Prevalência e caracterização de enteroparasitos em análises de fezes em um distrito da Bahia, Brasil

Palavras-chave: Enteropatias parasitárias, Parasitos, Doenças parasitárias, Saneamento básico, Saúde pública

Resumo

As enteroparasitoses acometem grande número de pessoas, e sua frequência está associada a condições socioeconômicas e de saneamento básico, representando um problema de saúde pública. Apesar da transição epidemiológica mundial, muitos países, como o Brasil, ainda mantêm nas doenças parasitárias importante causa de morbimortalidade. Este artigo tem como objetivo descrever a prevalência de enteroparasitos em exames parasitológicos de fezes em uma unidade laboratorial de um distrito de Feira de Santana, Bahia, Brasil. Foram incluídos 2.304 pacientes que realizaram exames parasitológicos de fezes, entre março de 2011 e junho de 2013, e excluídos os sem dados. As variáveis foram obtidas da base de dados do laboratório local e os dados foram analisados utilizando o software SPSS, versão 17.0. Os pacientes estudados foram com frequência mulheres (59,0%) e com idade inferior a 40 anos (66,2%). Parasitos intestinais foram encontrados em 1.112 pacientes (48,3%). Protozoários representaram 93,3%, e helmintos, 10,3%. O monoparasitismo foi predominante (72,2%). Os parasitos mais frequentes foram Giardia lamblia (8,7%), seguido de Entamoeba histolytica (6,6%), Ancylostomideo SP (4,6%), Ascaris lumbricoides (2,0%), Hymenolepis SP (1,7%) e Schistosoma mansoni (1,6%). A prevalência de enteroparasitos foi elevada, com predominância de protozoários e monoparasitoses, e o perfil da população estudada caracterizou-se por maior frequência de mulheres e adultos jovens.

Biografia do Autor

Bernardo Lopes Crisostomo, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduando em Medicina na Universidade Estadual de Feira de Santana. Bolsista PET-Saúde. Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Maricélia Maia de Lima, Universidade Estadual de Feira de Santana

Mestra em Enfermagem. Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Lucíola Maria Lopes Crisostomo, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Professora. Doutora em Ciências. Professora adjunta da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Veronesi R. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 3a ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2005.

Boia MN, Da Motta LP, Socorro PSM, Mutis MPS, Coutinho RB, Coura JR. Estudo das parasitoses intestinais e da infecção chagásica no Município de Novo Airão, Estado do Amazonas, Brasil. Cad Saúde Pública. 1999;15(3):497 504.

Costa-Macedo LM, Rey L. Aleitamento e parasitismo intestinal materno-infantil. Rev Soc Bras Med Trop. 2000;33(4):371 5.

Cimerman B, Cimerman S. Parasitologia humana e seus fundamentos gerais. São Paulo (SP): Atheneu; 1999.

Harpham T, Stephens C. Urbanization and health in developing countries. World Health Stat Q. 1991;44(2):62 9.

Rocha RS, Silva JG, Peixoto SV, Caldeira RL, Firmo JOA, Carvalho ODS, et al. Avaliação da esquistossomose e de outras parasitoses intestinais, em escolares do município de Bambuí, Minas Gerais, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2000;33(5):431 6.

Prado MS, Barreto ML, Strina A, Faria JAS, Nobre AA, Jesus SR. Prevalência e intensidade da infecção por parasitas intestinais em crianças na idade escolar na Cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2001;34(1):99 101.

Silva JC, Furtado LFV, Ferro TC, Bezerra KC, Borges EP, Melo ACFL. Parasitismo por Ascaris lumbricoides e seus aspectos epidemiológicos em crianças do Estado do Maranhão. Rev Soc Bras Med Trop. 2011;44(1):100 2.

Araujo CF, Fernández CL. Prevalência de parasitoses intestinais na cidade de Eirunepé, Amazonas. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;38(1):69.

Alves JR, Macedo HW, Ramos Jr AN, Ferreira LF, Gonçalves MLC, Araújo A. Parasitoses intestinais em região semiárida do Nordeste do Brasil: resultados preliminares distintos das prevalências esperadas. Cad Saúde Pública. 2003;19(2):667 70.

Marques SMT, Bandeira C, Quadros RM. Prevalência de enteroparasitoses em Concórdia, Santa Catarina, Brasil. Parasitol Latinoam. 2005;60(1-2):78 81.

Ramos Jr AN, Macedo HW, Chieffi PP, Gonçalves MLC, Carvalho DM, Alves JR, et al. Sobre o resultado de exames parasitológicos de fezes em povoados do entorno do Parque Nacional Serra da Capivara, sudeste do Piauí: um paradoxo. Saúde Coletiva. 2000;5:468 9.

Rey L. Parasitologia. 3a ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2001.

Boeira VL, Gonçalves PARR, Morais FG, Schaedler VM. Educação em saúde como instrumento de controle de parasitoses intestinais em crianças. Varia Scientia. 2010;9(15):35 43.

World Health Organization. The World Health Report 1997. Genebra; 1997.

Rocha GKAM, Cavalcante JAP, Santos PF, Rocha GJA, Medeiros TMD. Prevalência de anemia em crianças e adolescentes portadores de enteroparasitoses. News Lab. 2004;65:118 26.

Roque FC, Borges FK, Signori LGH, Chazan M, Pigatto T, Coser TA, et al. Parasitos intestinais: prevalência em escolas da periferia de Porto Alegre, RS. News Lab. 2005;69:152 62.

Rios L, Cutolo SA, Giatti LL, Castro M, Rocha AA, Toledo RF, et al. Prevalência de parasitos intestinais e aspectos socioambientais em comunidade indígena no Distrito de Iauaretê, município de São Gabriel da Cachoeira (AM), Brasil. Saúde Soc. 2007;16(2):76 86.

Cerqueira EMM, Santos JF, Bringel JML, Correia JE, Luz LAC, Silva PC, et al. Identificação de anemia ferropriva e parasitoses intestinais em um povoado de Feira de Santana, Bahia (Matinha dos Pretos), maio 1999-outubro 2000. Rev Bras Anal Clin. 2007;34(1):53 5.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano nacional de vigilância e controle das enteroparasitoses. Brasília (DF); 2005.

Oliveira AS. História detalhada de Humildes [Internet]. 2000 [citado em 2019 dez 16]. Disponível em: http://distritodehumildes-fsa.blogspot.com.br/p/historia-de-humidls.html

Baldoni AO, Pereira LRL. O impacto do envelhecimento populacional brasileiro para o sistema de saúde sob a óptica da farmacoepidemiologia: uma revisão narrativa. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2011;32(3):313 21.

Bivar W, Abrantes FJ, Ramos RLO, Neto WJS, Simões PCM, Tai DW, et al. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores 2013. 2a ed. Rio de Janeiro (RJ): Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2015.

Pinheiro RS, Viacava F, Travassos C, Brito ADS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2002;7(4):687 707.

Mamus CNC, Moitinho AC, Grube CC, Melo EM, Weiler EB, Abreu CA, et al. Enteroparasitoses em um centro de educação infantil do município de Iretama/PR. SaBios. 2008;3(2):39 44.

Cardoso GDS, Santana ADCD, Aguiar CPD. Prevalência e aspectos epidemiológicos da giardíase em creches no município de Aracaju, SE, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 1995;28(1):25 31.

Cañete R, Díaz MM, García RA, Martinez PML, Ponce FM. Intestinal parasites in children from a day care centre in Matanzas city, Cuba. PLoS One. 2012;7(12):e51394.

Pradhan P, Bhandary S, Shakya PR, Acharya T, Shrestha A. Prevalence of intestinal parasitic infections among public school children in a rural village of Kathmandu Valley. Nepal Med Coll J. 2014;16(1):50 3.

Assis EMD, Oliveira RCD, Moreira LE, Pena JL, Rodrigues LC, Coelho GLLM. Prevalência de parasitos intestinais na comunidade indígena Maxakali, Minas Gerais, Brasil, 2009. Cad Saúde Pública. 2013;29(4):681 90.

Gelatti LC, Pereira ASS, Mendes APS, Jasem DFA, Nascimento FS, Bastos HL, et al. Ocorrência de parasitos e comensais intestinais numa população de escolares da rede pública estadual de ensino do município de Uruaçu, Goiás. Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Saúde e Tecnologia. 2013;3(1):55 65.

Publicado
2021-11-03
Seção
Artigos originais de temas livres