PRÁTICAS DE ALEITAMENTO MATERNO: CONCEPÇÕES DAS TRABALHADORAS DE SAÚDE DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE SALVADOR

  • Lais Alves Porto Universidade do Estado da Bahia
  • Raquel Neves Valente Hospital Geral Roberto Santos
  • Clara Oliveira Esteves Universidade Veiga de Almeida
  • Julia Escalda Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Aleitamento materno, Unidade de terapia intensiva neonatal, Saúde pública

Resumo

As políticas públicas voltadas para o incentivo ao aleitamento materno compreendem todos os níveis de atenção à saúde, desde as unidades básicas até as hospitalares. Este estudo teve como objetivo descrever e analisar concepções de trabalhadoras de um hospital público de Salvador (BA) sobre práticas de saúde para a promoção do aleitamento materno no hospital. Para tanto, optou-se como percurso metodológico pela realização de grupos focais a fim de proporcionar o compartilhamento de experiências e vivências entre as trabalhadoras. As participantes do estudo eram trabalhadoras dos setores de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI-Neo), Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo) e Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa). Os grupos focais foram gravados em áudio, transcritos integralmente e analisados quanto aos seus conteúdos temáticos. A análise temática das falas das participantes resultou em reflexões sobre o processo de trabalho no hospital; concepções e práticas de aleitamento materno; acolhimento e conhecimento popular e científico das participantes. Tendo em vista os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), as trabalhadoras de saúde procuram sustentar suas práticas de cuidado em uma atenção à saúde integral, humanizada, equânime e universal. O estudo produziu reflexões acerca das ações de saúde realizadas, incentivando mudanças no processo do cuidar em saúde. Práticas educativas dialógicas para a produção de saúde podem ser utilizadas como propulsoras de transformação.

Palavras-chave: Aleitamento materno. Unidade de terapia intensiva neonatal. Saúde pública.

Biografia do Autor

Lais Alves Porto, Universidade do Estado da Bahia

Fonoaudióloga. Salvador, Bahia, Brasil.

Raquel Neves Valente, Hospital Geral Roberto Santos

Fonoaudióloga. Especialista em Fonoaudiologia Hospitalar. Salvador, Bahia, Brasil.

Clara Oliveira Esteves, Universidade Veiga de Almeida

Fonoaudióloga. Doutora em Linguística. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Julia Escalda, Universidade do Estado da Bahia

Fonoaudióloga. Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde. Docente da Universidade do Estado da Bahia. Salvador, Bahia, Brasil.

Referências

1. Lima IMSO, Leão TM, Alcântara MAR. Proteção legal à amamentação, na perspectiva da responsabilidade da família e do Estado no Brasil. Rev Direito Sanit. 2013;14(3):66-90.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido: método canguru, manual técnico. 3a ed. Brasília (DF); 2017.
3. Costa R, Padilha MI, Monticelli M, Ramos FRS, Borenstein MS. Políticas públicas de saúde ao recém-nascido no Brasil: reflexos para a assistência neonatal. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2010;1(1):55-68.
4. Mello AO, Cesar E, Beltrame MV, Heberle R. O discurso sanitarista como discurso político e ideológico na República Velha. Rev Historiador. 2010;(3):92-106.
5. Oliveira MIC, Hartz ZMA, Nascimento VC, Silva KS. Avaliação da implantação da iniciativa hospital amigo da criança no Rio de Janeiro, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2012;12(3):281-95.
6. Figueredo SF, Mattar MJG, Abrao ACFV. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: uma política de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno. Acta Paul Enferm. 2012;25(3):459-63.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru, manual técnico. 2a ed. Brasília (DF); 2011.
8. Maricondi MA, Chiesa AM. A transformação das práticas educativas em saúde no sentido da escuta como cuidado e presença. Ciênc Cuid Saúde. 2010;9(4):704-12.
9. Freire P, Ira S. O que é “método dialógico” de ensino? O que é uma “pedagogia situada” e empowerment? In: Freire P, Ira S. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 13a ed. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 2011. p. 64-77.
10. Santana MCCP, Goulard BNG, Chiari BM, Melo AM, Silva EHAA. Aleitamento materno em prematuros: atuação fonoaudiológica baseada nos pressupostos da educação para promoção da saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(2):411-7.
11. Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface Comun Saúde Educ. 2000;4(6):109-16.
12. Sociedade Brasileira de Pediatria. Infra-estrutura para atendimento integral ao recém-nascido: documento científico do Departamento de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Rio de Janeiro (RJ); 2010.
13. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.
14. Faria HP, Werneck MAF, Santos MA, Teixeira PF. Processo de trabalho em saúde. 2a ed. Belo Horizonte (MG): Nescon; 2009.
15. Lopes SS, Laignier MR, Primo CC, Leite FMC. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: avaliação dos Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno. Rev Paul Pediatr. 2013;31(4):488-93.
16. Souza KMO, Ferreira SD. Assistência humanizada em UTI neonatal: os sentidos e as limitações identificadas pelos profissionais de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(2):471-80.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS. Brasília (DF); 2011.
18. Sampaio J, Santos GC, Agostini M, Salvador AS. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface Comun Saúde Educ. 2014;18(2):1299-312.
19. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília (DF): Organização Pan-Americana de Saúde; 2011.
20. Strasburg AC, Pintanel AC, Gomes GC, Mota MS. Cuidado de enfermagem a crianças hospitalizadas: percepção de mães acompanhantes. Rev Enferm UERJ. 2011;19(2):262-7.
21. Santos EM, Agra GFA. “Só o leite materno!”: significados de nutrizes sobre o aleitamento materno exclusivo. Semina Cienc Biol Saúde. 2016;37(2):93-106.
Publicado
2020-08-12
Seção
Artigos originais de temas livres