PRÁTICAS CORPORAIS E EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO DE ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA

  • Lorena de Oliveira Almeida Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Laíza de Santana Muniz Universidade Federal da Bahia
  • Sara Roza Gomes Hospital Geral Roberto Santos
  • Milena Maria Cordeiro de Almeida Universidade Federal da Bahia

Resumo

A formação dos profissionais de saúde para a atuação na atenção básica (AB) exige a superação do modelo curativista centrado na doença, ainda hegemônico na universidade e nos serviços de saúde. O objetivo deste relato é descrever a experiência de estudantes de fisioterapia na interface com a AB. Trata-se de relato de experiência de discentes da graduação de fisioterapia da Universidade Federal da Bahia, no componente Fisioterapia em Comunidades, que propõe a realização de atividades de integração entre universidade, Unidade de Saúde da Família e território coberto por esta. O componente acontece no formato de encontros semanais para debates teóricos e vivência prática na AB, em colaboração com equipes de saúde. Foram realizadas atividades de práticas corporais semanais, com grupo de mulheres do território, e intervenções de educação em saúde no formato de salas de espera, com o propósito de promover saúde, cuidados com o corpo e integração social. Também foi realizado um evento de saúde no território, com foco nas práticas corporais e prevenção de distúrbios musculoesqueléticos. As atividades realizadas trouxeram experiências novas e aproximaram os estudantes da AB, permitindo a interação com as reais necessidades e problemas de saúde da população. A experiência proporcionou uma reflexão sobre a importância das habilidades de acolhimento e escuta dos usuários do Sistema Único de Saúde e das competências do trabalho em equipe, o que representou uma oportunidade de formação em saúde voltada para a promoção da saúde e atenção integral na AB.


Palavras-chave: Atenção primária à saúde. Educação em saúde. Estratégia Saúde da Família.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Mestranda em Fisioterapia na Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Bolsista do Programa de Bolsas de Monitoria de Pós-Graduação/Udesc. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Residente em Neurologia do Hospital Geral Roberto Santos. Salvador, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Fisioterapeuta. Doutora em Saúde Coletiva. Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal da
Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Giovanella L, Mendonça MMHM. Atenção primária à saúde. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI, organizadores. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2014. p. 493-545.
2. Ragasson CAP, Almeida DCS, Comparin K, Mischiati MF, Gomes JT. Atribuições do fisioterapeuta no programa de saúde da família: reflexões a partir da prática profissional. Rev Olho Mágico. 2006;13(2):1-8.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2017.
4. Carvalho FFB, Nogueira JAD. Práticas corporais e atividades físicas na perspectiva da Promoção da Saúde na Atenção Básica. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(6):1829-38.
5. Moretti AC, Almeida V, Westphal MF, Bógus CM. Práticas corporais/atividade física e políticas públicas de promoção da saúde. Saúde Soc. 2009;18(2):346-54.
6. Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Colet. 2000;5(1):163-77.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasília (DF); 2008.
8. Formiga NFB, Ribeiro KSQS. Inserção do fisioterapeuta na Atenção Básica: uma analogia entre experiências acadêmicas e a proposta dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF). Rev Bras Ciênc Saúde. 2012;16(2):113-22.
9. Chiesa AM, Nascimento DDG, Braccialli LAD, Oliveira MAC, Ciampone MHT. A formação de profissionais da saúde: aprendizagem significativa à luz da promoção da saúde. Cogitare Enferm. 2007;12(2):236-40
10. Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Brasília (DF); 2002.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Nota Técnica n. 3/2020-DESF/SAPS/MS. Brasília (DF); 2020.
12. Resende-Neto AG. Effects of functional training on body composition, physical fitness, cognitive status and cardiovascular health in the older people. Int J Geriatr Gerontol. 2019;3:117.
13. Leone C, Feys P, Moumdjian L, D’Amico E, Zappia M, Patti F, et al. Cognitive-motor dual-task interference: a systematic review of neural correlates. Neurosci Biobehav Rev. 2017;75:348-60.
14. Wongcharoen S, Sungkarat S, Munkhetvit P, Lugade V, Silsupadol P. Home-based interventions improve trained, but not novel, dual-task balance performance in older adults: a randomized controlled trial. Gait Posture. 2017;52:147-52.
15. Brustio PR, Rabaglietti E, Formica S, Liubicich ME. Dual-task training in older adults: the effect of additional motor tasks on mobility performance. Arch Gerontol Getiatr. 2018;75:119-24.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 39. Brasília (DF); 2014.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3a ed. Brasília (DF); 2010.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes do NASF, Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Brasília (DF); 2009.
19. Becker APS, Rocha NL. Ações de promoção à saúde em sala de espera: contribuições da psicologia. Gerais. 2019;12(1):37-50.
20. Gil MD, Cacciari P, Cazañas EF, Maia MRG. Contribuições de atividades educativas realizadas na sala de espera para o acadêmico de enfermagem. Rev Enferm Centro-Oeste Mineiro. 2018;8:e2103.
21. Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formação profissional no SUS: o papel da atenção básica em saúde na perspectiva docente. Rev Bras Educ Med. 2010;34(2):207-15.
22. Pullen PR, Nagamia SH, Mehta PK, Thompson WR, Benardot D, Hammoud R, et al. Effects of yoga on inflammation and exercise capacity in patients with chronic heart failure. J Card Fail. 2008;14(5):407-13.
23. Van Dixhoom J. Cardiorespiratory effects of breathing and relaxation in myocardial infarction patients. Biol Psychol. 1998;49(1-2);123-35.
24. Pilkington K, Kirkwood G, Rampes H, Richardson J. Yoga for depression: the research evidence. J Affect Disord. 2005;89(1-3):13-24.
25. Gomes-Neto M, Rodrigues-Jr ES, Silva-Jr WM, Carvalho VO. Prática de yoga em pacientes com insuficiência cardíaca crônica: uma meta-análise. Arq Bras Cardiol. 2014;103(5):433-9.
26. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 145, de 11 de janeiro de 2017. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2017 jan 13. Seção 1, p. 32.
27. DiStasio AS. Integrating yoga into cancer care. Clin J Oncol Nurs. 2008;12(1):125-30.
28. Aquini SN. O yoga e o idoso: “rumo ao alto da montanha”: os efeitos da prática do yoga de acordo com a percepção dos idosos [dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2010.
Publicado
2020-08-12
Como Citar
ALMEIDA, Lorena de Oliveira et al. PRÁTICAS CORPORAIS E EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO DE ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA NA ATENÇÃO BÁSICA. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 4, p. 741-752, ago. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/3032>. Acesso em: 18 set. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a3032.
Seção
Relato de experiências