QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO E DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA: REVISÃO INTEGRATIVA

Resumo

Doenças crônicas não transmissíveis são a maior causa de morbimortalidade no mundo, com destaque para a hipertensão e o diabetes, que tendem a afetar a qualidade de vida das pessoas acometidas. Este estudo, de revisão integrativa, objetiva analisar evidências científicas sobre as ações de cuidado na promoção da qualidade de vida de pessoas com hipertensão e diabetes na atenção básica à saúde. A busca de estudos foi realizada mediante três cruzamentos na Biblioteca Virtual de Saúde, utilizando a estratégia Prisma. Foram selecionados 19 estudos, publicados em revistas indexadas nas bases de dados Lilacs e BDENF. Os resultados evidenciaram ser necessário conhecer as condições de saúde dos pacientes para planejar intervenções destinadas a públicos específicos. Ademais, ressalta-se a relevância da educação em saúde visando ao autocuidado e à corresponsabilização no tratamento. Também foi possível identificar a importância de o trabalho ser compartilhado por uma equipe multiprofissional. A revisão integrativa propõe que o cuidado em prol da qualidade de vida de pessoas com hipertensão e diabetes seja conduzido colaborativamente, com base nos contextos de vida.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Acadêmica do curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Pós-doutoramento em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Ceará. Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Doutoranda em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Ceará. Docente da Faculdade Luciano Feijão. Sobral, Ceará, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeira. Mestre em Saúde da Família. Assistente de pesquisa da Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia.
Sobral, Ceará, Brasil.

Referências

1. Organização Mundial da Saúde. Cuidados primários de saúde: relatório da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, Alma-Ata, URSS, 6-12 de setembro de 1978. Brasília, DF: Organização Mundial da Saúde; 1979.
2. Malta GC, Morosini MVG. Atenção primária à saúde. In: Pereira IB, Lima JCF, editores. Dicionário da educação profissional em saúde. Rio de Janeiro, RJ: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; 2006.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.
4. Arantes LJ, Shimizu HE, Merchan-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1499-509.
5. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012
6. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011.
8. Guimarães RM, Andrade SSCA, Machado EL, Bahia CA, Oliveira MM, Jacques FV. Diferenças regionais na transição da mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil, 1980 a 2012. Rev Panam Salud Publica. 2015;37(2):83-9.
9. Organização Pan-Americana da Saúde. Linhas de cuidado: hipertensão arterial e diabetes. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2010.
10. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011.
11. Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):599-608.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil, 2016: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2016.
13. Faria HTG, Veras VS, Xavier ATF, Teixeira CRS, Zanetti ML, Santos MA. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus antes e após participação em programa educativo. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(2):348-54.
14. Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(2):335-45.
15. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.
16. Joanna Briggs Institute. Systematic review resource package: the Joanna Briggs Institute method for systematic review research quick reference guide. Adelaide: Joanna Briggs Institute; 2015.
17. Galvão TF, Pansani TSA, Harrad D. Principais itens para relatar revisões sistemáticas e meta-análises: a recomendação PRISMA. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):335-42.
18. Oliveira EA, Bubach S, Flegeler DS. Perfil de hipertensos em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Enferm UERJ. 2009;17(3):383-7.
19. Santa Helena ET, Nemes MIB, Eluf-Neto J. Avaliação da assistência a pessoas com hipertensão arterial em unidades de Estratégia Saúde da Família. Saúde Soc. 2010;19(3):614-626.
20. Carvalho RDP, Carvalho CDP, Martins DA. Aplicação dos cuidados com os pés entre portadores de diabetes mellitus. Cogitare Enferm. 2010;15(1):106-9.
21. Faquinello P, Marcon SS, Waidmann MAP. A rede social como estratégia de apoio à saúde do hipertenso. Rev Bras Enferm. 2011;64(5):849-56.
22. Cardoso GM, Valoes LMA, Almeida OAEA, Ferrari CKB. Qualidade de vida na percepção da gravidade da doença em portadores de diabetes mellitus. Enferm Foco (Brasília). 2012;3(3):143-6.
23. Madeira TCS, Aguiar MIF, Bernardes ACF, Rolim ILTP, Braga VAB. Depressão em idosos hipertensos e diabéticos no contexto da atenção primária em saúde. Rev APS. 2013;16(4):393-8.
24. Anderle P, Souza BB, Julião GG, Millão LF, Santos CJ, Monteiro JAS. Perfil dos pacientes assistidos pela residência integrada em saúde: um olhar humanizado na assistência domiciliar. Aletheia. 2013;41:164-73
25. Pereira JN, Lucio LM, Silva TC. Avaliação da assistência prestada ao paciente com diabetes mellitus tipo 2, pela Estratégia Saúde da Família nº 06, da cidade do Paranoá-DF, Brasil. Rev APS. 2013;16(4):350-6.
26. Winkelmann ER, Fontela PC. Condições de saúde de pacientes com diabetes mellitus tipo 2 cadastrados na Estratégia Saúde da Família, em Ijuí, Rio Grande do Sul, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):665-74.
27. Silva PCS, Fava SMCL, Machado JP, Bezerra SMMS, Gonçalves MPT, Veiga EV. Alimentação e qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas com hipertensão arterial sistêmica. Rev Rene. 2014;15(6):1016-23.
28. Ribeiro CD, Soares MCF. Situações com potencialidade para atuação da fisioterapia na atenção básica no Sul do Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(2):117-23.
29. Leal LB, Moura IH, Carvalho RBN, Leal NTB, Silva AQ, Silva ARV. Qualidade de vida relacionada à saúde de pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Rev Rene. 2014;15(4):676-82.
30. Pimenta FB, Pinho L, Silveira MF, Botelho ACC. Fatores associados a doenças crônicas em idosos atendidos pela Estratégia de Saúde da Família.
Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2489-98.
31. Rossi VLC, Silva AL, Fonseca GSS. Adesão ao tratamento medicamentoso entre pessoas com diabetes mellitus tipo 2. Rev Enferm Cent.-Oeste Min. 2015;5(3):1820-30.
32. Einloft ABN, Silva LS, Machado JC, Cotta RMM. Influência de intervenções educativas em perfis antropométricos, clínicos e bioquímicos e na percepção de saúde e doença de portadores de hipertensão arterial no contexto da Saúde da Família. Rev Nutr. 2016;29(4):529-41.
33. Fernandes DR, Rocha TPO, Santos EA, Figueiredo Neto JA, Santana EEC, Lima RA. Influência de fatores socioeconômicos e clínicos na qualidade de vida de hipertensos. Rev Baiana Saúde Pública. 2016;40(3):665-80.
34. Leal LB, Leal NTB, Sousa EC, Pereira KLA, Negreiros ALB, Silva ARV. Intervenção educativa realizada com hipertensos de uma Estratégia Saúde da Família. Rev Enferm UFPI. 2016;5(3):67-71.
35. Silva OS, Tibana RA, Sousa NMF, Pinheiro VDC, Santos RA, Bastos ESM, et al. Qualidade de vida e nível de atividade física de idosos normotensos e hipertensos cadastrados na estratégia de saúde da família. Rev Bras Ativ Fís Saúde, 2016;21(3):220-227
36. Silva LWS, Pereira SFS, Squarcini CFR, Souza DM, Souza FG, Caravaca-Morera JA. Cuidado dos pés de pessoas com diabetes mellitus: ações protetivas vinculadas à promoção da saúde. Enfermería. 2016;5(2):12-18.
37. Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2nd ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale; 2013.
38. Chibante CLP, Sabóia VM, Teixeira ER, Silva JLL. Qualidade de vida de pessoas com diabetes mellitus. Rev Baiana Enferm. 2014;28(3):235-43.
39. Gusmai LF, Novato TS, Nogueira LS. A influência da qualidade de vida na adesão ao tratamento do paciente diabético: revisão sistemática. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(5):839-46.
40. Tyson MD, Barocas DA. Quality of life after radical cystectomy. 2018;45(2):249-56.
41. Sousa VP, Vasconcelos EMR. Educação em saúde como estratégia para o controle do diabetes mellitus: revisão integrativa da literatura. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;41(1):177-95.
42. Greco-Soares JP, Dell’Aglio DD. Relações entre qualidade de vida e diabetes mellitus tipo 1 na adolescência. Contextos Clín. 2016;9(2):159-67.
43. Silva JRA, Lemos EC, Hardman CM, Santos SJ, Antunes MBC. Educação em saúde na Estratégia de Saúde da Família: percepção dos profissionais. Rev Bras Promoç Saúde. 2015;28(1):75-81.
44. Menezes KKP, Avelino PR. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad Saúde Colet. 2016;24(1):124-30.
45. Boell JEW, Ribeiro RM, Silva DMGV. Fatores de risco para o desencadeamento do pé diabético. Rev Eletrônica Enferm. 2014;16(2):386-93.
46. Pereira RCA, Rivera FJU, Artmann E. The multidisciplinary work in the family health strategy: a study on ways of teams. Interface (Botucatu). 2013;17(45):327-40.
47. Reis ML, Medeiros M, Pacheco LE, Caixeta CC. Avaliação do trabalho multiprofissional do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Texto Contexto Enferm. 2016;25(1): e2810014.
48. Costa JP, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Paula ML, Bezerra IC. Resolubilidade do cuidado na atenção primária: articulação multiprofissional e rede de serviços. Saúde Debate. 2014;38(103):733-43.
49. Jacowski M, Budal AMB, Lemos DS; Ditterich RG, Buffon MCM, Mazza VA. Trabalho em equipe: percepção dos profissionais da estratégia de saúde da família. Rev Baiana Enferm; 2016;30(2):733-43.
Publicado
2020-05-12
Como Citar
MOITA, Marina Pereira et al. QUALIDADE DE VIDA DE PESSOAS COM HIPERTENSÃO E DIABETES NA ATENÇÃO BÁSICA: REVISÃO INTEGRATIVA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 2, maio 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2842>. Acesso em: 06 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n2.a2842.
Seção
Artigo de Revisão