ANÁLISE DE INTERCORRÊNCIAS DA CAPACIDADE FUNCIONAL E FUNÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS, MANAUS (AM): UM ESTUDO DE CASO

  • Aldo Pacheco Ferreira Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
  • Karla Geovanna Moraes Crispim Faculdade Metropolitana de Manaus
Palavras-chave: Cognição, Atividades cotidianas, Idoso, Capacidade funcional, Saúde pública

Resumo

O envelhecimento fisiológico é linear e não obrigatoriamente igual em todos os sistemas do corpo humano, cada um inicia seu envelhecimento a um dado momento e perde a função em seu próprio ritmo. O objetivo deste estudo é analisar as intercorrências da capacidade funcional e função cognitiva de idosos. Trata-se de um estudo transversal de base populacional em Manaus (AM), Brasil, com 556 participantes, com sessenta anos ou mais. Os dados foram coletados por meio de inquérito domiciliar, com o auxílio de três instrumentos: o primeiro, questões referentes aos dados sociodemográficos; o segundo, o índice de Katz avaliando a independência em seis atividades; e o terceiro, o miniexame do estado mental (Meem), para avaliar a capacidade cognitiva. Os resultados apontaram uma prevalência de declínio cognitivo de 3,42% (n = 19). A média de pontuação no Meem foi de 19,3 pontos, e a média de idade dos idosos, de 66,5 anos. Com base na análise do índice de Katz, 88,67% (n = 493) foram classificados como independentes, segundo os critérios para AVD. Concluiu-se que há correlação entre função cognitiva e capacidade funcional na população estudada, de forma linear. Sendo assim, à medida que a capacidade cognitiva do indivíduo declina, concomitantemente também diminui sua capacidade funcional, com repercussões significativas na qualidade de vida.

Palavras-chave: Cognição. Atividades cotidianas. Idoso. Capacidade funcional. Saúde pública.

Biografia do Autor

Aldo Pacheco Ferreira, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca

Doutor em Engenharia Biomédica. Docente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Karla Geovanna Moraes Crispim, Faculdade Metropolitana de Manaus

Doutora em Saúde Pública. Docente do curso de Fonoaudiologia da Faculdade Metropolitana de Manaus. Manaus, Amazonas, Brasil.

Referências

1. Andrade LM, Sena ELS, Pinheiro GML, Meira EC, Lira LSSP. Políticas públicas para pessoas idosas no Brasil: uma revisão integrativa. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(12):3543-52.
2. Cervato AM, Derntl AM, Latorre MRDO, Marucci MFN. Educação nutricional para adultos e idosos: uma experiência positiva em universidade aberta para a terceira idade. Rev Nutr. 2005;18(1):41-52.
3. Teixeira AR, Freitas CLR, Millão LF, Gonçalves AK, Junior BB, Santos AMPV, et al. Relationship between hearing complaint and hearing loss among older people. Int Arch Otorhinolaryngol. 2009;13(1):78-82.
4. Carvalho JAM, Rodriguez-Wong LL. A transição da estrutura etária da população brasileira na primeira metade do século XXI. Cad Saúde Pública. 2008;24(3):597-605.
5. Cesar JA, Oliveira-Filho JA, Bess G, Cegielka R, Machado J, Gonçalves TS, Neumann NA. Perfil dos idosos residentes em dois municípios pobres das regiões Norte e Nordeste do Brasil: resultados de estudo transversal de base populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24(8):1835-45.
6. Borges LL, Albuquerque CR, Garcia PA. O impacto do declínio cognitivo, da capacidade funcional e da mobilidade de idosos com doença de Alzheimer na sobrecarga dos cuidadores. Fisioter Pesqui. 2009;16(3):246-51.
7. Bento JA, Lebrão ML. Suficiência de renda percebida por pessoas idosas no município de São Paulo/Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(8):2229-38.
8. Alexandre TS, Cordeiro RC, Ramos LR. Factors associated to quality of life in active elderly. Rev Saúde Pública. 2009;43(4):613-21.
9. Eliopoulos C. Enfermagem gerontológica. 7a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011.
10. Dawalibi NW, Goulart RMM, Prearo LC. Fatores relacionados à qualidade de vida de idosos em programas para a terceira idade. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(8):3505-12.
11. Wind H, Gouttebarge V, Kuijer PP, Sluiter JK, Frings-Dresen MH. The utility of functional capacity evaluation: the opinion of physicians and other experts in the field of return to work and disability claims. Int Arch Occup Environ Health. 2006;79(6):528-34.
12. Ferreira-Santana R, Batista-Rosa T, Gonçalves-Aquino R, Alexandrino SA, Alves-Santos GL, Araújo-Lobato H. Maintenance of functional capacity in cognitive stimulation subgroups. Invest Educ Enferm. 2016;34(3):492-501.
13. Costa AJL. Metodologias e indicadores para avaliação da capacidade funcional: análise preliminar do Suplemento Saúde da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD, Brasil, 2003. Ciênc Saúde Colet. 2006;11(4):927-40.
14. Camara F, Gerez A, Miranda ML, Velardi M. Capacidade funcional do idoso: formas de avaliação e tendências. Acta Fisiátrica. 2008;15(4):249-56.
15. Pedrosa R, Holanda G. Correlação entre os testes da caminhada, marcha estacionária e TUG em hipertensas idosas. Rev Bras Fisioter. 2009;13(3):252-6.
16. Shumway-Cook A, Brauer S, Woollacott M. Predicting the probability for falls in community-dwelling older adult using the timed up & go test. Phys Ther. 2000;80(9):896-903.
17. Castro KCM, Guerra RO. Impact of cognitive performance on the functional capacity of an elderly population in Natal, Brazil. Arq Neuro-Psiquiatr. 2008;66(4):809-13.
18. Talmelli LFS, Gratão ACM, Kusumota L, Rodrigues RAP. Nível de independência funcional e déficit cognitivo em idosos com doença de Alzheimer. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(4):933-9.
19. Castro SD, Silva DJ, Nascimento ESR, Christofoletti G, Cavalcante JES, Lacerda MCC, Tancredi AV. Alteração de equilíbrio na doença de Alzheimer: um estudo transversal. Rev Neurociênc. 2011;19(3):441-8.
20. Christofoletti G, Oliani MM, Gobbi LTB, Gobbi S, Stella F. Risco de quedas em idosos com doença de Parkinson e demência de Alzheimer: um estudo transversal. Rev Bras Fisioter. 2006;10(4):429-33.
21. Nordin E, Rosendahl E, Lundin-Olsson L. Timed “up & go” test: reliability in older people dependent in activities of daily living-focus on cognitive state. Phys Ther. 2006;86(5):646-55.
22. Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O miniexame do estado mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuro-Psiquiatr. 1994;52(1):1-7.
23. Almeida OP. Miniexame do estado mental e o diagnóstico de demência no Brasil. Arq Neuro-Psiquiatr. 1998;56(3b):605-12.
24. Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(4):189-201.
25. Crispim KGM, Ferreira AP, Silva TL, Ribeiro EE. Characterization of self-reported communication disorders in elderly women living in Manaus, state of Amazonas, Brazil. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(3):485-95.
26. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades IBGE: Manaus [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2018 [citado em 2019 set 26]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/manaus
27. Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Estado do Amazonas. Administração indireta [Internet]. Manaus (AM); 2017 [citado em 2019 ago 8]. Disponível em: http://www.amazonas.am.gov.br/entidade/agencia-reguladora-dos-servicos-publicos-concedidos-do-estado-do-amazonas-arsam/
28. Pessoa DGC, Silva PLN. Análise de dados amostrais complexos [Internet]. São Paulo; 2018 [citado em 2020 ago 31]. Disponível em: https://djalmapessoa.github.io/adac/
29. Bolfarine H, Bussab WO. Elementos de amostragem. São Paulo (SP): Edgar Blucher; 2005.
30. Szwarcwald CL, Damacena GN. Amostras complexas em inquéritos populacionais: planejamento e implicações na análise estatística dos dados. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(supl. 1):38-45.
31. Kish L. Survey sampling. New York: John Wiley & Sons; 1965.
32. Silva NN. Amostragem probabilística: um curso introdutório. São Paulo (SP): Edusp; 2001.
33. Katz S, Chinn AB. Multidisciplinary studies of illness in aged persons. II. A new classification of functional status in activities of daily living. J Chronic Dis. 1959;9(1):55-62.
34. Katz S, Ford AB, Moskowitz RW, Jackson BA, Jaffe MW. Studies of illness in the aged: the index of ADL: a standardized measure of biological and psychosocial function. JAMA. 1963;185:914-9.
35. Katz S, Downs TD, Cash HR, Grotz RC. Progress in Development of the Index of ADL. The Geront. 1970;10(1):20-30.
36. Katz S, Akpom AC. A measure of primary sociobiological functions. Int J Health Serv. 1976;6(3):493-508.
37. Katz S. Assessing self-maintenance: activities of daily living, mobility, and instrumental activities of daily living. J Am Geriatr Soc. 1983;31(12):721-7.
38. Lourenço RA, Veras RP. Miniexame do estado mental: características psicométricas em idosos ambulatoriais. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):712-9.
39. Diniz BSO, Volpe FM, Tavares AR. Nível educacional e idade no desempenho no Miniexame do Estado Mental em idosos residentes na comunidade. Rev Psiquiatr Clín. 2007;34(1):13-7.
40. Brucki SMD, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PHF, Okamoto IH. Sugestões para o uso do miniexame do estado mental no Brasil. Arq Neuro-Psiquiatr. 2003;61(3b):777-81.
41. Pérez-Díaz LAG, Calero MD, Navarro-González E. Prediction of cognitive impairment in the elderly by analysing their performance in verbal fluency and in sustained attention. Rev Neurol. 2013;56(1):1-7.
42. Chin AL, Negash S, Xie S, Arnold SE, Hamilton R. Quality, and not just quantity, of education accounts for differences in psychometric performance between African Americans and white non-Hispanics with Alzheimer’s disease. J Int Neuropsychol Soc. 2012;18(2):277-85.
43. Melo DM, Barbosa AJG. O uso do miniexame do estado mental em pesquisas com idosos no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(12):3865-76.
44. Coelho FGM, Vital TM, Novais IP, Costa GA, Stella F, Santos-Galduroz RF. Desempenho cognitivo em diferentes níveis de escolaridade de adultos e idosos ativos. Rev Bras Geriat Gerontol. 2012;15(1):7-15.
45. Converso MER, Iartelli I. Caracterização e análise do estado mental e funcional de idosos institucionalizados em instituições públicas de longa permanência. J Bras Psiquiatr. 2007;56(4):267-72.
46. Valle EA, Castro-Costa E, Firmo JOA, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo de base populacional dos fatores associados ao desempenho no miniexame do estado mental entre idosos: Projeto Bambuí. Cad Saúde Pública. 2009;25(4):918-26.
47. Lenardt MH, Michel T, Wachholz PA, Borghi AS, Seima MD. O desempenho de idosas institucionalizadas no miniexame do estado mental. Acta Paul Enferm. 2009;22(5):638-44.
48. Karsch UM. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. Cad Saúde Pública. 2003;19(3):861-6.
49. Ikegami ÉM, Souza LA, Tavares DMS, Rodrigues LR. Capacidade funcional e desempenho físico de idosos comunitários: um estudo longitudinal. Ciênc Saúde Colet. 2020;25(3):1083-90.
50. Azevedo L, Oliveira KMV, Nunes VMA, Alchieri JC. Perdas da capacidade funcional em idosos institucionalizados no município de Natal/RN. Rev Pesqui. 2014;6(2):485-92.
51. Freitas RS, Fernandes MH, Coqueiro RS, Reis WM Jr, Rocha SV, Brito TA. Capacidade funcional e fatores associados em idosos: estudo populacional. Acta Paul Enferm. 2012;25(6):933-9.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres