SERIOUS GAME NA PROMOÇÃO DA SAÚDE PARA ESCOLARES: UMA PESQUISA-AÇÃO DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR

  • Iramara Lima Ribeiro Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Mário Sérgio Gomes Filgueira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Irislândia Lima Ribeiro Hospital Giselda Trigueiro
  • José Guilherme da Silva Santa Rosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Iris do Céu Clara Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Promoção da saúde, Educação alimentar e nutricional, Criança, Jogo

Resumo

Avaliar a percepção de alimentação saudável por escolares entre 7 e 10 anos de idade a partir de um serious game de promoção da saúde. Desenvolveu-se uma pesquisa-ação de abordagem qualitativa, tendo como referencial a percepção de Merleau-Ponty, mediante grupos focais com 31 escolares e com 7 profissionais da área da educação a respeito da compreensão sobre a alimentação das crianças e interesses para com o jogo. Houve ainda entrevistas individuais com outros 37 escolares pós-teste do jogo. Os materiais resultantes foram analisados a partir do software Alceste e sob a luz da fenomenologia da percepção de Merleau-Ponty. Identificou-se boa aceitação da merenda escolar, com rejeição de algumas preparações, em concomitância com o consumo de alimentos industrializados. Na construção do jogo, foi sugerido um sistema de recompensas pelas escolhas saudáveis. A percepção das crianças sobre alimentação saudável esteve relacionada ao consumo de alimentos in natura, sobretudo frutas, estabelecendo um elo entre o jogo e suas vivências pessoais. A compreensão sobre alimentação a partir do jogo revelou-se propulsora de dotar as crianças de saberes para que façam as suas escolhas alimentares.

Palavras-chave: Promoção da saúde. Educação alimentar e nutricional. Criança. Jogo.

Biografia do Autor

Iramara Lima Ribeiro, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Nutricionista-sanitarista. Doutora em Saúde Coletiva. Sanitarista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Mário Sérgio Gomes Filgueira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Nutricionista-sanitarista. Doutora em Saúde Coletiva. Sanitarista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Irislândia Lima Ribeiro, Hospital Giselda Trigueiro

Assistente social. Especialista em Saúde Coletiva. Assistente social do Hospital Giselda Trigueiro. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

José Guilherme da Silva Santa Rosa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Analista de sistemas. Doutor em Educação em Ciências da Saúde. Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Iris do Céu Clara Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Odontóloga. Doutora em Odontologia Preventiva e Social. Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

1. Caballero B, Vorkoper S, Anand N, Rivera JA. Preventing childhood obesity in Latin America: an agenda for regional research and strategic partnerships. Obes Rev. 2017;18(supl. 2):3-6.
2. Longo-Silva G, Silveira JAC, Menezes RCE, Toloni MHA. Idade de introdução de alimentos ultraprocessados entre pré-escolares frequentadores de centros de educação infantil. J Pediatr. 2017;93(5):508-16.
3. Santos DRL, Lira PIC, Silva GAP. Excess weight in preschool children: the role of food intake. Rev Nutr. 2017;30(1):45-56.
4. World Health Organization. Population-based approaches to childhood obesity prevention. Geneva; 2012.
5. Einloft ABN, Cotta RMM, Araújo RMA. Promoção da alimentação saudável na infância: fragilidades no contexto da Atenção Básica. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(1):61-72.
6. Alves GG, Aerts D. As práticas educativas em saúde e a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(1):319-25.
7. DeSmet A, Thompson D, Baranowski T, Palmeira A, Verloigne M, Bourdeaudhuij I. Is participatory design associated with the effectiveness of serious digital games for healthy lifestyle promotion? A meta-analysis. J Med Internet Res. 2016;18(4):e94.
8. Machado VM, Carvalho DS. Elaboração de uma sequência didática sobre hábitos alimentares e nutricionais saudáveis como contribuição para as aulas de ciências no ensino fundamental. Interfaces Educ. 2015;6(17):188-205.
9. Santos JC, Queiroz, Melo MFA. Pesquisando metodologias de (re)construção de aprendizagens a partir da interação com o computador. Rev Psicopedag. 2011;28(85):29-40.
10. Dias JD, Tibes CMS, Fonseca LMM, Zem-Mascarenhas SH. Uso de serious games para enfrentamento da obesidade infantil: revisão integrativa da literatura. Texto Contexto Enferm. 2017;26(1):e3010015.
11. Esteban MPS. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e traduções. Porto Alegre (RS): McGraw-Hill; 2010.
12. Merleau-Ponty M. Fenomenologia da percepção. 4a ed. São Paulo (SP): WMF Martins Fontes; 2011.
13. Lima LC. Programa Alceste, primeira lição: a perspectiva pragmatista e o método estatístico. Rev Educ Pública. 2008;17(33):83-97.
14. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: versão para consulta pública. Brasília (DF); 2014.
15. Pedraza DF, Melo NLS, Silva FA, Araujo EMN. Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar: revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2018;23(5):1551-60.
16. Freitas MCS, Minayo MCS, Ramos LB, Fontes GV, Santos LA, Souza EC, et al. Escola: lugar de estudar e de comer. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(4):979-85.
17. Gerritsen S, Harré S, Swinburn B, Rees D, Renker-Darby A, Bartos AE, et al. Systemic barriers and equitable interventions to improve vegetable and fruit intake in children: interviews with national food system. Int J Environ Res Public Health. 2019;16(8):1387.
18. Ribeiro GM, Santos FL, Pereira ESS, Lima MVS, Sobrinho OPL. Experiência do projeto horta didática nas escolas de Mossoró-RN como proposta de educação ambiental, alimentar e nutricional. Rev Extendere. 2015;3(1):90-101.
19. Chaffee BW. Early life factors among the many influences of child fruit and vegetable consumption. J Pediatr. 2014;90:437-9.
20. Carvalho CA, Fonsêca PCA, Nobre LN, Priore SE, Franceschini SCC. Metodologias de identificação de padrões alimentares a posteriori em crianças brasileiras: revisão sistemática. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(1):143-54.
21. Jorge K, Spinelli MGN, Cymrot R, Matias ACG. Avaliação do consumo de arroz e feijão em uma unidade de ensino no município de São Paulo. Rev Univap. 2014;20(36):35-46.
22. Albuquerque OMR, Martins AM, Modena CM, Campos HM. Percepção de estudantes de escolas públicas sobre o ambiente e a alimentação disponível na escola: uma abordagem emancipatória. Saúde Soc. 2014;23(2):604-15.
23. Righi MMT, Forgiarini AMC, Saldanha TMQ, Folmer V, Soares AA. Concepções de estudantes do ensino fundamental sobre alimentação e digestão. Rev Ciênc Ideias. 2012;4(1):1-17.
24. Parra Navarro LM. Jogo digital educacional para apoio no processo de ensino-aprendizagem nas escolhas alimentares de pré-escolares e escolares [dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.
25. Pinheiro CCBV, Carvalho JM, Carvalho FLQ. Tecnologias em educação e saúde: papel na promoção de saúde bucal. II Seminário de Tecnologias Aplicadas a Educação em Saúde; 2015 out 29-30; Salvador (BA). Salvador (BA): Uneb; 2015.
26. Maranhão DG, Sarti CA. Shared care: negotiations between families and professionals in a child day care center. Interface Comun Saúde Educ. 2007;11(22):257-70.
27. Moreira PL, Dupas G. Significado de saúde e de doença na percepção da criança. Rev Latinoam Enferm. 2003;11(6):757-62.
28. Ramos M, Stein LM. Desenvolvimento do comportamento alimentar infantil. J Pediatr. 2000;76(supl. 3):s229-37.
29. Mattar J. Mundos virtuais, games e simulações em educação: alternativas ao design instrucional. In: Oliveira MOM, Pesce L, organizadores. Educação e cultura midiática. Salvador (BA): Eduneb; 2012. p. 69-96.
30. Carvalho LFBS. Explorando os mitos nacionais: contribuição ao aprendizado pelo estímulo à motivação a partir dos serious games [tese]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2016.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres