QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E PARASITOLÓGICA DE MÃOS E CONDIÇÕES DE SAÚDE E HIGIENE EM HORTICULTORES

  • Juciene de Jesus Barreto da Silva Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Felipe Silva de Miranda Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Juliana Mercês de Oliveira e Oliveira Universidade Estadual de Santa Cruz
  • Ana Lúcia Moreno Amor Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
  • Isabella de Matos Mendes da Silva Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Resumo

A produção é uma das principais etapas envolvidas na contaminação das hortaliças. Entre os fatores que contribuem para a contaminação está a falta de higiene e más condições de saúde dos produtores. Assim, o objetivo deste estudo foi investigar a ocorrência de bactérias e parasitos em mãos e as condições de saúde e higiene de horticultores em comunidades rurais do município de Santo Antônio de Jesus, Bahia. O período de coleta foi de agosto a outubro de 2015. Utilizou-se um questionário com dados pessoais e dados socioeconômicos e coleta de material fecal e subungueal. Realizaram-se análises parasitológicas do material fecal e subungueal e análises bacteriológicas do material subungueal. A análise estatística foi baseada no teste qui-quadrado de Pearson. O nível de significância adotado foi de 5% (p < 0,05). Foram entrevistados 21 horticultores, dos quais 62% eram do sexo masculino e 38% do sexo feminino. A faixa etária prevalente variou de 20 a maior que 50 anos (86%). Constatou-se que 17 (77%) dos horticultores estavam parasitados por helmintos ou protozoários. Em relação aos resultados bacteriológicos, apenas um horticultor (4,7%) apresentou valores de 2 log UFC/mão para coliformes totais e 18 (85,8%) para S. aureus. É de extrema importância que os horticultores tenham bons hábitos higiênicos, a fim de garantir a qualidade dos alimentos e proporcionar segurança alimentar aos consumidores. Sugere-se a implementação de programas de formação em higiene pessoal e manipulação segura para os horticultores e acompanhamento anual dos índices parasitários pelos órgãos oficiais contribuindo para o aprimoramento da educação sanitária destes profissionais.


ABSTRACT


Production is one of the main steps involved in the contamination of vegetables. Among the factors that contribute to the contamination is the lack of hygiene and bad health conditions of the producers. Thus, the objective of this study was to investigate the occurrence of bacteria and parasites in hands and the health and hygiene conditions of horticulturists in rural communities of the municipality of Santo Antônio de Jesus, Bahia. The collection period was from August to October 2015. A questionnaire was used with personal data and socioeconomic data and collection of fecal and subungual material. Parasitological analyzes of the fecal and subungual material and bacteriological analyzes of the subungueal material were carried out. Statistical analysis was based on Pearson's chi-square test. The level of significance was set at 5% (p <0.05). Twenty-one horticulturists were interviewed, of whom 62% were male and 38% female. The prevalent age range ranged from 20 to greater than 50 years (86%). It was found that 17 (77%) of horticulturists were parasitized by helminths or protozoa. Regarding the bacteriological results, only one horticulturist (4.7%) presented values of 2.0 log CFU / hand for total coliforms and 18 (85.8%) for S. aureus. It is of the utmost importance that horticulturists have good hygienic habits, in order to ensure the quality of food and provide food safety to consumers. It is suggested the implementation of training programs in personal hygiene and safe handling for horticulturists and annual monitoring of parasite indices by official bodies contributing to the improvement of health education of these professionals.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Nutricionista. Mestre em Microbiologia Agrícola. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Enfermeiro. Mestre em Microbiologia Agrícola. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Biologia e Biotecnologia de Microrganismos na Universidade Estadual de Santa Cruz. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Nutricionista. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Bióloga. Doutora em Biotecnologia em Saúde. Docente de Graduação e Pós-Graduação em Ciências Básicas da Saúde do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

##submission.authorWithAffiliation##

Médica Veterinária. Doutora em Ciência Veterinária. Pós-doutorado em curso no Departamento de Biotecnologia e Biologia do Instituto Politécnico de Bragança (Portugal). Professora do Mestrado em Microbiologia Agrícola no Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Santo Antônio de Jesus, Bahia, Brasil.

Referências

1. Hill DE, Dubey JP. Toxoplasma gondii as a parasite in food: analysis and control. Microbiol Spectr. 2016;4(4):1-17.
2. Jesus JS, Menezes RAO, Andrade RF, Gomes MSM, Barbosa FHF, Faustino SMM. Prevalência de enteroparasitoses em agricultores da feira do produtor rural do bairro do Buritizal, Macapá, Amapá, Brasil. Rev Biol Ciênc Terra. 2013;13(2):74-8.
3. Ponath FS, Valiatti TB, Sobral FOS, Romão NF, Alves GMC, Passoni GP. Avaliação da higienização das mãos de manipuladores de alimentos do Município de Ji-Paraná, estado de Rondônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. 2016;7(1):63-9.
4. Simões J, Aleixo DL. Prevalência de enteroparasitoses em manipuladores de alimentos de escolas municipais de Campo Mourão – Paraná. Rev Saúde Biol. 2014;9(1):75-85.
5. Fernandes NS, Guimarães HR, Amorim ACS, Reis MB. Avaliação parasitológica de hortaliças: da horta ao consumidor final. Rev Saúde Pesqui. 2015;8(2):255-65.
6. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 2012.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Protocolos do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional: SISVAN. Brasília (DF); 2008.
8. Silva N, Junqueira VCA, Silveira NFA, Taniwaki MH, Gomes, RAR, Okazaki MM. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 3a ed. São Paulo (SP): Varela; 2007.
9. Hoffman WA, Pons JA, Janer JL. The sedimentation concentration method in Schistosomiasis mansoni. PR J Public Health Trop Med. 1934;9:281-9.
10. Neves DP, Melo AL, Linardi PM, Vitor RWA. Parasitologia humana. 11a ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2005.
11. Cabral-Miranda G, Dattoli VCC, Dias-Lima A. Enteroparasitos e condições socioeconômicas e sanitárias em uma comunidade quilombola do semiárido baiano. Rev Patol Trop. 2010;39(1):48-55.
12. Vieira DEA, Benetton MLFN. Fatores ambientais e sócioeconômicos associados à ocorrência de enteroparasitoses em usuários atendidos na rede pública de saúde em Manaus, AM, Brasil. Biosci J. 2013;29(2):487-98.
13. Amorim MM, Tomazi L, Silva RAA, Gestinari RS, Figueiredo TB. Avaliação das condições habitacionais e de saúde da comunidade quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Biosci J. 2013;29(4):1049-57.
14. Araujo FV, Vieira L, Jayme MMA, Nunes MC, Cortês M. Avaliação da qualidade da água utilizada para irrigação na bacia do Córrego Sujo, Teresópolis, RJ. Cad Saúde Colet. 2015;23(4):380-5.
15. Menezes JPC, Bertossi APA. Percepção do uso e contaminação da água na zona rural: um estudo de caso no sul do estado do Espírito Santo, Brasil. Eng Ambient. 2011;8(4):282-90.
16. Alves CR, Assis OBG. Alteração da superfície de velas cerâmicas porosas comerciais, por processo sol-gel, visando o aumento da organofilicidade. Cerâmica. 2013;59(350):225-30.
17. Sobrinho LIC, Coelho FAS, Coelho MDG. Eficácia de velas filtrantes na retenção de cistos de Giardia duodenalis em água experimentalmente contaminada. Ambient Água. 2016;11(2):439-47.
18. Brauer AMNW, Silva JC, Souza MMAA. Distribuição de enteroparasitos em verduras do comércio alimentício do município de São Mateus, Espírito Santo, Brasil. Nat On line. 2016;14(1):55-60.
19. Silva LP, Silva EJ, Silva RMG. Diagnóstico parasitológico de horticultores no monitoramento da contaminação parasitária em ambientes rurais. Biosci J. 2010;26(4):648-52.
20. Fernandes NS, Guimaraes HR, Amorim ACS, Reis MB, Brito VM, Borges EP, et al. Ocorrência de enteroparasitoses em manipuladores de alimentos de restaurantes em Parnaíba, Piauí-Brasil. Rev Patol Trop. 2014;43(4):459-69.
21. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada nº 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Brasília (DF); 2004.
22. Nascimento ED, Alencar FLS. Eficiência antimicrobiana e antiparasitária de desinfetantes na higienização de hortaliças na cidade de Natal – RN. Ciênc Natura. 2014;36(2):92-106.
23. Seixas MTL, Souza JN, Souza RP, Teixeira MCA, Soares NM. Avaliação da frequência de parasitos intestinais e do estado nutricional em escolares de uma área periurbana de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Patol Trop. 2011;40(4):304-14.
24. Biscegli TS, Romera J, Candido AB, Santos JM, Candido ECA, Binotto AL. Estado nutricional e prevalência de enteroparasitoses em crianças matriculadas em creche. Rev Paul Pediatr. 2009;27(3):289-95.
25. Silva EA Jr. Manual de controle higiênico sanitário em serviço de alimentação. 6a ed. São Paulo (SP): Varela; 2008.
26. Andrade NJ. Higiene na indústria de alimentos: avaliação e controle da adesão e formação de biofilmes bacterianos. São Paulo (SP): Varela; 2008.
27. Tondo EC, Bartz S. Microbiologia e sistemas de gestão da segurança de alimentos. Porto Alegre (RS): Sulina; 2011.
28. Abreu ES, Medeiros FS, Santos DA. Análise microbiológica de mãos de manipuladores de alimentos do município de Santo André. Rev Univap. 2011;17(30):39-57.
29. Oliveira NS, Gonçalves TB. Avaliação microbiológica das mãos de manipuladores de alimentos em creches da Cidade de Juazeiro do Norte, CE. Interfaces. 2014;2(7):3-8.
30. Fernandez ERP, Marques LFFO, Alahmar, M, Santos MN, Lima TRC. Investigação das mãos dos manipuladores de alimentos de entidades sociais de São José do Rio Preto, SP. Hig Aliment. 2012;26(212-213):149-53.
31. Souza GC, Santos CT, Andrade AA, Alves L. Comida de rua: avaliação das condições higiênico-sanitárias de manipuladores de alimentos. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(8):2329-38.
32. Coutinho MGS, Ferreira CS, Neves AM, Alves FRL, Souza FFP, Fontenelle ROS. Avaliação microbiológica e parasitológica de alfaces (Lactuca sativa L) comercializadas em feiras livres no município de Sobral – CE. Rev Universidade Vale Rio Verde. 2015;13(2):388-97.
33. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Boas práticas de manipulação em serviços de alimentação. Brasília (DF); 2016.
34. Alves E, Giaretta AG, Costa FM. Higiene pessoal dos manipuladores de alimentos dos shoppings centers da região da grande Florianópolis. Revista Téc Cient IFSC. 2012;3(1):604-14.
35. Cunha LF, Amichi KR. Relação entre a ocorrência de enteroparasitoses e práticas de higiene de manipuladores de alimentos: revisão da literatura. Rev Saúde Pesqui. 2014;7(1):147-57.
36. Melo ACFL, Furtado LFV, Ferro TC, Bezerra KC, Costa DCA, Costa LA. Contaminação parasitária de alfaces e sua relação com enteroparasitoses em manipuladores de alimentos. Rev Tróp. 2011;5(3):47-52.
Publicado
2020-06-26
Como Citar
SILVA, Juciene de Jesus Barreto da et al. QUALIDADE BACTERIOLÓGICA E PARASITOLÓGICA DE MÃOS E CONDIÇÕES DE SAÚDE E HIGIENE EM HORTICULTORES. Revista Baiana de Saúde Pública, [S.l.], v. 42, n. 3, jun. 2020. ISSN 2318-2660. Disponível em: <http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/3066>. Acesso em: 02 jul. 2020. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n3.a3066.
Seção
Artigos originais de temas livres