MORTALIDADE E ACOMPANHAMENTO DO DIABETES E DA HIPERTENSÃO NA ATENÇÃO BÁSICA DE UM MUNICÍPIO DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Ivna Vidal Freire Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Jules Ramon Brito Teixeira Universidade Federal da Bahia
  • Mailson Fontes de Carvalho Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
  • Tayana Kayre Assunção Santos Secretaria Municipal de Ubatã
  • Icaro José Santos Ribeiro Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Palavras-chave: Diabetes, Hipertensão, Atenção Primária à Saúde

Resumo

A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e o Diabetes Mellitus (DM) têm elevada morbimortalidade, estando seu descontrole relacionado à baixa taxa de adesão à terapêutica e aos serviços de atenção básica à saúde. Assim, o objetivo deste artigo foi analisar o cadastramento e o acompanhamento de indivíduos acometidos por DM e HAS e verificar a mortalidade relacionada ao DM e a doenças cardiovasculares (DCV) num município do Nordeste brasileiro. Trata-se de um estudo descritivo, com dados do Sistema de Informações da Atenção Básica e de informações de mortalidade da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde, coletados entre os anos de 2008 e 2013. Pôde-se constatar que a média de hipertensos cadastrados e acompanhados foi de 4.364 (± 652) e 3.862 (± 548), e, a de diabéticos, 1.076 (± 222) e 9.68 (± 190), respectivamente. A taxa global de acompanhamento de hipertensos e diabéticos foi de 88,6% e 90,2%, respectivamente. Evidenciou- se diferença estatisticamente significante na comparação do grupo de cadastrados e acompanhados na maioria dos anos estudados (p < 0,001). Identificou-se 178 óbitos por DM e 446 por DCV, dentre as quais prevaleceram doenças isquêmicas do coração e doenças cerebrovasculares. Conclui-se que as taxas de cadastramento e acompanhamento foram consideradas satisfatórias, apontando para a efetividade da atenção básica à saúde dessa população, ainda que consideradas as limitações do estudo. Por fim, evidenciou-se o seguimento da tendência global de elevação das taxas de mortalidade por DM e DCV.

Biografia do Autor

Ivna Vidal Freire, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutoranda em Enfermagem e Saúde pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Bolsista Uesb. Jequié, Bahia, Brasil.

Jules Ramon Brito Teixeira, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Enfermagem. Bolsista do Programa Nacional de Pós Doutorado/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Docente colaborador da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Mailson Fontes de Carvalho, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Ciências da Saúde. Docente da Universidade Federal do Piauí. Picos, Piauí, Brasil.

Tayana Kayre Assunção Santos, Secretaria Municipal de Ubatã

Enfermeira. Secretaria Municipal de Ubatã. Ubatã, Bahia, Brasil.

Icaro José Santos Ribeiro, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutor em Ciências da Saúde. Pesquisador do Grupo de Pesquisa Saúde e Qualidade de Vida (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia). Jequié, Bahia, Brasil.

Referências

Oh J-Y, Allison MA, Barrett-Connor E. Different impacts of hypertension and diabetes mellitus on all-cause and cardiovascular mortality in community-dwelling older adults: the Rancho Bernardo study. J Hypertens. 2017;35(1):55-62.

Ibrahim MM, Damasceno A. Hypertension in developing countries. Lancet. 2012;380(9841):611-9.

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7a Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3, supl. 3):1-83.

Milech A, Oliveira JEP, Vencio S, editores. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). São Paulo (SP): AC Farmaceutica; 2016.

Chockalingam A, Thakur J, Varma S. Evolution of noncommunicable diseases: past, present, and future. Int J Noncommun Dis. 2017;2(1):1-2.

Brasil. Ministério da Saúde. HiperDia: Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos: Manual de Operação. Versão 1.5 M 02. Rio de Janeiro (RJ); 2002.

Contiero AP, Pozati MPS, Challouts RI, Carreira L, Marcon SS. Idoso com hipertensão arterial: dificuldades de acompanhamento na Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúch Enferm. 2009;30(1):62-70.

Oliveira MCF, Rodrigues GM, Monteiro AMZA, Gonçalves FA. Hiperdia: usuários acompanhados pela Estratégia Saúde da Família no bairro da Guanabara. An Congr Bras Med Fam Comunidade. Belém, 2013 Maio;12:1303.

Nielsen JØ, Shrestha AD, Neupane D, Kallestrup P. Non-adherence to anti-hypertensive medication in low- and middle-income countries: a systematic review and meta-analysis of 92443 subjects. J Hum Hypertens. 2017;31(1):14-21.

Siqueira BPJ, Teixeira JRB, Valença Neto PF, Boery EN, Boery RNSO, Vilela ABA. Men and health care in the social representations of health professionals. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2014;18(4):690-6.

Miranda GMD, Mendes ACG, da Silva ALA, Santos Neto PM. A ampliação das equipes de Saúde da Família e o programa Mais Médicos nos municípios brasileiros. Trab Educ Saúde. 2017;15(1):131-45.

Shimizu HE, Carvalho DA Jr. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciênc Saúde Colet. 2012;17(9):2405-14.

Silocchi C, Junges JR. Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab Educ Saúde. 2017;15(2):599-615.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil: Bahia: Ipiaú: informações estatísticas. Rio de Janeiro (RJ); 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2015: saúde suplementar. Brasília (DF); 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes melittus. Cadernos de Atenção Básica, n. 36. Brasília (DF); 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2010: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF); 2011.

Molina CG, Costa EM, Pianezzola R, Silveira SA, Neumann CR. Prevalência de hipertensão e diabetes: comparativo de dados: Siab × prontuários. An Congr Bras Med Fam Comunidade. 2013;12:1545.

Malfatti CRM, Assunção AN. Hipertensão arterial e diabetes na Estratégia de Saúde da Família: uma análise da frequência de acompanhamento pelas equipes de Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(supl. 1):1383-8.

Copque HLF, Trad LAB. Programa Saúde da Família: a experiência de implantação em dois municípios da Bahia. Epidemiol Serv Saúde. 2005;14(4):223-33.

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016 Feb;21(2):327-38.

Santa-Helena ET, Nemes MIB, Eluf Neto J. Fatores associados à não-adesão ao tratamento com anti-hipertensivos em pessoas atendidas em unidades de saúde da família. Cad Saúde Pública. 2010;26(12):2389-98.

Vrijens B, Antoniou S, Burnier M, de la Sierra A, Volpe M. Current situation of medication adherence in hypertension. Front Pharmacol. 2017;8:100.

Malta DC, Stopa SR, Andrade SSCA, Szwarcwald CL, Silva JB Jr, Reis AAC, et al. Cuidado em saúde em adultos com hipertensão arterial autorreferida no Brasil segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol. 2015;18(supl. 2):109-22.

Medeiros ARC, Araújo YB, Vianna RP T, Moraes RM. Decision support model applied to the recognition of non-adherent individuals to antihypertensive therapy. Saúde Debate. 2014;38(100):104-18.

Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres