesão ao tratamento medicamentoso entre pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Rev Enferm Cent.-Oeste Min. 2015;5(3):1820-30.
32. Einloft ABN, Silva LS, Machado JC, Cotta RMM. Influência de intervenções educativas em perfis antropométricos, clínicos e bioquímicos e na percepção de saúde e doença de portadores de hipertensão arterial no contexto da Saúde da Família. Rev Nutr. 2016;29(4):529-41.
33. Fernandes DR, Rocha TPO, Santos EA, Figueiredo Neto JA, Santana EEC, Lima RA. Influência de fatores socioeconômicos e clínicos na qualidade de vida de hipertensos. Rev Baiana Saúde Pública. 2016;40(3):665-80.
34. Leal LB, Leal NTB, Sousa EC, Pereira KLA, Negreiros ALB, Silva ARV. Intervenção educativa realizada com hipertensos de uma Estratégia Saúde da Família. Rev Enferm UFPI. 2016;5(3):67-71.
35. Silva OS, Tibana RA, Sousa NMF, Pinheiro VDC, Santos RA, Bastos ESM, et al. Qualidade de vida e nível de atividade física de idosos normotensos e hipertensos cadastrados na estratégia de saúde da família. Rev Bras Ativ Fís Saúde, 2016;21(3):220-227
36. Silva LWS, Pereira SFS, Squarcini CFR, Souza DM, Souza FG, Caravaca-Morera JA. Cuidado dos pés de pessoas com diabetes mellitus: ações protetivas vinculadas à promoção da saúde. Enfermería. 2016;5(2):12-18.
37. Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2nd ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale; 2013.
38. Chibante CLP, Sabóia VM, Teixeira ER, Silva JLL. Qualidade de vida de pessoas com diabetes mellitus. Rev Baiana Enferm. 2014;28(3):235-43.
39. Gusmai LF, Novato TS, Nogueira LS. A influência da qualidade de vida na adesão ao tratamento do paciente diabético: revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(5):839-46.
40. Tyson MD, Barocas DA. Quality of life after radical cystectomy. 2018;45(2):249-56.
41. Sousa VP, Vasconcelos EMR. Educação em saúde como estratégia para o controle do diabetes mellitus: revisão integrativa da literatura. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;41(1):177-95.
42. Greco-Soares JP, Dell’Aglio DD. Relações entre qualidade de vida e diabetes mellitus tipo 1 na adolescência. Contextos Clín. 2016;9(2):159-67.
43. Silva JRA, Lemos EC, Hardman CM, Santos SJ, Antunes MBC. Educação em saúde na Estratégia de Saúde da Família: percepção dos profissionais. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(1):75-81.
44. Menezes KKP, Avelino PR. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad Saúde Colet. 2016;24(1):124-30.
45. Boell JEW, Ribeiro RM, Silva DMGV. Fatores de risco para o desencadeamento do pé diabético. Rev Eletrônica Enferm. 2014;16(2):386-93.
46. Pereira RCA, Rivera FJU, Artmann E. The multidisciplinary work in the family health strategy: a study on ways of teams. Interface (Botucatu). 2013;17(45):327-40.
47. Reis ML, Medeiros M, Pacheco LE, Caixeta CC. Avaliação do trabalho multiprofissional do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Texto Contexto Enferm. 2016;25(1): e2810014.
48. Costa JP, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Paula ML, Bezerra IC. Resolubilidade do cuidado na atenção primária: articulação multiprofissional e rede de serviços. Saúde Debate. 2014;38(103):733-43.
49. Jacowski M, Budal AMB, Lemos DS; Ditterich RG, Buffon MCM, Mazza VA. Trabalho em equipe: percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família. Rev Baiana Enferm; 2016;30(2):733-43.
Publicado
2020-05-12
Seção
Artigo de Revisão