SUICÍDIOS NA PRÉ-ADOLESCÊNCIA, ADOLESCÊNCIA E EM ADULTOS JOVENS: COMPARAÇÃO DA CAPITAL GOIÂNIA COM O MUNICÍPIO DE MINEIROS

  • Tânya Marques Cardoso Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Camila Botelho Miguel Centro Universitario de Mineiros
  • Renata Célia Moraes Cunha Vasconcelos Faculdade Morgana Potrich
  • Ferdinando Agostinho Universidade de Rio Verde
  • Karlla Kristinna Almeida Medeiros Secretaria Municipal de Educação
  • Wellington Francisco Rodrigues Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Palavras-chave: Suicídio, Adolescência, Juventude, Saúde Coletiva

Resumo

O suicídio é um ato que interroga a relação de sentido com a existência, assunto geralmente evitado pela sociedade. Considerando o aumento do suicídio entre indivíduos jovens bem como as altas prevalências na região Centro-Oeste do país, neste estudo, objetivou-se relacionar os índices de suicídios da capital Goiânia a uma cidade do interior da região Centro-Oeste (Mineiros-GO), nos períodos da pré-adolescência, adolescência e em adultos jovens. Para isso, foi consultada base de dados do Ministério da Saúde, em um período de 10 anos (2006 a 2015). Fatores como sexo e causa da morte foram considerados. Os dados analisados, quantitativamente, permitiram apontar um número maior de suicídios entre os adultos jovens, em relação ao período da pré-adolescência e adolescência, o que pode ser relacionado com algumas características desses momentos contíguos da vida dos sujeitos e de seus contextos locais. Os dados também indicaram que o município de Mineiros apresentou índices maiores em comparação com a capital se relacionado ao número de mortes por enforcamento. Contudo, os dados permitem fortalecer de que as políticas públicas se fazem precisas e urgentes para atendimento desse público, não somente em grandes centros urbanos, mas também em municípios de pequeno e médio porte do interior dos estados brasileiros.

Palavras-chave: Suicídio. Adolescência. Juventude. Saúde coletiva.

Biografia do Autor

Tânya Marques Cardoso, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Musicoterapeuta e Psicóloga. Doutora em Psicologia e Sociedade. Assis, São Paulo, Brasil.

Camila Botelho Miguel, Centro Universitario de Mineiros

Doutora em Ciências da Saúde. Pós-doutorado em curso na Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Docente do Centro Universitário de Mineiros. Mineiros, Goiás, Brasil.

Renata Célia Moraes Cunha Vasconcelos, Faculdade Morgana Potrich

Psicóloga. Especialista em Neuropsicologia. Mineiros, Goiás, Brasil

Ferdinando Agostinho, Universidade de Rio Verde

Fisioterapeuta. Mestre em Gerontologia. Professor adjunto da Universidade de Rio Verde. Rio Verde, Goiás, Brasil.

Karlla Kristinna Almeida Medeiros, Secretaria Municipal de Educação

Nutricionista. Mestre em Gerontologia. Rio Verde, Goiás, Brasil.

Wellington Francisco Rodrigues, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutor em Ciências da Saúde. Pós-doutorado em curso na Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal e Nível Superior.

Referências

1. Clayton T, Radcliffe N. Sustainability: a systems approach. London: Routledge; 2018.
2. Pieterse JN. Globalization and culture: global mélange. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers; 2019.
3. Lovisi GM, Santos SA, Legay L, Abelha L, Valencia E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(2):S86-93.
4. Reyes‐Portillo JA, Lake AM, Kleinman M, Gould MS. The relation between descriptive norms, suicide ideation, and suicide attempts among adolescents. Suicide Life Threat Behav. 2019:49(2):535-46.
5. Souza ERd, Minayo MCdS, Malaquias JV. Suicide among young people in selected Brazilian State capitals. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):673-83.
6. Hertzman MA. Fatal differences: suicide, race, and forced labor in the Americas. Am Hist Rev. 2017;122(2):317-45.
7. Rogers JR. Theoretical grounding: the “missing link” in suicide research. J Couns Dev. 2001;79(1):16-29.
8. Schmidtke A, Bille‐Brahe U, DeLeo D, Kerkhof A, Bjerke T, Crepef P, et al. Attempted suicide in Europe: rates, trend. S and sociodemographic characteristics of suicide attempters during the period 1989–1992: results of the WHO/EURO Multicentre Study on Parasuicide. Acta Psychiatr Scand. 1996;93(5):327-38.
9. Platt S. Unemployment and suicidal behaviour: a review of the literature. Soc Sci Med. 1984;19(2):93-115.
10. Ribeiro KCS, Medeiros CS, Coutinho MPL, Carolino ZCG. Representações sociais e sofrimento psíquico de adolescentes com sintomatologia depressiva. Psicol Teor Prát. 2012;14(3):18-33.
11. Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF); 1990 jul 16. Seção 1, p. 13563.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Datasus [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; c2020 [citado em 2020 maio 8]. Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/
13. Graphpad [Internet]. San Diego; c2018 [citado em 2020 maio 8]. Disponível em: https://www.graphpad.com/
14. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE divulga as estimativas populacionais dos municípios em 2016 [Internet]. Rio de Janeiro (RJ); 2016 [citado em 2020 maio 8]. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/9497-ibge-divulga-as-estimativas-populacionais-dos-municipios-em-2016
15. Arango HG. Bioestatística teórica e computacional. São Paulo (SP): Guanabara Koogan; 2001.
16. Krug EG, Mercy JA, Dahlberg LL, Zwi AB. The world report on violence and health. Lancet. 2002;360(9339):1083-8.
17. Nasio JD. Como agir com um adolescente difícil? Um livro para pais e profissionais. Rio de Janeiro (RJ): Zahar; 2011.
18. Pereira A, Cardoso F. Ideação suicida na população universitária: uma revisão da literatura. E-Psi. 2015;5(2):16-34.
19. Laranjeira PIC. A relação entre depressão e ideação suicida em jovens adultos: o papel mediador da desesperança e da dor mental [dissertação]. Évora: Universidade de Évora; 2015.
20. Lemes A. O suicídio na contemporaneidade: entre questões psíquicas e socioculturais [trabalho de conclusão de curso]. Ijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; 2018.
21. Moretto MLT, Svartman BP, Freller CC, Massola GM, Crochík JL, Silva PF. O suicídio e a morte do narrador. Psicol USP. 2017;28(2):159-64.
22. Goethe JW. Os sofrimentos do jovem Werther. São Paulo (SP): Hedra; 2006.
23. Schneider B, Klager C, Chen IC, Burns J. Transitioning into adulthood: striking a balance between support and independence. Policy Insights Behav Brain Sci. 2016;3(1):106-13.
24. Furnham A. Young people’s understanding of society. London: Routledge; 2015.
25. Dias ML. Suicício: testemunhos de adeus. São Paulo (SP): Brasiliense; 1991.
26. Marín-León L, Barros M. Mortes por suicídio: diferenças de gênero e nível socioeconômico. Rev Saúde Pública. 2003;37(3):357-63.
27. Minayo MCS. Violência e saúde. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2006.
Publicado
2020-06-26
Seção
Artigos originais de temas livres