UMA ANÁLISE DA ARTICULAÇÃO DA SAÚDE MENTAL COM A ATENÇÃO BÁSICA

  • Jamile Barbosa das Neves Prefeitura Municipal de Saúde de Salvador
  • Milena Amélia Franco Dantas Escola de Saúde Pública da Bahia
Palavras-chave: Atenção básica, Saúde mental, Capacitação profissional, Apoio matricial

Resumo

A atenção básica tem como um dos grandes desafios trabalhar, no seu contexto, demandas relacionadas à saúde mental. O redirecionamento do modelo assistencial da saúde nos últimos anos no Brasil permitiu um cuidado em saúde mental de forma mais ampliada a partir de uma ótica de territorialização. Essa articulação, mesmo considerando propostas previstas pela Reforma Sanitária e pela Reforma Psiquiátrica no país, vem apresentando algumas limitações para a sua plena efetivação. O pouco manejo no que diz respeito às demandas de saúde mental por parte de alguns profissionais de saúde da atenção básica – devido muitas vezes a seu processo de formação – e a resistência e estigmas em relação à temática também se apresentam como pontos importantes de fragilidade no cuidado. Assim, este artigo tem como objetivo analisar a importância da articulação da atenção básica com a saúde mental, abarcando suas limitações e suas possibilidades estratégicas. Para isso, foi realizada uma revisão bibliográfica, de caráter exploratório, qualitativo e não sistemático. Diante de tal discussão, aponta-se o apoio matricial como uma estratégia possível na efetivação do cuidado corresponsabilizado entre a rede especializada e a atenção básica, fortalecendo a resolutividade e a qualidade dos serviços ofertados em saúde. Conclui-se que o processo de construção coletiva, utilizando os dispositivos de cuidado da Rede de Atenção à Saúde, assim como os recursos comunitários e intersetoriais, deve sempre ser considerado para a consolidação e transformação do cuidado em saúde mental articulado com a atenção básica.

Biografia do Autor

Jamile Barbosa das Neves, Prefeitura Municipal de Saúde de Salvador

Assistente Social. Especialista em Saúde Pública. Prefeitura Municipal de Saúde de Salvador. Salvador, Bahia, Brasil.

Milena Amélia Franco Dantas, Escola de Saúde Pública da Bahia

Psicóloga. Mestre em Psicologia Social. Gestora em processos educativos da Escola de Saúde Pública da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Queiroz VDC. A saúde mental na atenção primária. Serv Soc Realidade. 2010;19(1):125-52.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde mental e atenção básica: o vínculo e o diálogo necessário. Brasília (DF); 2007.

Vecchia MD, Martins STF. Desinstitucionalização dos cuidados a pessoas com transtornos mentais na atenção básica: aportes para a implementação de ações. Interface. 2009;13(28):151-64.

Nunes M, Torrenté M, Landim FLP. Saúde mental e atenção primária: transversores de articulação. In: Nunes M, Landim FLP, organizadores. Saúde mental na atenção básica: política e cotidiano. Salvador (BA): Edufba; 2016. p. 123-41.

Martins AKL, Braga VAB, Souza AMA. Práticas em saúde mental na estratégia saúde da família: um estudo bibliográfico. Rev RENE. 2009;10(4):165-72.

Souza AC, Rivera FJU. A inclusão das ações de saúde mental na atenção básica: ampliando possibilidades no campo da saúde mental. Rev Tempus Actas Saúde Colet. 2010;4(1):105-14.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a ed. São Paulo (SP): Atlas; 2008.

Tanaka OY, Ribeiro EL. Ações de saúde mental na atenção básica: um caminho para a ampliação da integralidade da atenção. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(2):477-86.

Campos GWS. Saúde mental e atenção primária: apoio matricial e núcleos de apoio à saúde da família. In: Nunes M, Landim FLP, organizadores. Saúde mental na atenção básica: política e cotidiano. Salvador (BA): Edufba; 2016. p. 28-46.

Gryschek G, Pinto AM. Saúde mental: como as equipes de Saúde da Família podem integrar esse cuidado na atenção básica? Ciênc Saúde Colet. 2015;20(10):3255-62.

Dimenstein M, Severo AK, Brito M, Pimenta AL, Medeiros V, Bezerra E. O apoio matricial em unidades de saúde da família: experimentando inovações em saúde mental. Saúde Soc. 2009;18(1):63-74.

Frateschi MA, Cardoso CL. Saúde mental na atenção primária à saúde: avaliação sob a ótica dos usuários. Physis. 2014;24(2):545-65.

Onocko-Campos RS, Campos GWS, Ferrer AN, Corrêa CRS, Madureira PR, Gama CAP, et al. Avaliação das estratégias inovadoras na organização Atenção Primária à Saúde. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):43-50.

Silveira DP, Vieira ALS. Saúde mental e atenção básica em saúde: análise de uma experiência no nível local. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(1):139-48.

Delfini PSS, Sato MT, Antoneli PP, Guimarães POS. Parceria entre Caps e PSF: o desafio da construção de um novo saber. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(supl. 1):1483-92.

Salvador DB, Pio DAM. Apoio matricial e CAPSi: desafio do cenário na implantação do matriciamento em saúde mental. Saúde Debate. 2016;40(111):246-56.

Castro CP, Oliveira MM, Campos GWS. Apoio matricial no SUS Campinas: análise da consolidação de uma prática interprofissional na rede de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1625-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece que os centros de atenção psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: Caps I, II, III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional, conforme disposto nesta portaria. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 2002 fev 20. Seção 1, p. 22.

Bonfim IG, Bastos ENE, Góis CWL, Tófoli LF. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface. 2013;17(45):287-300.

Publicado
2020-11-25
Seção
Artigos originais de temas livres