ALEITAMENTO MATERNO COMPLEMENTADO E FATORES ASSOCIADOS: COORTE DE NASCIMENTO BRISA

  • Aurean D’eça Junior Universidade Federal do Maranhão
  • Livia dos Santos Rodrigues Universidade de São Paulo
  • Raina Jansen Cutrim Propp Lima Instituto Federal do Maranhão
  • Thaís Natália Araújo Botentuit Universidade Federal do Maranhão
  • Josiel Guedes da Silva Universidade Federal do Maranhão
  • Rosângela Fernandes Lucena Batista Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: Aleitamento Materno, Estudos transversais, Associação

Resumo

Apesar dos avanços, as taxas de aleitamento materno complementado antes dos seis meses de vida ainda são altas. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi estimar a prevalência de aleitamento materno complementado e analisar seus fatores associados em uma coorte de nascimento realizada em São Luís, Maranhão, Brasil. Trata-se de um estudo transversal utilizando os dados da Coorte de Nascimentos BRISA (Brazilian Birth Cohort Studies). Para analisar os fatores associados ao desfecho de aleitamento materno complementar foi construído um modelo teórico hierarquizado no qual as variáveis socioeconômicas e demográficas, de assistência pré-natal e reprodutivas, além de características da criança, foram divididas em três níveis. Realizou-se então a regressão de Poisson com ajuste robusto da variância bivariada e multivariada a fim de estimar as razões de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança não ajustados e ajustados, utilizando o programa estatístico STATA 14.0. Na amostra, de 3.107 crianças avaliadas, 60,4% das mães relataram realizar aleitamento materno complementado antes dos seis meses de vida. Obteve-se como fatores de risco para o aleitamento complementado não ter realizado pré-natal (RP 1,32; IC95% 1,09-1,60), usar chupeta atualmente (RP 1,38; IC95% 1,30-1,47) ou já ter usado (RP 1,28; IC95% 1,15-1,41) e ser pré-termo (RP 1,11; IC95% 1,03-1,20). Assim, conclui-se que a prevalência de aleitamento materno complementado acompanha a média nacional, podendo-se identificar os fatores associados em São Luís, o que permite traçar intervenções e ações mais eficientes em Saúde Pública.

Palavras-chave: Aleitamento materno. Estudos transversais. Associação.

Biografia do Autor

Aurean D’eça Junior, Universidade Federal do Maranhão

Enfermeiro. Doutor em Saúde Coletiva. Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Maranhão. São Luís, Maranhão, Brasil

Livia dos Santos Rodrigues, Universidade de São Paulo

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Raina Jansen Cutrim Propp Lima, Instituto Federal do Maranhão

Nutricionista. Doutoranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão. Docente do Instituto Federal do Maranhão. Açailândia, Maranhão, Brasil.

Thaís Natália Araújo Botentuit, Universidade Federal do Maranhão

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem. Universidade Federal do Maranhão. São Luís. Maranhão. Brasil.

Josiel Guedes da Silva, Universidade Federal do Maranhão

Acadêmico de Medicina. Universidade Federal do Maranhão. São Luís. Maranhão, Brasil.

Rosângela Fernandes Lucena Batista, Universidade Federal do Maranhão

Enfermeira. Doutora em Ciências Médicas. Docente do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal do Maranhão. São Luís. Maranhão. Brasil.

Referências

1. Victora CG, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: Epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10017):475-90.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Evidências científicas dos dez passos para o sucesso no aleitamento materno. Brasília (DF): Opas; 2001.
3. Faleiros FTV, Trezza EMC, Carandina L. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Rev Nutr. 2006;19(5):623-30.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. (DF): Ministério da Saúde; 2002.
5. Silva AAM, Batista RFL, Simões VMF, Thomaz EBAF, Ribeiro CCC, Lamy Filho F, et al. Changes in perinatal health in two birth cohorts (1997/1998 and 2010) in São Luís, Maranhão State, Brazil. Cad Saúde Pública. 2015;31(7):1437-50.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Caderno de Atenção Básica, n. 23. Brasília (DF); 2009.
7. Brasil. Ministério da Saúde. II Pesquisa de prevalência de aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Brasília (DF); 2009.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa de prevalência de aleitamento materno em municípios brasileiros. Brasília (DF); 2010.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília (DF); 2009.
10. Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, Martines JC, et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices? Lancet. 2016;387(10017):491-504.
11. Venancio SI, Escuder MML, Saldiva SRDM, Giugliani ERJ. A prática do aleitamento materno nas capitais brasileiras e Distrito Federal: situação atual e avanços. J Pediatr. 2010;86(4):317-24.
12. World Health Organization. National implementation of the baby-friendly hospital initiative: summary. Genève; 2017.
13. Venancio SI, Saldiva SRDM, Monteiro CA. Tendência secular da amamentação no Brasil. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1205-8.
14. Oliveira DS, Boccolini CS, Faerstein E, Verly-Jr E. Breastfeeding duration and associated factors between 1960 and 2000. J Pediatr. 2017;93(2):130-5.
15. Damião JJ. Influência da escolaridade e do trabalho maternos no aleitamento materno exclusivo. Rev Bras Epidemiol. 2008;11(3):442-52.
16. Volpato SE, Braun A, Pegorim RM, Ferreira DC, Beduschi CS, Souza KM. Avaliação do conhecimento da mãe em relação ao aleitamento materno durante o período pré-natal em gestantes atendidas no Ambulatório Materno Infantil em Tubarão, (SC). ACM. 2009;38(1):49-55.
17. Buccini GS, Pérez‐Escamilla R, Paulino LM, Araújo CL, Venancio SI. Pacifier use and interruption of exclusive breastfeeding: systematic review and meta‐analysis. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12384.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos: um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Brasília (DF); 2013.
19. Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília (DF); 2015.
20. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Aleitamento Materno. Uso de chupeta em crianças amamentadas: prós e contras: guia prático de atualização. Rio de Janeiro (RJ); 2017.
21. Jaafar SH, Ho JJ, Jahanfar S, Angolkar M. Effect of restricted pacifier use in breastfeeding term infants for increasing duration of breastfeeding. Cochrane Database Syst Rev. 2016;30(8):CD007202.
22. Gisfrede TF, Kimura JS, Reyes A, Bassi J, Drugowick R, Matos R, et al. Hábitos bucais deletérios e suas consequências em Odontopediatria. Rev Bras Odontol. 2016;73(2):144-9.
23. Leite-Cavalcanti A, Medeiros-Bezerra PK, Moura C. Aleitamento natural, aleitamento artificial, hábitos de sucção e maloclusões em pré-escolares brasileiros. Rev Salud Pública. 2007;9(2):194-204.
24. Peres KG, Barros AJD, Peres MA, Victora CG. Effects of breastfeeding and sucking habits on malocclusion in a birth cohort study. Rev Saúde Pública. 2007;41(3):343-50.
25. Bühler KEB, Limongi SCO. O uso do copinho como método de alimentação de recém-nascidos pré-termo: revisão de literatura. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2004;9(2):115-21.
26. Gamburgo LJL, Munhoz SRM, Amstalden LG. Alimentação do recém-nascido: aleitamento natural, mamadeira e copinho. Fono Atual. 2002;5(20):39-47.
27. de Freitas BAC, Lima LM, Carlos CFLV, Priore SE, Franceschini SCC. Duração do aleitamento materno em prematuros acompanhados em serviço de referência secundário. Rev Paul Pediatr. 2016 Abr-Jun;34(2):189-96.
Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres