ENTREVISTA MOTIVACIONAL COMO UMA FERRAMENTA NO PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

  • Gabriela de Luca Meyer Grupo Hospitalar Conceição
  • Ramona Fernanda Ceriotti Toassi Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Elisabeth Meyer Fundação Universitária de Cardiologia
  • Daniel Demétrio Faustino-Silva Grupo Hospitalar Conceição
Palavras-chave: Entrevista motivacional, Agentes comunitários de saúde, Atenção primária à saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

A entrevista motivacional (EM) caracteriza-se como uma forma refinada de guiar uma conversa por meio de estratégias específicas que buscam estimular mudanças de comportamento. Esta pesquisa teve como objetivo compreender a apropriação dos conceitos e técnicas da EM por agentes comunitários de saúde após treinamento específico realizado em um serviço de atenção primária à saúde (APS) no Sul do Brasil. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa que incluiu a participação de agentes comunitários de saúde (ACS) em um grupo focal. O material textual produzido foi analisado pela técnica da análise temática de conteúdo. As três categorias que emergiram do grupo focal destacaram expectativas e lembranças do treinamento em conceitos de EM, com significados para o trabalho do ACS, e suas possibilidades e desafios. Os ACS expressaram conexões dos aprendizados durante treinamento às situações de trabalho e de vida pessoal. Desafios foram identificados na aplicação da EM por questões relacionadas ao tempo para realizar uma visita domiciliar, à intensa demanda no trabalho diário, às mudanças no processo de trabalho e à realização de atividades administrativas. A EM mostrou-se uma ferramenta apropriada e viável para a prática profissional dos ACS no contexto da APS.

Palavras-chave: Entrevista motivacional. Agentes comunitários de saúde. Atenção primária à saúde. Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

Gabriela de Luca Meyer, Grupo Hospitalar Conceição

Odontóloga. Especialista em Saúde da Família e Comunidade. Residente Multiprofissional em Saúde no Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Odontóloga. Doutora em Educação. Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Elisabeth Meyer, Fundação Universitária de Cardiologia

Odontóloga. Doutora em Educação. Professora Adjunta da Faculdade de Odontologia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino na Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Daniel Demétrio Faustino-Silva, Grupo Hospitalar Conceição

Odontólogo. Doutor em Saúde Bucal Coletiva. Professor do Programa de Pós-Graduação em Avaliação de Tecnologias para o Sistema Único de Saúde no Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Referências

1. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): Unesco/Ministério da Saúde; 2002.
2. Brasil. Decreto nº 3.189, de 4 de outubro de 1999. Fixa diretrizes para o exercício da atividade de Agente Comunitário de Saúde (ACS), e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF): 1999 out 5. Seção 1, p. 1.
3. Brasil. Ministério da Saúde. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília (DF); 2009.
4. Peres CRF, Caldas AL Jr, Silva RF, Marin MJS. Ser agente comunitário de saúde: motivação e significado. REME Rev Min Enferm. 2010;14(4):559-65.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático do Programa Saúde da Família. Brasília (DF); 2001.
6. Bornstein VJ, Stotz EN. Concepções que integram a formação e o processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: uma revisão da literatura. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(1):259-68.
7. Nogueira ML, Oliveira MGA, Morel AP, Lopes MCR. A educação popular em saúde como base da preceptoria na formação técnica de agentes comunitários de saúde. Rev APS. 2015;18(4):438-46.
8. Nunes, MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1639-46.
9. Souza FP, Silva EM, Boff RM, Trindade MT, Oliveira MS. Características do treinamento em entrevista motivacional. Aletheia. 2012;1(38-39):186-95.
10. Östlund AS, Wadensten B, Kristofferzon ML, Haggström E. Motivational interviewing: experiences of primary care nurses trained in the method. Nurse Educ Pract. 2012;15(2):111-8.
11. Curry-Chiu ME, Catley D, Voelker MA, Bray KK. Dental hygienists’ experiences with motivational interviewing: a qualitative study. J Dent Educ. 2015;79(8):897-906.
12. VanBuskirk KA, Wetherell JL. Motivational interviewing with primary care populations: a systematic review and meta-analysis. J Behav Med. 2014;37(4):768-80.
13. Rubak S, Sandbæk A, Lauritzen T, Christensen B. Motivational interviewing: a systematic review and meta-analysis. Br J Gen Pract. 2005;513(55):305-12.
14. Miller WR, Rollnick, S. Motivational interviewing: helping people change. 2a ed. New York: Guilford Press; 2012.
15. Miller WR, Rollnick S. Entrevista motivacional: preparando as pessoas para a mudança de comportamentos adictivos. Porto Alegre (RS): Artmed; 2001.
16. Rollnick S, Miller WR, Butler CC. Entrevista motivacional no cuidado da saúde: ajudando pacientes a mudar comportamento. Porto Alegre (RS): Artmed; 2009.
17. Brobeck E, Odencrants S, Bergh H, Hildingh C. Patients’ experiences of lifestyle discussions based on motivational interviewing: a qualitative study. BMC Nursing. 2014;13(13):1-7.
18. Barros RS, Botazzo C. Subjetividade e clínica na atenção básica: narrativas, histórias de vida e realidade social. Ciênc Saúde Colet. 2011;16(11):4337-48.
19. Monteiro MM, Figueiredo VP, Machado MFAS. Formação do vínculo no Programa de Saúde da Família numa Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(2):358-64.
20. Pinheiro PM, Oliveira LC. A contribuição do acolhimento e do vínculo na humanização da prática do cirurgião-dentista no Programa Saúde da Família. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(36):187-98.
21. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF); 2012.
22. Codern-Bové N, Pujol-Ribera E, Pla M, González-Bonilla J, Granollers S, Ballvé JL, et al. Motivational interviewing interactions and the primary health care challenges presented by smokers with low motivation to stop smoking: a conversation analysis. BMC Public Health. 2014;14:1225.
23. Moyers TB, Martin T, Christopher PJ, Houck JM, Tonigan JS, Amrhein PC. Client language as a mediator of motivational interviewing efficacy: where is the evidence? Alcohol Clin Exp Res. 2007;31(3):40-7.
24. Moyers TB, Martin T, Christopher PJ, Houck JM, Tonigan JS, Amrhein PC. From in-session behaviors to drinking outcomes: a causal chain for motivational interviewing. J Consult Clin Psychol. 2009;77(6):1113-24.
25. Minayo MCS, Deslandes SF, Cruz Neto O, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21a ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2002.
26. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.
27. Noronha MGRCS, Cardoso PS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? Ciênc Saúde Colet. 2009;14(2):497-506.
28. Gomes KO, Cotta RMM, Mitre SM, Batista RS, Cherchiglia ML. O agente comunitário de saúde e a consolidação do Sistema Único de Saúde: reflexões contemporâneas. Physis. 2010;20(4):1143-64.
29. Costa MC, Silva EB, Jahn AX, Resta DG, Colom ICS, Carli R. Processo de trabalho dos agentes comunitários de saúde: possibilidades e limites. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(3):134-40.
30. Miller WR, Baca LM. Two-year follow-up of bibliotherapy and therapist-directed controlled drinking training for problem drinkers. Behav Ther. 1983;14(3):441-8.
31. Ferraz L, Aerts DRGC. O cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(2):347-55.
Publicado
2020-08-12
Seção
Artigos originais de temas livres