GEOGRAFIA E SAÚDE NA GRADUAÇÃO EM MEDICINA: VIVÊNCIAS DE TERRITORIALIZAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Palavras-chave: Serviços de integração docente-assistencial, Saúde Coletiva, Atenção Primária à Saúde, Mapeamento Geográfico

Resumo

A formação em saúde vem sendo discutida e repensada no sentido de torná-la mais coerente com as demandas sociais e as necessidades do Sistema Único de Saúde. A inserção dos estudantes em serviços de saúde desde o início da graduação desponta como um dispositivo com potencial no sentido de gerar as transformações almejadas. Este trabalho objetiva relatar a experiência de quatro estudantes do curso de medicina de uma universidade pública do Sul do Brasil, no componente curricular Saúde Coletiva II, durante as vivências realizadas em um Centro de Saúde da Família (CSF). Inicialmente, os estudantes continuaram aprofundando os conhecimentos relacionados ao território e ao serviço – iniciados no semestre anterior – realizando visitas domiciliares e explorando as questões relacionadas à vigilância em saúde. No decorrer das vivências, percebeu-se que o CSF não havia realizado o processo de territorialização, uma vez que a transição para a Estratégia Saúde da Família ocorreu recentemente. O grupo propôs, então, auxiliar umas das Agentes Comunitárias de Saúde (ACS) na construção de um mapa inteligente de sua microárea de atuação, e em um segundo momento a atividade foi socializada com os demais ACS e membros da equipe. A experiência revelou que as vivências no CSF proporcionaram reflexões, inquietações, busca de respostas e construção de conhecimento significativo para os alunos envolvidos. Com vistas a criar o mapa inteligente, os estudantes refletiram sobre o território, o processo saúde-doença, a vigilância em saúde, dentre outros temas. Percebe-se, ainda, que a presença dos alunos no serviço movimentou a equipe, contribuindo para a educação permanente.

Biografia do Autor

João Victor Garcia de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul

Estudante de medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Jane Kelly Oliveira Friestino, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva área Epidemiologia. Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Graciela Soares Fonsêca, Universidade Federal da Fronteira Sul

Cirurgiã-dentista. Doutora em Ciências Odontológicas. Docente da Universidade Federal da Fronteira Sul. Chapecó, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Almeida Filho N, Lopes AA, Santana LAA, Santos VP, Coutinho D, Cardoso AJC, et al. Formação Médica na UFSB: II. O Desafio da Profissionalização no Regime de Ciclos. Rev Bras Educ Med. 2015;39(1):123-34.

Campos FE, Ferreira JR, Feuerwerker L, Sena RR, Campos JJB, Cordeiro H, et al. Caminhos Para Aproximar a Formação de Profissionais de Saúde das Necessidades da Atenção Básica. Rev Bras Educ Med. 2001;25(2):53-9.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução n. 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2014 jun 23, seção 1, p. 8-11.

Vasconcelos RNC, Ruiz EM. Formação de médicos para o SUS: a integração ensino e Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Bras Educ Med. 2015;39(4):630-8.

Franco TB. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do Sistema de Saúde no Brasil. Interface (Botucatu). 2007;11(23):427-38.

Rios DRS, Veras RM, Caputo MC. Permanecersus, interface educação/serviço e possíveis contribuições na formação em saúde: visão dos estudantes participantes. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;39(4):687-705.

Moura D, Andrade LR. A experiência do programa ‘estágio de vivências’ no Sistema Único de Saúde da Bahia para Formação em Saúde. Rev Baiana Saúde Pública. 2015;39(2):460-9.

Restom AG, Riechelmann JC, Machado VMP, Machado JLM. Representação social das vivências de estudantes no curso de medicina. Rev Bras Educ Med. 2015;39(3):370-7.

Brasil. Universidade Federal da Fronteira Sul. Campus Chapecó. Medicina. Perfil do Curso [Internet]. 2015 [citado em 2017 jul 10]. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/campi/chapeco/cursos/graduacao/medicina/perfil-do-curso

Universidade Federal da Fronteira Sul. Projeto Pedagógico do curso de Graduação em Medicina – Bacharelado [Internet]. Chapecó (SC); 2018 [citado em 2021 mar 30]. Disponível em: https://www.uffs.edu.br/atos-normativos/ppc/ccmech/2018-0001

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. Chapecó [Internet]. c2017 [citado em 2017 nov 5]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sc/chapeco/panorama

Frutuoso MFP, Mendes R, Rosa KRM, Silva CRC. Gestão local de saúde em território de vulnerabilidade: motivações e racionalidades. Saúde debate. 2015;39(105):337-49.

Monken M, Barcellos C. Vigilância em saúde e território utilizado: possibilidades teóricas e metodológicas. Cad Saúde Pública. 2005;21(3):898-906.

Faria RM, Bortolozzi A. Espaço, território e saúde: contribuições de Milton Santos para o tema da geografia da saúde no brasil. RA'EGA. 2009;17:31-41.

Mendes EV. Distritos Sanitários: Processo social de mudanças nas práticas sanitárias para sistema único de saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 1993.

Garcia ACP, Lima RCD, Galavote HS, Coelho APS, Vieira ECL, Silva RC, et al. Agente comunitário de saúde no espírito santo: do perfil às atividades desenvolvidas. Trab Educ Saúde. 2017;15(1):283-300.

Macedo MCS, Romano RAT, Henriques RLM, Pinheiro R. Cenários de aprendizagem: interseção entre os mundos do trabalho e da formação. In: Pinheiro R, Ceccim RB, Mattos RA, editores. Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2011. p. 229-250.

Guizardi FL, Stelet BP, Pinheiro R, Ceccim RB. A formação de profissionais orientada para a integralidade e as relações político-institucionais na saúde: uma discussão sobre ensino-trabalho. In: Pinheiro R, Ceccim RB, Mattos RA, editores. Ensinar saúde: a integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2011. p. 153-177.

Fonseca GS, Junqueira SR, Zilbovicius C, Araujo ME. Educação pelo trabalho: reorientando a formação de profissionais da saúde. Interface (Botucatu). 2014;18(50):571-83.

Sanchez HF, Drumond MM, Vilaça EL. Adequação de Recursos Humanos ao PSF: Percepção de Formandos de Dois Modelos de Formação Acadêmica em Odontologia. Cienc Saúde Coletiva. 2008;13(2):523-31.

Santa-Rosa TTA, Vargas AMD, Ferreira EF. Rural internship and the formation of dental students at UFMG. Interface (Botucatu). 2007;11(23):451-66.

Campos FE, Ferreira JR, Feuerwerker L, Sena RR., Campos JJB, Cordeiro H, et al. Ensino da saúde na integralidade: a educação dos profissionais de saúde no SUS. In: Pinheiro R, Ceccim RB, Mattos RA. Ensinar saúde: a integralidade e o sus nos cursos de graduação na área da saúde. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2011. p. 69-92.

Fonseca GS. Formação pela experiência: revelando novas faces e rompendo os disfarces da odontologia ‘In Vitro’ [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2015.

Kastrup V. Um mergulho na experiência: uma política para a formação dos profissionais de saúde. In: Capolozzo AA, Casetto SJ, Henz AO, organizadores. Clínica Comum: itinerários de uma formação em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2013.

Publicado
2019-11-01
Seção
Relato de experiências