O CONHECIMENTO DE MULHERES SOBRE INCONTINÊNCIA URINÁRIA E ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA: REVISÃO SISTEMATICA

Palavras-chave: Assoalho pélvico, Mulheres, Fisioterapia, Incontinência urinária

Resumo

A incontinência urinária (IU) se manifesta como uma doença crônica de início gradual, com agravamento progressivo. Os tipos de IU mais frequentes no sexo feminino são a de esforço, seguida da de urgência e da IU mista. Este estudo tem como objetivo discutir o conhecimento de mulheres sobre incontinência urinária a respeito da fisioterapia pélvica como opção no tratamento da IU. Para isso, procedeu-se uma revisão sistemática a partir de buscas nas bases de dados eletrônicas SciELO, LILACS, Google Scholar, PEDro e Pubmed, com as palavras-chave orientação, conhecimento, assoalho pélvico, mulheres fisioterapia e incontinência urinária, bem como suas associações e variantes em inglês, restritas a estudos brasileiros publicados em português ou inglês. Foram incluídos estudos observacionais transversais que trataram de alguma forma sobre o conhecimento público a respeito da fisioterapia no tratamento da IU. Foram selecionados dez artigos para revisão. De modo geral, os estudos utilizaram como instrumentos de medida questionários direcionados à análise do de conhecimento das participantes a respeito do tema descrito. Considera-se que o nível de conhecimento acerca da IU, de seus tratamentos e da fisioterapia pélvica em si é insatisfatório. É consenso entre os autores a necessidade de ações e estratégias que promovam a educação em saúde, tanto para profissionais de saúde quanto para os pacientes em si.

Biografia do Autor

Lais Tomasini da Silva

Fisioterapeuta. Especialista em Fisioterapia Pélvica. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Erica Feio Carneiro Nunes, Universidade do Estado do Pará

Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Reabilitação. Docente na Universidade do Estado do Pará. Belém, Pará, Brasil

Gustavo Fernando Sutter Latorre

Fisioterapeuta, Mestre em fisioterapia, Portal Perineo.net. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Lemos A. Fisioterapia obstétrica baseada em evidência. 1a ed. Rio de Janeiro (RJ): Medbook; 2013.

Abrams P, Cardozo L, Fall M, Griffiths D, Rosier P, Ulmsten U, et al. The standardisation of terminology of lower urinary tract function: report from the Standardisation Sub-committee of the international continence society. Am J Obstet Gynecol. 2003;61(1):37-49.

Botelho F, Silva C, Cruz F. Incontinência urinária feminina. Acta Urológica. 2007;24(1):79-82.

Berghmans LCM, Bo K, Bernards N, Grupping-More LM, Bluyssen N, Hendrinks E, et al. Clinical practice guidelines for the physical therapy of patients with stress urinary incontinence. Urodinâmica e uroginecologia. 2003;6(1):119-32.

Seleme M. Incontinência urinária: um problema social de saúde pública [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2006.

Palma PCR, editor. Urofisioterapia: aplicações clínicas e técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. 2a ed. São Paulo (SP): AB Editora; 2014.

Bo K, Berghmans B, Morkved S, Van Kampen M. Evidence based physical therapy for the pelvic floor: bridging science and clinical practice. 2a ed. Londres: Churchill Livingstone; 2015.

Kegel AH. Progressive resistance exercice in the functional restorarion of the perineal muscles. Am J Obstet Gynecol. 1948;56(2):238-48.

Bernards ATM, Berghmans BCM, Slieker-Ten Hove MCP, Staal JB, de Bie RA, Hendriks EJM. Dutch guidelines for physiotherapy in patients with stress urinary incontinence: an update. Int Urogynecol J. 2014;25(2):171-9.

Figueiredo EM, Lara JO, Cruz MC, Quintao DMG, Montereiro MVC. Perfil sociodemográfico e clínico de usuárias de serviço de fisioterapia uroginecológica da rede pública. Rev Bras Fisioter. 2008;12(2):136-42.

Frare JC, Souza FT, Silva JR. Perfil de mulheres com incontinência urinária submetidas a procedimento cirúrgico em um hospital de ensino do sul do país. Sêmina Ciênc Biol Saúde. 2011;32(2):185-98.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia [Internet]. 2002 [citado em 2017 fev 2]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES042002.pdf

Brasil. Agência Nacional de Saúde. Rol de Procedimentos e Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS) [Internet]. 2013 abr 12 [citado em 2017 fev 2]. Disponível em: http://www.ans.gov.br/a-ans/sala-de-noticias-ans/operadoras-e-servicos-de-saude/2010-rol-de-procedimentos-e-terminologia-unificada-da-saude-suplementar

Blanes L, Pinto RCT, Santos VLCG. Urinary incontinence. knowledge and attitudes in São Paulo. Braz J Urol. 2001;47(12):43-51.

Costa JVO, Alonso KA, Santos MB, Cunha SLF, Del Rosso RCBM. Avaliação do conhecimento em mulheres participantes da III feira de saúde da universidade Lusíada realizada em outubro de 2004 sobre o tratamento fisioterapêutico na incontinência urinária de esforço. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa. 2005;2(3):13-6.

Araújo EMC, Reis NL, Yamauchi S. Conhecimento e prática de fortalecimento dos músculos do assoalho pélvico em academias de ginástica. Rev Bras Fisioter. 2007;11:11-20.

Silva L, Lopes MHBM. Incontinência urinária em mulheres: razões da não procura por tratamento. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(1):72-78.

Carrara T, Omai F, Freitas CD. Avaliação do nível de orientação das mulheres sobre a prevenção e tratamentos da incontinência urinária durante a gestação. Fisioterapia Ser. 2009;4(4):234-7.

Carrara T, Araujo MS, Kinequita DS, Nascimento JMA. Avaliação do nível de orientação das mulheres no climatério sobre o papel da fisioterapia na prevenção e no tratamento da incontinência urinária. RBCEH. 2012;9(2):171-9.

Prado DS, Lima TIA, Mota VPLP. Conhecimento sobre incontinência urinária em dois grupos de mulheres de diferentes níveis socioeconômicos. Rev Bras Cien Med Saúde. 2013;2(2):12-7.

Alves AT, Gadia F, Rocha C, Jacomo RH, Menezes RL, Karnikowiski MO. Nível de conhecimento sobre a incontinência urinária e tratamento fisioterapêutico no município de Cidade Ocidental/GO. Fisioterapia Brasil. 2013;14(3):177-82.

Kasawara KT, Oliveira JM, Carneiro MCAS, Dias LB, Carvas Junior N. Assessing knowledge on pelvic floor muscles and role of physiotherapy in urogynecology among Internet users. HealthMED. 2015;9(10):419-24.

Kaestner KT, Roza T, Virtuoso JF, Luz SCT. Eficácia da dinâmica de grupo em educação em saúde em mulheres com incontinência urinária. Arq Ciênc Saúde. 2016;23(2):54-9.

Guarasi L, Pinto-Neto AM, Osis MJ, Orcesi A. Procura de serviço médico por mulheres com incontinência urinária. Rev Bras Ginecol Obstet. 2001;23(7):439-43.

Figueiredo EL, Baracho SM, Vaz CT, Sampaio RF. Educação de funcionárias de unidade básica de saúde acerca da atenção fisioterapêutica na incontinência urinária: relato de experiência. Fisioter Pesqui. 2012;19(2):103-8.

Marques A. Tratado de Fisioterapia em Saúde da Mulher. São Paulo (SP): Roca; 2011.

Volkmer C, Monticelli M, Reibnitz KS, Bruggemann OM, Sperandio FF. Incontinência urinária feminina: revisão sistemática de estudos qualitativos. Cien Saude Colet. 2012;17(10):2703-15.

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres