ESTILO DE VIDA DOS IDOSOS DO NORDESTE DO BRASIL: ESTUDO COMPARATIVO

  • Rubenyta Martins Podmelle Universidade Federal de Pernambuco
  • Rogério Dubosselard Zimmermann Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Envelhecimento, Estilo de vida, Nível de saúde

Resumo

O envelhecimento populacional ocorre mais intensamente nos países em desenvolvimento, como o Brasil. Com isso, as Doenças Crônicas Não Transmissíveis começam a apresentar maior expressão, tendo o estilo de vida alta importância na prevenção e tratamento dessas doenças. Atualmente, a população idosa do Nordeste apresenta proporção igualmente elevada se comparada ao percentual nacional, no entanto, a produção de dados sobre o estilo de vida na região é escassa. O objetivo deste trabalho é comparar o estilo de vida de idosos dos estados do Nordeste de acordo com consumo alimentar, atividade física, uso de álcool e tabagismo, a partir dos dados da Pesquisa Nacional de Saúde de 2013 (PNS 2013). Para isso, foi elaborado estudo analítico, descritivo e de corte transversal, a partir de dados secundários sobre estilo de vida da PNS 2013. Conforme os resultados, houve diferença significativa entre os estados com relação a todos os indicadores alimentares estudados e em relação ao tabagismo. Não houve diferença estatisticamente significativa (p > 0,05) entre os estados do Nordeste em relação ao uso excessivo de álcool, nem em relação aos indicadores concernentes à atividade física. Observou-se que o Maranhão foi o estado com mais resultados positivos quando comparado aos demais, enquanto Sergipe teve mais resultados insatisfatórios. O estilo de vida dos idosos do Nordeste apresenta-se com valores considerados regulares entre os estados, pois as categorias demonstraram prevalências frequentemente próximas da média regional. Os dados obtidos neste estudo fortalecem a importância de estratégias direcionadas a idosos que oportunizem a adoção de um estilo de vida saudável.

Biografia do Autor

Rubenyta Martins Podmelle, Universidade Federal de Pernambuco

Fisioterapeuta e Profissional de Educação Física. Pós-graduada e Mestra em Gerontologia. Docente No Centro Universitário São Miguel e Centro Universitário Brasileiro. Recife, Pernambuco, Brasil.

Rogério Dubosselard Zimmermann, Universidade Federal de Pernambuco

Professor Associado do Departamento de Medicina Social e do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da Universidade Federal de Pernambuco

Referências

Fazzio DMG. Envelhecimento e qualidade de vida: uma abordagem nutricional e alimentar. Revisa. 2012;1(1):76-88.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.

Brito KQD. Incapacidade funcional e fatores associados em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Campina Grande/Paraíba [dissertação]. Campina Grande (PB): Universidade Estadual da Paraíba; 2014.

Coelho CF, Burini RC. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev Nutr. 2009;22(6):937-46.

Jobim FARC, Jobim EFC. Atividade física, nutrição e estilo de vida no envelhecimento. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2015;17(4):298-308.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377(9781):1949-61.

Malta DC, Andrade SSC, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Silva Junior JB, et al. Estilos de vida da população brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):217-26.

Bodstein A, Lima VVA, Barros AMA. A vulnerabilidade do idoso em situações de desastres: necessidade de uma política de resiliência eficaz. Ambiente & Sociedade. 2014;17(2):157-74.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Rio de Janeiro (RJ); 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF); 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília (DF); 2009.

Jaime PC, Stopa SR, Oliveira TP, Vieira ML, Szwarcwald CL, Malt DC. Prevalência e distribuição sociodemográfica de marcadores de alimentação saudável, Pesquisa Nacional de Saúde, Brasil 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):267-76.

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a joint WHO/FAO expert consultation. Technical Report Series (916). Geneva; 2003.

World Health Organization. World Health Report: Reducing risks, promoting healthy Life. Geneva; 2002.

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva; 2010.

Garcia LP, Freitas LRS. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):227-37.

World Health Organization. Global status report on alcohol and health. Geneva; 2014.

World Health Organization. Report on the Global tobacco epidemic: enforcing bans on tobacco advertising, promotion and sponsorship. Geneva; 2013.

IBM. SPSS, versão n. 20.0. Armonk: IBM; c2011.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública. 2005;39(4):530-40.

Wander AE, Chaves MO. Consumo per capita de feijão no Brasil de 1998 a 2010: uma comparação entre consumo aparente e consumo domiciliar. Congresso Nacional de Pesquisa de Feijão; 2011; Santo Antônio de Goiás (GO): Embrapa Arroz e Feijão; 2011.

Botelho RA. Culinária Regional: o Nordeste e a Alimentação Saudável [tese]. Brasília (DF): Faculdade de Ciências da Saúde; 2006.

Chaves LR, Sousa CMM, Martins MCC, Figueiredo MLF, Ramos CV, Santos OFJ. Estado nutricional e consumo alimentar de idosos assistidos na estratégia saúde da família. Rev enferm UFPE online. 2013;7(12):6780-9.

Amado TCF, Arruda IKG, Ferreira RAR. Aspectos alimentares, nutricionais e de saúde de idosas atendidas no Núcleo de Atenção ao Idoso – NAI, Recife/2005. Arch Latinoam Nutr. 2007;57(4):366-72.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Alimentação saudável para a pessoa idosa: um manual para profissionais de saúde. Brasília (DF); 2009.

Viebig RF, Pastor-Valero M, Scazufca M, Menezes PR. Consumo de frutas e hortaliças por idosos de baixa renda na cidade de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2009;43(5):806-13.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Um panorama da saúde no Brasil. Acesso e utilização de serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde 2008. Rio de Janeiro (RJ); 2010.

Mielke GI, Hallal PC, Rodrigues GBA, Szwarcwald CL, Santos FV, Malta DC. Prática de atividade física e hábito de assistir à televisão entre adultos no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):277-86.

Kano MY, Santos MA, Pillon SC. Uso do álcool em idosos: validação transcultural do Michigan Alcoholism Screening Test – Geriatric Version (MAST-G). Rev Esc Enferm USP. 2014;48(4):648-55.

Malta DC, Oliveira TP, Vieira ML, Almeida L, Szwarcwald CL. Uso e exposição à fumaça do tabaco no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):239-48.

Goulart D, Engroff P, Ely LS, Sgnaolin V, Santos EF, Terra NL, et al. Tabagismo em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2010;13(2):313-20.

Publicado
2019-12-12
Seção
Artigos originais de temas livres