EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DE RESIDENTES DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS PARAENSES

  • Amanda de Queiroz Afonso Universidade do Estado do Pará
  • Ila Iandara de Souza Araújo Universidade do Estado do Pará
  • Lays Ariane Teixeira dos Santos Universidade do Estado do Pará
  • Lais Helena Rescinho Macambira Universidade Federal do Pará
  • Sarah Manuele Cuimar dos Santos Universidade do Estado do Pará
  • Sâmela Stefane Corrêa Galvão Universidade do Estado do Pará
Palavras-chave: Educação em saúde, Internato e Residência, Internato, Gestantes., Residência, Gestantes

Resumo

A educação popular em saúde prioriza o diálogo aberto sobre problemas de saúde com os atores sociais, respeitando suas culturas, reconhecendo-as como válidas e promovendo análise crítica de tal modo que os empodere como reais cidadãos. Este trabalho objetiva relatar as experiências com educação popular em saúde de residentes de universidades públicas paraenses a fim de os apresentar como caminho capaz de colaborar com saberes, tecnologias e metodologias para a construção de novas práticas no âmbito do Sistema Único de Saúde. Criou-se, assim, grupo de grávidas em Unidade de Saúde da Família no município de Ananindeua, Pará. Trata-se de relato de experiência dos residentes de Saúde da Família com grupo de gestantes, utilizando conceitos e ferramentas da educação popular, de março de 2015 a julho de 2016. Por meio de reuniões periódicas entre a equipe, elaborou-se cronograma, palestras educativas e fôlderes com informações relativas à gestação. As gestantes encontravam-se na faixa etária de 15 a 35 anos, em sua maioria multíparas, com baixo nível de escolaridade, renda familiar mensal de um salário mínimo e sem emprego formal. Nota-se que, por estarem inseridas em contexto cultural amazônico, o conhecimento empírico norteia as práticas de seu cotidiano. Metodologias ativas de educação permitem o diálogo, a troca de experiências, além de valorizar a gestante como parte importante e principal no processo de mudança de sua realidade. Apesar das barreiras encontradas para a manutenção do grupo, observou-se colaboração das gestantes nas reuniões, interação e fortalecimento da relação profissional-usuário.

Palavras-chave: Educação em saúde. Internato. Residência. Gestantes.

Biografia do Autor

Amanda de Queiroz Afonso, Universidade do Estado do Pará

Fisioterapeuta. Castanhal, Pará, Brasil. 

Ila Iandara de Souza Araújo, Universidade do Estado do Pará

Terapeuta Ocupacional. São Paulo, São Paulo, Brasil. 

Lays Ariane Teixeira dos Santos, Universidade do Estado do Pará

Fisioterapeuta. Castanhal, Pará, Brasil.

Lais Helena Rescinho Macambira, Universidade Federal do Pará

Biomédica. Belém, Pará, Brasil.

Sarah Manuele Cuimar dos Santos, Universidade do Estado do Pará

Fisioterapeuta. Belém, Pará, Brasil.

Sâmela Stefane Corrêa Galvão, Universidade do Estado do Pará

Enfermeira. Belém, Pará, Brasil.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de educação popular e saúde. Brasília (DF); 2007.
2. Amaral MCS, Pontes GVP, Silva JV. O ensino de educação popular em saúde para o SUS: experiência de articulação entre graduandos de enfermagem e agentes comunitários de saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(supl. 2):1547-58.
3. Nery VAS, Nery IG, Nery WG. Educação popular em saúde: um instrumento para a construção da cidadania. C&D Rev Eletrônica Fainor. 2012;5(1):114-29.
4. Brasil. Ministério da Saúde. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília (DF); 2014.
5. Lobato CP. Formação dos trabalhadores de saúde na residência multiprofissional em saúde da família: uma cartografia da dimensão política [dissertação]. Londrina (PR): Universidade Estadual de Londrina; 2010.
6. Azevedo RAD, Marcolino ML, Mathias D, Curioni R. Residência multiprofissional em atenção básica: a inserção de grupos na rotina de trabalhos de um PSF no município de Petrópolis. J Manag Prim Health Care. 2016;7(1):134.
7. Riess MLR. Trabalho em grupo: instrumento mediador de socialização e aprendizagem [dissertação]. São Leopoldo (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010.
8. Ballarin MLGS. Algumas reflexões sobre grupos de atividades em terapia ocupacional. In: Pádua EMM, Magalhães LV, organizadores. Terapia ocupacional: teoria e prática. Campinas (SP): Papirus; 2003. p. 63-76.
9. Maximino VS. Grupo de atividades com pacientes psicóticos. São José dos Campos (SP): Univap; 2001.
10. Cunha ACF, Santos TF. A utilização do grupo como recurso terapêutico no processo da terapia ocupacional com clientes com transtornos psicóticos: apontamentos bibliográficos. Cad Ter Ocup UFSCar. 2009;17(2):133-46.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de atenção integral a saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF); 2004.
12. Liebmann M. Exercícios de arte para grupos: um manual de temas, jogos e exercícios. 4a ed. São Paulo (SP): Summus, 2000.
13. Camacho KG, Vargens OMC, Progianti JM, Spíndola T. Vivenciando repercussões e transformações de uma gestação: perspectivas de gestantes. Cienc Enferm. 2010;16(2):115-25.
14. Frigo LF, Silva RM, Mattos KM, Manfio F, Boeira GS. A importância dos grupos de gestante na atenção primária: um relato de experiência. Rev Epidemiol Controle Infecç. 2012;2(3):113-4.
15. Maia SMS, Silva LR. Saberes e práticas de mães ribeirinhas e o cuidado dos filhos recém-nascidos: contribuição para a enfermagem. Rev Enf Ref. 2012;III(7):131-8.
16. Leininger M, Mcfarland MR. Transcultural nursing: concepts, theories, research & practice. 3a ed. New York: McGraw-Hill; 2002.
17. Vieira MS. Grupo de gestantes na equipe saúde da família: proposta de implantação no centro de saúde confisco, Belo Horizonte, Minas Gerais [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.
18. Souza VPS, Nunes RS, Silva DML, Viana ESR. Percepção das participantes de um curso para gestantes sobre a abordagem multidisciplinar em saúde. Rev Pesqui Fisioter. 2017;7(1):79-86.
Publicado
2020-08-12
Seção
Relato de experiências