PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PESSOAS COM HIV/AIDS ATENDIDAS EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

  • Talita Miranda Pitanga Barbosa Universidade do Estado da Bahia https://orcid.org/0000-0001-9794-251X
  • Márcio Costa de Souza Universidade do Estado da Bahia
  • Aníbal de Freitas Santos Júnior Universidade do Estado da Bahia
  • Fernanda Warken Rosa Camelier Universidade do Estado da Bahia https://orcid.org/0000-0003-2067-008X
Palavras-chave: HIV, Síndrome de imunodeficiência adquirida, Perfil de saúde, Coinfecção, Comorbidade

Resumo

Este estudo tem como objetivo descrever o perfil clínico-epidemiológico de pessoas com HIV/Aids acompanhadas pelo Serviço Municipal de Assistência Especializada. Para isso, foi realizado um estudo descrito e retrospectivo, com dados de 125 pessoas acompanhadas pelo serviço, coletados em prontuários. Os dados foram descritos em proporção. Houve predomínio de indivíduos do sexo masculino (61,6%), faixa etária de 20 a 39 anos (37,6%), negros (93,5%), solteiros, separados ou viúvos (50,4%) e heterossexuais (60,0%). Tuberculose foi a coinfecção mais prevalente (9,6%) e sífilis foi a doença mais presente no histórico de coinfecções (28,8%). Ao todo, 48,4% dos indivíduos acessaram o serviço tardiamente e a maioria não fazia uso de drogas (76,0%). A partir das informações coletadas, conclui-se que o perfil clínico-epidemiológico é composto predominantemente de homens, entre 20 e 39 anos, negros, solteiros, separados ou viúvos, heterossexuais e não usuários de droga. Adultos jovens tiveram maior ocorrência de falha terapêutica e a maioria não acessou o serviço tardiamente.

Biografia do Autor

Talita Miranda Pitanga Barbosa, Universidade do Estado da Bahia

Farmacêutica. Especialista em Atenção Farmacêutica e Farmacoterapia Clínica. Farmacêutica no Serviço Municipal de Assistência Especializada (Semae). Salvador, Bahia, Brasil.

Márcio Costa de Souza, Universidade do Estado da Bahia

Fisioterapeuta. Doutor em Medicina e Saúde Humana. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Aníbal de Freitas Santos Júnior, Universidade do Estado da Bahia

Farmacêutico. Doutor em Química. Docente Pleno da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Salvador, Bahia,
Brasil.

Fernanda Warken Rosa Camelier, Universidade do Estado da Bahia

Fisioterapeuta. Doutora em Ciências/Reabilitação. Docente titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).
Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. 2020 Global AIDS Update. Seizing the moment. Tackling entrenched inequalities to end epidemics. Genebra: World Health Organization; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico HIV/AIDS. Brasília (DF); 2019.

Souza CC, Mata LRF, Azevedo C, Gomes CRG, Cruz GECP, Toffano SEM. Interiorização do HIV/AIDS no Brasil: Um estudo epidemiológico. Rev Bras Ciênc Saúde. 2013;11(35):25-30.

Oliveira IBN. Acesso Universal? Obstáculos ao acesso, continuidade do uso e gênero em um Serviço Especializado em HIV/AIDS em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009;25(Supl. 2):S259-68.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo Clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília (DF); 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. O controle da tuberculose no Brasil: avanços, inovações e desafios. Boletim Epidemiológico. 2014;44(2):1-13.

Soares CC, Georg I, Lampe E, Lewis L, Morgado MG, Nicol AF. HIV-1, HBV, HCV, HTLV, HPV-16/18, and Treponemapallidum Infections in a Sample of Brazilian Men Who Have Sex with Men. PLoS One. 2014;9(8):1-8.

Menezes TA, Rodrigues MC, Nogueira BML, Menezes SAF, Silva SHM, Vallinoto ACR. Oral and systemic manifestations in HIV-1 patients. Rev Soc Bras Med Trop. 2015;48(1):83-6.

Carr A, Samaras K, Chisholm D, Cooper A. Pathogenesis of HIV-1-protease inhibitor-associated peripheral lipodystrophy, hyperlipidaemia, and insulin resistance. Lancet. 1998;352:1881-3.

Lazzaretti RK, Gasparotto AS, Sassi MGM, Polanczyk CA, Kuhmmer R, Silveira JM, et al. Genetic Markers Associated to Dyslipidemia in HIV-Infected Individuals on HAART. ScientificWorldJournal. 2013:608415.

Nery MW, Martelli CMT, Turchi MD. Dyslipidemia in AIDS patients on highly active antiretroviral therapy. Braz J Infect Dis. 2011;15(2):151-5.

Rodrigues Neto JF, Lima LS, Rocha LF, Lima JS, Santana KR. Perfil de adultos infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) em ambulatório de referência em doenças sexualmente transmissíveis no norte de Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais. 2010;20(1):22-9.

Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS). The Gap Report [Internet]. Genebra: World Health Organization; 2014 [acesso em 2016 abr 18]. Disponível em: http://files.unaids.org/en/media/unaids/contentassets/documents/unaidspublication/2014/UNAIDS_Gap_report_en.pdf

Brasil. Lei n. 12. 288, de 20 de julho de 2010. Institui o Estatuto da Igualdade Racial. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2010 jul 21.

Affeldt AB, Silveira MF, Barcelos RS. Perfil de pessoas idosas vivendo com HIV/Aids em Pelotas, sul do Brasil, 1998 a 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(1):79-86.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estudos sociodemográficos e análises espaciais referentes aos municípios com a existência de comunidades remanescentes de quilombos: Relatório Técnico Preliminar. Rio de Janeiro (RJ); 2007.

Silva JAG, Dourado I, Brito AM, Silva CAL. Fatores associados à não adesão aos antirretrovirais em adultos com AIDS nos seis primeiros meses da terapia em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015;31(6):1188-98.

Rocha GM, Machado CM, Acurcio FA, Guimarães MDC. Monitoring adherence to antirretroviral treatment in Brazil: an urgent challenge. Cad Saúde Pública. 2011;27(Supl. 1):S67-S78.

Cesar C, Shepherd BE, Jenkins CA, Ghidinelli M, Castro JL, Veloso VG. Use of Third Line Antiretroviral Therapy in Latin America. PLoS One. 2014;9(9):1-8.

Cuzin L, Pugliese P, Allavena C, Katlama C, Cotte L, Cheret A, et al. Comparative Effectiveness of First Antiretroviral Regimens in Clinical Practice Using a Causal Approach. Medicine (Baltimore). 2015;94(39):1-7.

Decloedt EH, Maartens G. Neuronal toxicity of efavirenz: a systematic review. Expert Opin Drug Saf. 2013;12(6):841-6.

Brown LA, Jin J, Ferrell D, Sadic E, Obregon D, Smith AJ, et al. Efavirenz Promotes β-Secretase Expression and Increased Aβ1-40,42 via Oxidative Stress and Reduced Microglial Phagocytosis: Implications for HIV Associated Neurocognitive Disorders (HAND). PLoS One. 2014;9(4):1-9.

Antinori A, Coenen T, Costagiola D, Dedes N, Ellefson N, Gatell J, et al. Late presentation of HIV infection: a consensus definition. HIV Med. 2011;12(1)61-4.

Pharris A, Spiteri G, Noori T, Amato-Gauci AJ. Ten years after Dublin: principal trends in HIV surveillance in the EU/EEA, 2004 to 2013. Euro Surveill. 2014;19(47):1-5.

Dourado I, Lima C, Brignol S, MacCarthy S, Soeiro J, Santos R, et al. Acesso tardio aos serviços de saúde para o cuidado em HIV/Aids em Unidades de Saúde de Salvador-Bahia – Estudo ATASS, Relatório Final. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2011.

Sousa A, Pinto Júnior L. Análise espacial e temporal dos casos de Aids no Brasil em 1996-2011: áreas de risco aumentado ao longo do tempo. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(3):467-76.

Publicado
2021-06-10
Seção
Artigos originais de temas livres