FLUORETAÇÃO DA ÁGUA DE ABASTECIMENTO PÚBLICO: PRODUÇÃO E DISPONIBILIDADE DAS INFORMAÇÕES EM QUESTÃO

  • Lorrayne Belotti Universidade de São Paulo
  • Carolina Dutra Degli Esposti Universidade Federal do Espirito Santo
  • Izabela Marquezini Cabral Universidade Federal do Espirito Santo
  • Karina Tonini dos Santos Pacheco Universidade Federal do Espirito Santo
  • Adauto Emmerich Oliveira Universidade Federal do Espirito Santo
  • Edson Theodoro dos Santos Neto Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Vigilância Sanitária Ambiental, controle da qualidade da água, monitoramento da água, fluoretação da água

Resumo

A elaboração, formulação, execução e avaliação da qualidade da água, com envolvimento ativo da população, é fundamental para melhorar o modelo vigente de vigilância. O objetivo deste estudo foi analisar as informações disponíveis sobre o heterocontrole e controle da fluoretação da água para abastecimento público em uma região metropolitana brasileira. Foi realizado levantamento de documentos de gestão, de trabalhos científicos que incluiu textos nas línguas portuguesa e inglesa publicados entre 1953 e 2015, e de informações nos sites das prefeituras e da empresa de abastecimento. Foram identificados: o ano do levantamento dos dados; número de municípios incluídos; tema principal; autores/instituições; método de pesquisa; análise de concentração do fluoreto e qual o nível encontrado. Para as informações encontradas nos sites identificou-se o ano, a fonte, característica e trecho principal. Cinco textos científicos foram identificados referentes ao tema nos municípios estudados, além de informações baseadas em relatórios de gestão, disponíveis do Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal. As informações presentes nos sites da empresa e prefeituras eram superficiais e não foram encontrados dados de controle/heterocontrole da fluoretação. A socialização das informações sobre o controle da água e, em particular, sobre a fluoretação, é importante para inserir essa temática no debate sobre saúde bucal e para garantir a realização dessa política no resgate de uma água tratada, de qualidade, sem intermitência e com flúor.

Palavras-chave: Vigilância sanitária ambiental. Controle da qualidade da água. Monitoramento da água. Fluoretação da água.

Biografia do Autor

Lorrayne Belotti, Universidade de São Paulo

Cirurgiã-dentista. Doutoranda em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. São Paulo, São Paulo, Brasil.

Carolina Dutra Degli Esposti, Universidade Federal do Espirito Santo

Cirurgiã-dentista. Doutora em Saúde Pública. Professora adjunta da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Izabela Marquezini Cabral, Universidade Federal do Espirito Santo

Cirurgiã-dentista. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Karina Tonini dos Santos Pacheco, Universidade Federal do Espirito Santo

Cirurgiã-dentista. Doutora em Odontologia Preventiva e Social. Professora adjunta da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Adauto Emmerich Oliveira, Universidade Federal do Espirito Santo

Cirurgião-dentista. Doutor em Odontologia. Professor adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Edson Theodoro dos Santos Neto, Universidade Federal do Espírito Santo

Cirurgião-dentista. Doutor em Epidemiologia. Professor adjunto da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brasil.

Referências

1. Beal JF, Lennon M. Water fluoridation: there is no evidence. Br Dent J. 2017;222(8):564.
2. McDonagh MS, Whiting PF, Wilson PM, Sutton AJ, Chestnutt I, Cooper J, et al. Systematic review of water fluoridation. BMJ. 2000;321(7265):855-9.
3. Whelton HP, Spencer AJ, Do LG, Rugg-Gunn AJ. Fluoride revolution and dental caries: evolution of policies for global use. J Dent Res. 2019;98(8):837-46.
4. Frazão P, Peres M, Cury JA. Qualidade da água para consumo humano e concentração de fluoreto. Rev Saúde Pública. 2011;45(5):964-73.
5. Frazão P. Narvai PC. Fluoretação da água em cidades brasileiras na primeira década do século XXI. Rev Saúde Pública. 2017;51(47):1-11.
6. Belotti L, Frazão P, Esposti CDD, Cury JA, Santos-Neto ET, Pacheco KS. Quality of the water fluoridation and municipal-level indicators in a Brazilian metropolitan region. Rev Ambient Água. 2018;13(6):e2270.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 2011 dez 14 [citado em 2020 jul 17]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2914_12_12_2011.html
8. Buzalaf MAR, Granjeiro JM, Damante CA, Ornelas F. Fluctuations in public water fluoride level in Bauru, Brazil. J Public Health Dent. 2002;62(3):173-6.
9. Moore D, Goodwin M, Pretty IA. Long-term variability in artificially and naturally fluoridated water supplies in England. Community Dent Oral Epidemiol. 2020;48(1):49-55.
10. Narvai PC. Cárie dentária e flúor: uma relação do século XX. Ciênc Saúde Colet. 2000;5(2):381-92.
11. Frazão P, Soares CCS, Fernandes GF, Marques RAA, Narvai PC. Fluoretação da água e insuficiências no sistema de informação da política de vigilância à saúde. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2013;67(2):94-100.
12. Belotti L, Brandão SR, Pacheco KT S, Frazão P, Esposti CDD. Surveillance of water quality for human consumption: potentials and limitations regarding fluoridation according to the workers. Saúde Debate. 2019;43(3):51-62.
13. Queiroz ACL, Cardoso LSM, Silva SCF, Heller L, Cairncross S. Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental Relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano (Vigiagua): lacunas entre a formulação do programa e sua implantação na instância municipal. Saúde Soc. 2012;21(2):465-78.
14. Centro Colaborador do Ministério da Saúde em Vigilância da Saúde Bucal. Sistema Vigiflúor [Internet]. São Paulo (SP): Ministério da Saúde; 2009 [citado em 2020 jul 17]. Disponível em: http://www.cecol.fsp.usp.br
15. Ferreira HCM, Gomes AMM, Silva KRCS, Rodrigues CRMD, Gomes AA. Avaliação do teor de flúor na água de abastecimento público do município de Vitória – ES. Rev Assoc Paul Cir Dent. 1999;53(6):455-9.
16. Emmerich A, Freire AS. Flúor e saúde coletiva. Vitória (ES): Edufes; 2003.
17. Jesus GA, Silva LM, Arrebola TM. Avaliação dos teores de fluoreto na água potável distribuída pela concessionária Cesan que abastece o município de Vitória – ES. Vértices. 2005;7(1):129-40.
18. Cesa K, Abegg C, Aerts D. A vigilância da fluoretação nas capitais. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(4):547-55.
19. Narvai PC, Frias AC, Fratucci MVB, Antunes JLF, Carnut L, Frazão P. Fluoretação da água em capitais brasileiras no início do século XXI: a efetividade em questão. Saúde Debate. 2014;38(102):562-71.
20. Silva JS, Val CM, Costa JN, Moura MS, Silva TAE, Sampaio FC. Heterocontrole da fluoretação das águas em três cidades no Piauí, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007;23(5):1083-8.
21. Maia LC, Valença AOMC, Soares EL, Cury JA. Controle operacional da fluoretação da água de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):61-7.
22. Freitas MF, Freitas CMA. Vigilância da qualidade da água para consumo humano – desafios e perspectivas para o consumo humano. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(4):993-1004.
23. Frazão P, Narvai PC, organizadores. Cobertura e vigilância da fluoretação da água no Brasil: municípios com mais de 50 mil habitantes. São Paulo (SP): Higeia Livros; 2017.
24. Brasil. Ministério da Saúde. Guia de recomendações para o uso de fluoretos no Brasil. Brasília, DF; 2009 [citado em 2020 jul 17]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_fluoretos.pdf
25. Seymour B, Getman R, Saraf A, Zhang LH, Kalenderian E. When advocacy obscures accuracy online: digital pandemics of public health misinformation through an antifluoride case study. Am J Public Health. 2015;105(3):517-23.
26. Leal COBS, Teixeira CF. Análise de situação dos recursos humanos da vigilância sanitária em Salvador – BA, Brasil. Interface. 2009;13(30):167-79.
27. Campos MA, Pacheco KTS, Belotti L, Kenupp BZ, Esposti CDD, Santos-Neto ET. Análise do gerenciamento do heterocontrole da fluoretação das águas de abastecimento público de um município de médio porte no estado do Espírito Santo. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;17(3):89-97.
28. Faria LS, Bertolozzi MR. A vigilância na atenção básica à saúde: perspectivas para o alcance da vigilância à saúde. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(3):789-95.
29. Correia MVC. Que controle social? Os conselhos de saúde como instrumento. 20a ed. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2003.
30. Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 1990 set 20 [citado em 2020 jul 17]. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm
31. Brasil. Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 2017 set 29 [citado em 2020 jul 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0005_03_10_2017.html
32. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.469, de 29 de dezembro de 2000. Aprova o padrão de potabilidade da água de consumo humano e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil [Internet], Brasília (DF); 2000 dez 29 [citado em 2020 jul 17]. Disponível em: http://www.agenciapcj.org.br/docs/portarias/portaria-ms-1469-00.pdf
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres