O PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NA RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL: O PAPEL DO PSICÓLOGO NA ESF

  • Camila Maffioleti Cavaler Universidade Federal de Santa Catarina
  • Marieli Mezari Vitali Universidade Federal de Santa Catarina
  • Amanda Castro Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Jacks Soratto Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Graziela Amboni Universidade do Extremo Sul Catarinense
Palavras-chave: Saúde pública, Estratégia Saúde da Família, Formação profissional, Participação da comunidade

Resumo

O presente trabalho versa sobre o papel do psicólogo na Estratégia Saúde da Família (ESF), com base no contexto da residência multiprofissional. Trata-se de uma pesquisa integrativa, com base nos artigos sugeridos no edital da residência multiprofissional Unesc nº 270/2017 que compreendem os conhecimentos de psicologia. A análise dos resultados se deu com o auxílio do software Atlas TI 8.2.32. O artigo foi divido em 21 códigos, agrupados em quatro categorias, sendo elas: função do psicólogo na ESF, com dez códigos; psicólogo na ESF – dificuldades, com sete códigos; aspectos sociais, com seis códigos; e prestação de contas, com dois códigos. Os resultados mostram a importância do psicólogo na equipe da ESF no que diz respeito ao contato com a população e à troca de conhecimentos com a comunidade para compreender quais comportamentos e subjetividades estão envolvidos na prática da promoção de saúde. Os artigos versam também acerca da importância da reestruturação da identidade do psicólogo, que por vezes tem sua representação social atrelada ao atendimento clínico, problematizando ainda o fortalecimento de tal representação nas grades curriculares das graduações. Entende-se, por fim, que o psicólogo que atua na saúde pública deve ter seu trabalho pautado nas diretrizes do Sistema Único de Saúde, entendendo que a população deve estar no centro do diálogo de modo a desenvolver a autonomia dos sujeitos. Para tanto, percebe-se a necessidade de formações continuadas que instrumentalizem o trabalho do psicólogo diante da população.

Biografia do Autor

Camila Maffioleti Cavaler, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Criciúma, Santa Catarina, Brasil.

Marieli Mezari Vitali, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Criciúma, Santa Catarina, Brasil.

Amanda Castro, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Psicóloga. Doutora em Psicologia. Docente de Psicologia na Universidade do Extremo Sul Catarinense e na Faculdade Estácio de Sá. Criciúma, Santa Catarina, Brasil.

Jacks Soratto, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Doutor em Enfermagem. Docente no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Graziela Amboni, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Mestre em Ciências da Saúde. Docente de Psicologia na Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Referências

Organização Mundial da Saúde. Declaração de Alma-Ata [Internet]. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários em Saúde. Alma-Ata; 12 set 1978 [citado em 2018 abr 25]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf

Andrade LOM, Bueno ICHC, Bezerra RC. Atenção Primária à Saúde e Estratégia Saúde da Família. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond M Jr, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo: Hucitec; 2012. p. 783-836.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1990 set 19. Seção 1, p. 1.

Spink MJP. Psicologia social e saúde: trabalhando com a complexidade. Quad Psicol. 2010;12(1):41-56.

Brasil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 28 jun 2011. Seção 1, p. 1.

Rouquayrol MZ. Contribuição da epidemiologia. In: Campos GWS, Minayo MCS, Arkeman M, Drumond Junior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2012. p. 319-74.

Conselho Nacional de Secretários da Saúde. A atenção primária e as redes de atenção à saúde. Brasília (DF); 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 28 mar 2006.

Spink MJP. Psicologia social e saúde: práticas, saberes e sentidos. Petrópolis (RJ): Vozes; 2003.

Costa M. La terapia de conducta em la salud comunitaria. Anu Psicol. 1984;30:111-26.

Aguiar SG, Ronzani TM. Psicologia social e saúde coletiva: reconstruindo identidades. Psicol Pesqui. 2007;1(2):11-22.

Brasil. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 24 abr 2002. Seção 1, p. 1.

Brasil. Ministério da Educação. Ministério da Saúde. Portaria interministerial nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde e a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 12 nov 2018. Seção 1, p. 7.

Universidade do Extremo Sul Catarinense. O programa [Internet]. Criciúma (SC); 2018 [citado em 2020 ago 27]. Disponível em: http://www.unesc.net/portal/capa/index/344/6414/

Costa ACS, Azevedo CC. A integração ensino-serviço e a residência multiprofissional em saúde: um relato de experiência numa unidade básica. Tempus – Actas Saúde Colet. 2016;10(4):265-82.

Conselho Federal de Psicologia. Como a psicologia pode contribuir para o avanço do SUS: orientação para gestores. 2a ed. Brasília (DF); 2013.

Calatayud FM. Introducción a la psicología de la salud. Buenos Aires: Paido Iberica; 1999.

Flick U. Introdução à pesquisa qualitativa 3. Porto Alegre (RS): Artmed; 2008.

Justicia JM. Análisis cualitativo de datos textuales con ATLAS.ti 5. Barcelona: Universitat Autònoma de Barcelona; 2005.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

Jimenez L. Psicologia na atenção básica à saúde: demanda, território e integralidade. Psicol Soc. 2011;23:129-39.

Prates LG, Nunes LP. A (re)construção do lugar do psicólogo na saúde pública: das quatro paredes do centro de saúde para os lares. Pesqui Prát Psicossociais. 2009;4(1):96-101.

Matos MG. Psicologia da saúde, saúde pública e saúde internacional. Anál Psicol. 2004;22(3):449-62.

Buss PM, Pelegrini Filho A. A saúde e seus determinantes sociais. Phisys. 2007;17(1):77-93.

Cezar PK, Rodrigues PM, Arpini DM. A psicologia na estratégia de saúde da família: vivências da residência multiprofissional. Psicol Ciênc Prof. 2015;1(35):211-24.

Costa Neto MM, organizador. A implantação da unidade de saúde da família. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2000.

Luz MT. Especificidade da contribuição dos saberes e práticas das ciências sociais e humanas para a saúde. Saúde Soc. 2011;20(1):22-31.

Costa DFC, Olivo VMF. Novos sentidos para a atuação do psicólogo no Programa Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(1):1385-94.

Poupel PF. Psicologia na saúde pública. Ecos. 2014;4(2):193-200.

Rozemberg B. Comunicação e participação em saúde. In: Campos GWS, Minayo MCS, Arkeman M, Drumond M Jr, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. 2a ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2012. p. 741-66.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Debate. 2014;38(102):593-606.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis. 2004;14(1):41-65.

Souza ALM, Garbinato LR, Martins RPS. A atuação do psicólogo no sistema único de saúde: uma revisão. Interbio. 2012;6(1):54-66.

Ferreira Neto JL. A atuação do psicólogo no SUS: análise de alguns impasses. Psicol Ciênc Prof. 2010;30(2):390-403.

Oliveira IF, Dantas CMB, Costa ALF, Silva FL, Alverga AR, Carvalho DB, et al. O psicólogo nas unidades básicas de saúde: formação acadêmica e prática profissional. Interações. 2004;9(17):71-89.

Yamamoto OH. Questão social e políticas públicas: revendo o compromisso da psicologia. In: Bock AMB, organizadora. Psicologia e compromisso social. 2a ed. São Paulo (SP): Cortez; 2009. p. 37-54.

Pires ACT, Braga TMS. O psicólogo na saúde pública: formação e inserção profissional. Temas Psicol. 2009;17(1):151-62.

Martinez AM. Psicologia e compromisso social: desafio para a formação do psicólogo. In: Bock AMB, organizadora. Psicologia e compromisso social. 2a ed. São Paulo (SP): Cortez; 2009. p. 143-62.

Silva RB, Carvalhaes FF. Psicologia e políticas públicas: impasses e reinvenções. Psicol Soc. 2016;28(2):271-56.

Silva FR, Pinheiro R, Machado RO, Durans PHS. Saúde, trabalho e integralidade no âmbito do SUS: cartografia e apoio institucional. In: Guanaes-Lorenzi C, Motta CCL, Borges LM, Zurba MC, Vecchia MD, organizadores. Psicologia social e saúde: da dimensão cultural à político-institucional. Florianópolis (SC): Abrapso; 2015. p. 424-39.

Benevides R. A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces? Psicol Soc. 2005;17(2):21-5.

Freire P. Extensão ou comunicação? 7a ed. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 1983.

Publicado
2020-10-20
Seção
Artigos originais de temas livres