O ATO DE COZINHAR EM UMA SALA DE ESPERA

  • Cristiane Miryam Drumond Brito Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Educação em Saúde, culinária, nutrição, sala de espera.

Resumo

Objetivo: Verificar se o ato de cozinhar na sala de espera de uma Unidade de Saúde da Família é capaz de ser um potencial educador em saúde e gerar reflexões acerca da alimentação enquanto provedora de sentido, de comunicação e de transformação na saúde das pessoas. Métodos: A pesquisa, de cunho qualitativo-descritiva, desenvolveu-se a partir do ato de cozinhar na sala de espera em uma Unidade de Saúde da Família no município de São Carlos, São Paulo. Foram utilizados a metodologia de observação participante, transcrita em diários de campo, e um roteiro prévio elaborado pela pesquisadora, aplicado em oito encontros. Foram abordadas questões referentes ao Guia Alimentar para População Brasileira, além disso, realizou-se a preparação de receitas saudáveis e econômicas a cada encontro. Resultados: Os resultados do estudo demonstraram que cozinhar neste espaço despertou outros sentidos que até então não haviam sido vividos no local. Tal experiência modificou a relação com a espera, trouxe reflexões para os participantes sobre seus hábitos alimentares e estimulou a alimentação saudável, de modo a tornar claro o fato de que ela pode ser saborosa e compatível com seus modos de vida. Houve participação de 26 mulheres e três crianças durante os oito encontros. Conclusão: O ato de cozinhar, em uma sala de espera de uma Unidade de Saúde da Família, proporcionou a transformação de um ambiente típico de um serviço de saúde em um espaço potencial de educação em saúde.

Biografia do Autor

Cristiane Miryam Drumond Brito, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Comunicação e Semiótica

Departamento de Terapia Ocupacional da UFMG

Publicado
2015-02-26
Seção
Artigos originais de temas livres