DAS FLORES AOS ESPINHOS: O SERVIÇO PÚBLICO DE PARQUES E JARDINS TERCEIRIZADO E PRECARIZADO

  • João Petrucio Medeiros Silva UNICAMP
Palavras-chave: terceirização, serviço público, saúde do trabalhador

Resumo

A terceirização foi uma das formas de enxugamento dos serviços públicos.

Estudamos o Departamento de Parques e Jardins de uma Prefeitura do Estado de São

Paulo a partir de percepções da substituição da mão de obra efetiva por terceirizados.

Objetivou-se analisar o departamento a fim de conhecer sua estrutura, organização,

os trabalhadores e os possíveis impactos da terceirização. Trata-se de uma pesquisa de

abordagem qualitativa, com entrevistas semiestruturadas considerando as trajetórias

de vida, histórias ocupacionais dos trabalhadores e observações nos locais de trabalho.

Observamos três distintas categorias de trabalhadores; os efetivos, os terceirizados e os

reeducandos, abrigando no interior da categoria ‘efetivos’ ao menos duas ‘classes’,

uma valorizada e outra pouco valorizada. As histórias de vida dos efetivos indicaram

possibilidades da construção de algum patrimônio e filhos com acesso aos estudos,

devidos ao emprego público. Terceirizados e reeducandos realizavam tarefas menos

qualificadas, com jornadas mais longas e salários bem mais baixos. Concluimos que a

terceirização é uma forma de precarização do trabalho, levando a uma precarização de

suas vidas; o serviço público estável atuou como uma forma de inclusão e de cidadania.

Biografia do Autor

João Petrucio Medeiros Silva, UNICAMP
Graduação: Ciências Sociais com Lincenciatura em Sociologia. Pos Graduação: Mestrado em educação, Área: Sociedade, Política e Cultura. Doutorado: Saúde Coletiva. Área: Saúde Coletiva. Universidade estadual de Campinas (UNICAMP)
Publicado
2015-02-26
Seção
Artigos originais de temas livres