FORMAÇÃO EM SAÚDE E EFEITOS NO TRABALHO: AVALIANDO PROCESSOS E CAMINHOS DE PROCESSOS EDUCATIVOS

  • Millene Moura Alves Pereira Universidade Federal da Bahia
  • Marilia Santos Fontoura Universidade Federal da Bahia
  • Caique de Moura Costa
Palavras-chave: Avaliação educacional, Formação profissional, Saúde pública

Resumo

Este estudo de caso analisou a experiência de avaliação de um curso de especialização em saúde pública no estado da Bahia usando o referencial teórico metodológico da área de avaliação Treinamento, Desenvolvimento e Educação. As complexidades e transversalidades da saúde no cotidiano do trabalho indicam a necessidade de reordenamento das práticas e de transformações dos processos de trabalho e formação dos profissionais atuantes neste campo, além de tomar-se o trabalho como princípio educativo, adotando metodologias que favoreçam o diálogo e a capacidade crítico-reflexiva. Considera-se a avaliação como prática inerente e indutora de melhorias em qualquer processo educativo. Assim, este estudo justifica-se pela importância do desenvolvimento de práticas de avaliações em processos educativos e por incentivar a utilização de modelos baseados na avaliação integrada e em profundidade de processos educativos no campo da saúde. Os dados foram coletados com a aplicação de instrumentos de avaliação do curso, em diferentes momentos, identificando a reação e a aprendizagem dos discentes. O referencial utilizado tem consistência e aplicabilidade no campo da educação na saúde e, por meio dele, evidenciou-se coerência entre os níveis de avaliação de reação e aprendizagem. Para os discentes, o curso teve aplicabilidade e contribuiu para aprendizagem de conhecimentos e habilidades acerca da atuação do profissional sanitarista. Insumos, procedimentos e processos do curso foram avaliados positivamente. No entanto, alguns aspectos da estrutura e da didática foram avaliados abaixo da expectativa. Portanto, espera-se que este trabalho contribua para o conhecimento na área de avaliação de processos educativos, inspirando a adoção de perspectivas metodológicas de avaliação contínua e em profundidade no campo da educação na saúde.

Biografia do Autor

Millene Moura Alves Pereira, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira Sanitarista. Mestranda em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Marilia Santos Fontoura, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira Sanitarista. Doutora em Saúde Coletiva. Professora adjunta da Universidade Federal da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Caique de Moura Costa

Sanitarista. Especialista em Saúde Coletiva sob a forma de residência na área de concentração em Planejamento e Gestão em Saúde. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Paim JS, Almeida FN. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador (BA): Casa da Qualidade; 2000.

Gonçalves J. Formação do profissional sanitarista: caminhos e percalços. [dissertação]. Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2015.

Paim JS. O objeto e a prática da saúde coletiva: o campo demanda um novo profissional? Salvador (BA): Edufba; 2002.

Silva VO, Santana PMMA. Curriculum content and Brazilian Health System (SUS): analytical categories, gaps and challenges. Interface. 2014;19(52):121-31.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis (RJ): Vozes; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. O trabalho como fonte de formação: um movimento em construção no Ministério da Saúde: agenda 2015 de desenvolvimento dos trabalhadores. Brasília (DF); 2015.

Merhy EE. Educação permanente em movimento: uma política de reconhecimento e cooperação, ativando os encontros do cotidiano no mundo do trabalho em saúde, questões para os gestores, trabalhadores e quem mais quiser se ver nisso. Saúde Redes. 2014;1(1):7-14.

Fontoura MS. Trabalho como princípio educativo e sua relação com a construção do Sistema Único de Saúde [tese]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 1996.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo (SP): Paz e Terra; 1996. (Coleção Leitura).

Vieira-da-Silva LM. Avaliação de políticas e programas de saúde. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2014.

Hamblin AC. Avaliação e controle de treinamento. São Paulo (SP): McGraw Hill do Brasil; 1978.

Fitzpatrick JL, Sanders JR, Worthen BR. Program evaluation: alternative approaches and practical guidelines. Boston (MA): Pearson; 2004.

Hoffmann JML. Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento. In: Alves ML, organizador. Avaliação do rendimento escolar. São Paulo (SP): FDE; 1994. p. 51-9.

Neves VNS, Prestes EMT, Sabino RN, Silva MLN, Barros AG. Quatro pilares da educação para o século XXI na formação permanente do profissional da Saúde. Rev Enferm UFPE on line. 2016;10(supl. 4):3524-30.

Kirkpatrick D, Kirkpatrick JD. Evaluating training programs: the four levels. San Francisco (CA): Berrett-Koehler; 1993.

Borges-Andrade JE. Avaliação somativa de sistemas instrucionais: integração de três propostas. Tecnol Educ. 1982;46(1):29-39.

Abbad G. Um modelo integrado de avaliação de impacto do treinamento no trabalho – IMPACT [tese]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 1999.

Vianna V, Santos HN, Goulart S. Avaliação de impacto de ações de desenvolvimento de pessoal na administração pública federal. Anais do VII Congresso Consad de Gestão Pública;2014 mar 25-27; Brasília (DF). Brasília (DF): Consad; 2014.

Rangel IS. Avaliação de ações de educação no âmbito do Ministério da Saúde (MS) [artigo de conclusão de curso]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2016.

Ribeiro JVB. Avaliação de impacto em amplitude: avaliando o treinamento a distância, em gestão de pessoas, da Enfam [monografia]. Brasília (DF): Universidade de Brasília; 2017.

Otrenti E, Mira VL, Bucchi SM, Borges-Andrade JE. Avaliação de processos educativos formais para profissionais da saúde. Invest Educ Enferm. 2014;32(1):103-12.

Kožušníková M. Využití Hamblinova přístupu k evaluaci vzdělávacích aktivit [monografia]. Praha: Univerzita Karlova; 2014.

Alliger GM, Janak EA. Kirkpatrick’s levels of training criteria: thirty years later. Pers Psychol. 1989;42(2):331-42.

Abbad G, Gama ALG, Borges-Andrade JE. Treinamento: análise do relacionamento da avaliação nos níveis de reação, aprendizagem e impacto no trabalho. Rev Adm Contemp. 2000;4(3):25-45.

Scorsolini-Comin F, Inocente DF, Miura IK. Avaliação de programas de treinamento, desenvolvimento e educação no contexto organizacional: modelos e perspectivas. Treinamento, Desenvolvimento e Educação. Rev Psicol Organ Trab. 2011;11(1):37-53.

Lacerda ERM, Abbad G. Impacto do treinamento no trabalho: investigando variáveis motivacionais e organizacionais como suas preditoras. Rev Adm Contemp. 2003;7(4):77-96.

Pantoja MJ, Borges-Andrade JE. Estratégias de aprendizagem no trabalho em diferentes ocupações profissionais. Rev Adm Contemp. 2009;3(1):41-62.

Wu S, Legido-Quigley H, Spencer J, Coker RJ, Khan MS. Designing evaluation studies to optimally inform policy: what factors do policy-makers in China consider when making resource allocation decisions on healthcare worker training programmes? Health Res Policy Syst. 2018;16:16.

Urassa D, Chaya P. Integration of community health workers into a formal health system of Tanzania: measuring satisfaction on the training program using Kirk Patrick Model. Glob J Hum-Soc Sci Res. 2018;18(1):1-8.

Borate N, Gopalkrishna, Prasad S, Borate S. A case study approach for evaluation of employee training effectiveness and development program. Int J Bus Manag. 2014;2(6):11-20.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Publicado
2020-11-25
Seção
Relato de experiências