CONSUMO DE NUTRIENTES NO PRIMEIRO E TERCEIRO TRIMESTRES GESTACIONAIS E PESO AO NASCER: COORTE NISAMI

  • Tialla Ravenna Silva Santos Universidade Federal da Bahia
  • Jerusa da Mota Santana Universidade Federal da Bahia
  • Cinthia Soares Lisboa Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Djanilson Barbosa dos Santos Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: Gravidez, Recém-nascido, Peso ao nascer

Resumo

A inadequação no consumo de nutrientes pode comprometer o crescimento fetal e resultar em baixo peso ao nascer ou em macrossomia fetal. Busca-se aqui identificar a relação entre consumo de energia, macronutrientes e micronutrientes no primeiro e terceiro trimestre gestacional e o peso ao nascer. Trata-se de estudo transversal aninhado em coorte prospectiva longitudinal com 166 gestantes do serviço público entrevistadas, no período de abril de 2012 a novembro de 2013. Para comparar as médias de consumo alimentar no primeiro e terceiro trimestre com o peso ao nascer foi utilizado o Test T de Student, com nível de significância estatística com valores de p < 0,05. Foi observado que as crianças com peso ao nascer inadequado (< 3.000 g) apresentaram consumo médio mais elevado de calorias (p = 0,02) e carboidratos (p = 0,04) no primeiro trimestre. E no terceiro trimestre identificaram-se diferenças nas médias de consumo de proteína (p = 0,02) segundo as categorias de peso ao nascer, já que mulheres que tiveram crianças com peso adequado (≥ 3.000 g) apresentaram consumo médio maior de proteína (médias = 72,66 g). O consumo alimentar de gestantes tem influência sobre a situação nutricional do concepto, especialmente no terceiro trimestre de gestação, momento em que a ingestão proteica materna teve maior relevância para o peso ao nascer.

Palavras-chave: Gravidez. Recém-nascido. Peso ao nascer.

Biografia do Autor

Tialla Ravenna Silva Santos, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Jerusa da Mota Santana, Universidade Federal da Bahia

Nutricionista. Doutora em Saúde Pública. Docente da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Cinthia Soares Lisboa, Universidade Estadual de Feira de Santana

Nutricionista. Mestre em Saúde Coletiva. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Djanilson Barbosa dos Santos, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Farmacêutico. Doutor em Saúde Pública. Docente da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Referências

1. Accioly E, Saunders C, Lacerda EMA. Nutrição em obstetrícia e pediatria. Rio de Janeiro (RJ): Cultura Médica; 2002.
2. Ziegel EE, Cranley MS. Enfermagem obstétrica. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 1985.
3. Francisqueti FV, Rugolo LMSS, Silva EG, Peraçolli JC, Hirakawa HS. Estado nutricional materno na gravidez e sua influência no crescimento fetal. Rev Simbio-Logias. 2012;5(7):74-86.
4. Genehr S, Manfio F, Jonh E, Mattos KM, Blumke AC. Consumo alimentar de gestantes atendidas em duas unidades básicas de saúde de Santa Maria/RS. Anais do 15º Simpósio de Ensino, Pesquisa e Extensão; 2011; Santa Maria. Santa Maria (RS): Unifra; 2011.
5. Gonçalves AA, Celaro M. Sucos para gestantes: um estudo de mercado. Estud Tecnol. 2009;5(1):1-13.
6. Hedrich A, Novello D, Ruviaro L, Alves J, Quintiliano DA. Perfil alimentar, estado nutricional, de saúde e condições socioeconômicas de gestantes assistidas por centros de saúde do município de Guarapuava-PR. Rev Salus. 2007;1(2):139-46.
7. Melo ASO, Assunção PL, Gondim SSR, Carvalho DF, Amorim MMR, Benício MHDA, et al. Estado nutricional materno, ganho de peso gestacional e peso ao nascer. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(2):249-57.
8. Kerche LTRL, Abbade JF, Costa RAA, Rudge MVC, Calderon IMP. Fatores de risco para macrossomia fetal em gestações complicadas por diabete ou por hiperglicemia diária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005;27(10):580-7.
9. Rizvi SA, Hatcher J, Jehan I, Qureshi R. Maternal risk factors associated with low birth weight in Karachi: a case-control study. East Mediterr Health J. 2007;13(6):1343-52.
10. Campos ABF, Pereira RA, Queiroz J, Saunders C. Ingestão de energia e de nutrientes e baixo peso ao nascer: estudo de coorte com gestantes adolescentes. Rev Nutr. 2013;26(5):551-61.
11. Carniel EF, Zanolli ML, Antonio MARGM, Morcillo AM. Determinantes do baixo peso ao nascer a partir das declarações de nascidos vivos. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(1):169-79.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Datasus: Santo Antônio de Jesus [Internet]. 2014 [citado em 2020 maio 24]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sinasc/cnv/nvBA.def
13. Brasil. Ministério da Saúde. Datasus [Internet]. 2014 [acesso em 2017 out 30]. Disponível em: http: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?siab/cnv/SIABSba.def
14. Siqueira FV, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, et al. Prevalence of falls in elderly in Brazil: a countrywide analysis. Cad Saúde Pública. 2011;27(9):1819-26.
15. Demétrio F, Pinto EJ, Assis AMO. Fatores associados à interrupção precoce do aleitamento materno: um estudo de coorte de nascimento em dois municípios do Recôncavo da Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):641-54.
16. Martins APB, Benicio MHDA. Influência do consumo alimentar na gestação sobre a retenção de peso pós-parto. Rev Saúde Pública. 2011;45(5):870-7.
17. Lohman TG, Roche AF, Martorell RAF, editores. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics; 1988.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAM: orientações básicas para a coleta, o processamento, a análise e a informação em serviços de saúde. Brasília (DF); 2004.
19. Monteiro JP, Pfrimer K, Tremeschin MHJ, Molina MC, Chiarello P, coordenadores. Consumo alimentar: visualizando porções. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2007.
20. Santana JM. Identificação de padrões de consumo alimentar ao longo da gestação e associação com o peso ao nascer: um estudo de coorte [dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2014.
21. Universidade Estadual de Campinas. Tabela brasileira de composição de alimentos. 4a ed. Campinas (SP): Unicamp; 2011.
22. Araújo ES, Santana JM, Brito SM, Santos DB. Consumo alimentar de gestantes atendidas em unidades de saúde. Mundo Saúde. 2016;40(1):28-37.
23. Contreras J, Hernández JC, Arnaiz MG. Alimentación y cultura: perspectivas antropológicas. Barcelona: Ariel; 2005.
24. Lizo CLP, Lizo ZA, Aronson E, Segre CAM. Relação entre ganho de peso materno e peso do recém-nascido. J Pediatr. 1998;74(2):114-8.
25. Vitolo MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento. Rio de Janeiro (RJ): Rubio; 2012.
26. Semprebom RM, Ravazzani E. Avaliação nutricional e análise da ingestão proteica em gestantes. Cad Escola Saúde. 2014;1(11):103-15.
27. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília (DF); 2008.
28. Lucyk JM, Furumoto RV. Necessidades nutricionais e consumo alimentar na gestação: uma revisão. Comun Ciênc Saúde. 2008;19(4):353-63.
29. Crispim SP, Ribeiro RCL, Panato E, Silva MMS, Rosado LEFP, Rosado GP. Validade relativa de um questionário de frequência alimentar para utilização em adultos. Rev Nutr. 2009;22(1):81-95.
Publicado
2020-08-12
Seção
Artigos originais de temas livres