PRÁTICAS CORPORAIS E EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO DE ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA

  • Lorena de Oliveira Almeida Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Laíza de Santana Muniz Universidade Federal da Bahia
  • Sara Roza Gomes Hospital Geral Roberto Santos
  • Milena Maria Cordeiro de Almeida Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Atenção primária à saúde, Educação em saúde, Estratégia Saúde da Família

Resumo

A formação dos profissionais de saúde para a atuação na atenção básica (AB) exige a superação do modelo curativista centrado na doença, ainda hegemônico na universidade e nos serviços de saúde. O objetivo deste relato é descrever a experiência de estudantes de fisioterapia na interface com a AB. Trata-se de relato de experiência de discentes da graduação de fisioterapia da Universidade Federal da Bahia, no componente Fisioterapia em Comunidades, que propõe a realização de atividades de integração entre universidade, Unidade de Saúde da Família e território coberto por esta. O componente acontece no formato de encontros semanais para debates teóricos e vivência prática na AB, em colaboração com equipes de saúde. Foram realizadas atividades de práticas corporais semanais, com grupo de mulheres do território, e intervenções de educação em saúde no formato de salas de espera, com o propósito de promover saúde, cuidados com o corpo e integração social. Também foi realizado um evento de saúde no território, com foco nas práticas corporais e prevenção de distúrbios musculoesqueléticos. As atividades realizadas trouxeram experiências novas e aproximaram os estudantes da AB, permitindo a interação com as reais necessidades e problemas de saúde da população. A experiência proporcionou uma reflexão sobre a importância das habilidades de acolhimento e escuta dos usuários do Sistema Único de Saúde e das competências do trabalho em equipe, o que representou uma oportunidade de formação em saúde voltada para a promoção da saúde e atenção integral na AB.

Palavras-chave: Atenção primária à saúde. Educação em saúde. Estratégia Saúde da Família.

Biografia do Autor

Lorena de Oliveira Almeida, Universidade do Estado de Santa Catarina

Fisioterapeuta. Mestranda em Fisioterapia na Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Bolsista do Programa de Bolsas de Monitoria de Pós-Graduação/Udesc. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Laíza de Santana Muniz, Universidade Federal da Bahia

Fisioterapeuta. Salvador, Bahia, Brasil.

Sara Roza Gomes, Hospital Geral Roberto Santos

Fisioterapeuta. Residente em Neurologia do Hospital Geral Roberto Santos. Salvador, Bahia, Brasil.

Milena Maria Cordeiro de Almeida, Universidade Federal da Bahia

Fisioterapeuta. Doutora em Saúde Coletiva. Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal da
Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Giovanella L, Mendonça MMHM. Atenção primária à saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2014. p. 493-545.
2. Ragasson CAP, Almeida DCS, Comparin K, Mischiati MF, Gomes JT. Atribuições do fisioterapeuta no programa de saúde da família: reflexões a partir da prática profissional. Rev Olho Mágico. 2006;13(2):1-8.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2017.
4. Carvalho FFB, Nogueira JAD. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(6):1829-38.
5. Moretti AC, Almeida V, Westphal MF, Bógus CM. Práticas corporais/atividade física e políticas públicas de promoção da saúde. Saúde Soc. 2009;18(2):346-54.
6. Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Colet. 2000;5(1):163-77.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasília (DF); 2008.
8. Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do fisioterapeuta na Atenção Básica: uma analogia entre experiências acadêmicas e a proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Rev Bras Ciênc Saúde. 2012;16(2):113-22.
9. Chiesa AM, Nascimento DDG, Braccialli LAD, Oliveira MAC, Ciampone MHT. A formação de profissionais da saúde: aprendizagem significativa à luz da promoção da saúde. Cogitare Enferm. 2007;12(2):236-40
10. Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Brasília (DF); 2002.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Nota Técnica n. 3/2020-DESF/SAPS/MS. Brasília (DF); 2020.
12. Resende-Neto AG. Effects of functional training on body composition, physical fitness, cognitive status and cardiovascular health in the older people. Int J Geriatr Gerontol. 2019;3:117.
13. Leone C, Feys P, Moumdjian L, D’Amico E, Zappia M, Patti F, et al. Cognitive-motor dual-task interference: a systematic review of neural correlates. Neurosci Biobehav Rev. 2017;75:348-60.
14. Wongcharoen S, Sungkarat S, Munkhetvit P, Lugade V, Silsupadol P. Home-based interventions improve trained, but not novel, dual-task balance performance in older adults: a randomized controlled trial. Gait Posture. 2017;52:147-52.
15. Brustio PR, Rabaglietti E, Formica S, Liubicich ME. Dual-task training in older adults: the effect of additional motor tasks on mobility performance. Arch Gerontol Getiatr. 2018;75:119-24.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 39. Brasília (DF); 2014.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3a ed. Brasília (DF); 2010.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF, Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Brasília (DF); 2009.
19. Becker APS, Rocha NL. Ações de promoção à saúde em sala de espera: contribuições da psicologia. Gerais. 2019;12(1):37-50.
20. Gil MD, Cacciari P, Cazañas EF, Maia MRG. Contribuições de atividades educativas realizadas na sala de espera para o acadêmico de enfermagem. Rev Enferm Centro-Oeste Mineiro. 2018;8:e2103.
21. Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formação profissional no SUS: o papel da atenção básica em saúde na perspectiva docente. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):207-15.
22. Pullen PR, Nagamia SH, Mehta PK, Thompson WR, Benardot D, Hammoud R, et al. Effects of yoga on inflammation and exercise capacity in patients with chronic heart failure. J Card Fail. 2008;14(5):407-13.
23. Van Dixhoom J. Cardiorespiratory effects of breathing and relaxation in myocardial infarction patients. Biol Psychol. 1998;49(1-2);123-35.
24. Pilkington K, Kirkwood G, Rampes H, Richardson J. Yoga for depression: the research evidence. J Affect Disord. 2005;89(1-3):13-24.
25. Gomes-Neto M, Rodrigues-Jr ES, Silva-Jr WM, Carvalho VO. Prática de yoga em pacientes com insuficiência cardíaca crônica: uma meta-análise. Arq Bras Cardiol. 2014;103(5):433-9.
26. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 145, de 11 de janeiro de 2017. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2017 jan 13. Seção 1, p. 32.
27. DiStasio AS. Integrating yoga into cancer care. Clin J Oncol Nurs. 2008;12(1):125-30.
28. Aquini SN. O yoga e o idoso: “rumo ao alto da montanha”: os efeitos da prática do yoga de acordo com a percepção dos idosos [dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2010.
Publicado
2020-08-12
Seção
Relato de experiências