CARACTERIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE NO ESTADO DO PARANÁ

Palavras-chave: Maus-tratos infantis, Saúde da criança, Defesa da criança e do adolescente

Resumo

A população infantil é considerada o grupo mais vulnerável aos diversos tipos de violência, este fato gera danos físicos e psicológicos, dentre outras consequências para a sociedade em geral. O estudo objetivou identificar o perfil epidemiológico de violência contra a criança e adolescente, com dados registrados no período de 2012 a 2016 no Estado do Paraná. Trata-se de um estudo quantitativo, retrospectivo de base documental. A base de dados foi produzida a partir da confirmação da notificação “Violência doméstica, sexual e/ou outras violências”, disponível no Sistema de Informação de Agravos de Notificação entre janeiro de 2012 a dezembro de 2016 no Estado do Paraná, de crianças e adolescentes com idade entre 0 a 19 anos. Totalizaram 48.870 casos de violência contra crianças e adolescentes, com aumento do número de casos conforme os anos. Os casos prevaleceram no sexo feminino, com prevalência específica de 166,2 a cada 10 mil, faixa etária entre 0 e 4 anos, com 177,4 a cada 10 mil, na raça negra seguida pela indígena, com 205,5 e 162,7, respectivamente, a cada 10 mil. Das regionais de saúde, o maior número ocorreu na 2ª (Metropolitana), com 314,2 a cada 10 mil crianças e adolescentes. Conclui-se que a notificação é uma das principais ferramentas no processo de enfrentamento da violência e que o estudo permite o conhecimento dos casos de violência contra a criança e adolescente no estado do Paraná e proporciona o debate que contribui para qualificação das ações que previnam e detectem a violência em cada região específica do estado. 

Palavras-chave: Maus-tratos infantis. Saúde da criança. Defesa da criança e do adolescente.

Biografia do Autor

Bianca Fontana Aguiar, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Leandro Rozin, Faculdades Pequeno Príncipe

Enfermeiro. Mestre em Biotecnologia Aplicada à Saúde da Criança e do Adolescente. Curitiba, Paraná, Brasil.

Luana Tonin, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

1. França SG. Dignidade humana como direito ao desenvolvimento da criança e do adolescente em conflito com a lei no município de Rio Verde/GO [dissertação]. Goiânia (GO): Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2016.
2. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência [Internet]. Brasília (DF): Escritório da Representação do Unicef no Brasil; 2012 [citado em 2018 nov 10]. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/unicef/protocolo_atencao_criancas_vitimas_violencia.pdf
3. Paraná. Secretaria de Segurança Pública do Paraná. Relatório estatístico criminal quantitativo de vítimas de crimes relativos à morte. Curitiba (PR); 2016.
4. Mascarenhas MDM, Monteiro RA, Sá NB, Gonzaga LAA, Neves ACM, Silva MMA, et al. Epidemiologia das causas externas no Brasil: mortalidade por acidentes e violências no período de 2000 a 2009. In: Brasil. Saúde Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.
5. Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(3):871-80.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Impacto da violência na saúde das crianças e adolescentes: prevenção de violências e promoção da cultura de paz [Internet]. Brasília (DF); 2008 [citado em 2019 jan 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/impacto_violencia_saude_criancas_adolescentes.pdf
7. Brasil. Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 2016 mar 9 [citado em 2019 jan 10]. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13257.htm
8. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Linha de cuidado para atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências [Internet]. Brasília (DF); 2012 [citado em 2018 out 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/linha_cuidado_criancas_familias_violencias.pdf
9. Faria MRGV, Silva AA, Zanini D. Violência em contos infantis e na vida real. Fragmentos Cult. 2013;23(3):255-67.
10. World Health Organization. Young people’s health: a challenge for society report of a study group on young people and health for all by the year 2000 [Internet]. Technical Report Series, n. 731. Genebra; 1986 [citado em 2019 fev 7]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/41720/1/WHO_TRS_731.pdf
11. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de nº 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Brasília (DF); 2011.
12. Portal Sinan: Sistema de Informação de Agravos de Notificação [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2008 [citado em 2020 ago 26]. Disponível em: https://portalsinan.saude.gov.br/
13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro (RJ); 2011.
14. Moreira KFA, Oliveira DM, Oliveira CAB, Alencar LN, Orfão NH, Santos FE. Perfil das crianças e adolescentes vítimas de violência. Rev Enferm UFPE. 2017;11(11):4410-7.
15. Almeida LAA, Sousa LS, Sousa KAA. Epidemiologia da violência infantil em um estado do nordeste do Brasil: série histórica de 2007 a 2016. Rev Prev Infecç Saúde. 2017;3(2):27-33.
16. Rates SMM, Melo EM, Mascarenhas MDM, Malta DC. Violência infantil: uma análise das notificações compulsórias, Brasil 2011. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(3):655-65.
17. Cervantes GV, Jornada LK, Trevisol FS. Perfil epidemiológico das vítimas de violência notificadas pela 20ª gerência regional de saúde de Tubarão, SC. Rev AMRIGS. 2012;56(4):325-9.
18. Platt VB, Back IC, Hauschild DB, Guedert JM. Violência sexual contra crianças: autores, vítimas e consequências. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(4):1019-31.
19. Oliveira JR, Costa COM, Amaral MTR, Santos CA, Assis SG, Nascimento OC. Violência sexual e ocorrências em crianças e adolescentes: estudo das incidências ao longo de uma década. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(3):759-71.
20. Egry EY, Apostolico MR, Morais TCP. Notificação da violência infantil, fluxos de atenção e processo de trabalho dos profissionais da atenção primária em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(1):83-92.
21. Silva PA, Lunardi VL, Lunardi GL, Arejano CB, Ximenes AS, Ribeiro JP. Violência contra crianças e adolescentes: características dos casos notificados em um Centro de Referência do Sul do Brasil. Enferm Glob. 2017;46(1):419-31.
22. Curitiba. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo da rede de proteção à criança e ao adolescente em situação de risco para a violência [Internet]. 3a ed. Curitiba (PR); 2008 [citado em 2019 fev 7]. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/pmc/protocolo_rede_de_protecao_a_crianca.pdf
23. Gessner R. Violência contra o adolescente: uma análise à luz das categorias gênero e geração [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.
24. Barros AS, Freitas MFQ. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: consequências e estratégias de prevenção com pais agressores. Pensando Fam. 2015;19(2):102-14.
25. Pinto AA Jr, Borges VC, Santos JG. Caracterização da violência doméstica contra crianças e adolescentes e as estratégias interventivas em um município do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Colet. 2015;23(2):124-31.
26. Christoffersen MN, Armour C, Lasgaard M, Andersen TE, Elklit A. The prevalence of four types of childhood maltreatment in denmark. Clin Pract Epidemol Ment Health. 2013;9(1):149-56.
27. Finkelhor D, Vanderminden J, Turner H, Hamby S, Shattuck A. Child maltreatment rates assessed in a national household survey of caregivers and youth. Child Abuse Negl. 2014;38(9):1421-35.
28. Lima MDCCS, Costa MCO, Bigras M, Santana MAO, Alves TDB, Nascimento OC, Silva MR. Atuação profissional da atenção básica de saúde face à identificação e notificação da violência infanto-juvenil. Rev Baiana Saúde Pública. 2011;35(1):118-37.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres