Ator social e as investigações em saúde: olhar para nova contribuição teórica

Palavras-chave: Ação social, Teoria social, Saúde pública

Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar o conceito de ator social na saúde coletiva. Para o direcionamento da pesquisa, foram identificados 1.830 documentos, disponibilizados em bancos de dados como LILACS, Scielo, Web of Science e PubMed, além de teses e dissertações (Catálogo de Teses e Dissertações Capes). Para a seleção dos artigos, foram usados como critério: (1) pertencer ao campo da saúde coletiva; (2) apresentar definição/noção de “ator social”; (3) adotar uma perspectiva conceitual que se constitua na ação social; (4) ter referencial teórico da ação social associado ao conceito/noção de “ator social”; (5) possuir dados empíricos de processos de pesquisa ou ser estudo teórico sobre a temática; e (6) investigação realizada na América Latina e Caribe. Após análise e apreciação, foram selecionados 18 documentos que embasaram esta revisão. Observou-se que distintas nomenclaturas foram utilizadas para qualificar os “atores” das ações em saúde, vários autores do campo das ciências sociais foram citados, e a maioria dos trabalhos empregou combinações variadas de referenciais teóricos. A teoria da tradução se apresenta como uma possibilidade pouco explorada no campo da saúde coletiva, e apresentou-se uma breve revisão da teoria do ator-rede. Concluiu-se que as diversas teorias que dialogam com o campo da saúde coletiva buscam explicitar as diversas vertentes de sujeito produtor da ação, contudo, há muito ainda a ser produzido.

Biografia do Autor

Sydia Rosana Araujo Oliveira, Fundação Oswaldo Cruz

Cirurgiã-Dentista. Doutora em Saúde Pública. Docente/Pesquisadora do Instituto Aggeu Magalhães – Fiocruz. Recife, Pernambuco, Brasil.

Referências

Weber M. Ensaios de Sociologia. 5a ed. Rio de Janeiro (RJ): LTC; 1982.

Dubar C. Agente, ator, sujeito, autor: do semelhante ao mesmo. Primeiro Congresso da Associação Francesa de Sociologia; 2004 fev; Paris. Paris: Centre National de la Recherche Scientifique; 2004.

Hobbes T. Leviatã: ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Monteiro JP, Silva MBN, tradutores. 2a ed. São Paulo (SP): Abril Cultural; 1979. (Os Pensadores).

Goffman E. La mise en scéne de la vie quotidienne. Paris: Les Éditions de Minuit; 1973.

Sénécal G. L’acteur social: l’expérience du quartier Villeray à Montréal. In: Aubry F, Potvin L, editores. Construire l’espace socio-sanitaire: expériences et pratiques de recherche dans la production locale de la santé. Montreal: Presses de l’Université de Montréal; 2012. p. 141 62.

Potvin L, Clavier C. La théorie de l’ acteur -réseau. In: Aubry F, Potvin L, editores. Construire l’espace socio-sanitaire: expériences et pratiques de recherche dans la production locale de la santé. Montreal: Presses de l’Université de Montréal; 2012. p. 75 98.

Minayo MCDS. Estrutura e sujeito, determinismo e protagonismo histórico: uma reflexão sobre a práxis da saúde coletiva. Ciênc Saude Colet. 2001;6(1):7 19.

Boudon R. Tratado de sociologia. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar; 1995.

Durkheim E. Da divisão do trabalho social. 4a ed. São Paulo (SP): Martins Fontes; 2010.

Abbott A. The System of Professions: an essay on the division of expert labor. Chicago: University of Chicago Press; 1988.

Bourdieu P. Razões e práticas: sobre a teoria da ação. 9a ed. Campinas (SP): Papirus; 2008.

Campos GWS. Sobre a peleja dos sujeitos da reforma, ou da reforma dos sujeitos em peleja. Saúde Soc. 1992;1(2):79 95.

Campos GWDS. Subjetividade e Administração de Pessoal: Considerações sobre a gestão do trabalho em equipes de saúde. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997.

Granda E, Artunduaga LA, Castillo H, Herdoiza A, Merino MC, Tamayo C. El sujeto y la acción en la salud pública. Educ Med Salud. 1995;29(1):1 19.

Carvalho AI. Da Saúde Pública às Políticas Saudáveis – Saúde e Cidadania na Pós-modernidade. Ciênc Saúde Colet. 1996;1(1):104 21.

Ayres JRCM. Sujeito, intersubjetividade e práticas de saúde. Ciênc Saúde Colet. 2001;6(1):63 72.

Lacaz FAC. O sujeito n(d)a saúde coletiva e pós-modernismo. Ciênc Saúde Colet. 2001;6(1):233 42.

Paim JS. Saúde da Família : espaço de reflexão e de contra-hegemonia. Interface. 2001;5(9):143 6.

Teixeira RR. Agenciamentos tecnosemiológicos e produção de subjetividade: contribuição para o debate sobre a trans-formação do sujeito na saúde. Ciênc Saúde Colet. 2001;6(1):49 61.

Spagnol CA. (Re) pensando a gerência em enfermagem a partir de conceitos utilizados no campo da Saúde Coletiva. Ciênc Saúde Colet. 2005;10(1):119 27.

Campos GWS, Onocko-Campos RT. Co-construção de autonomia: O sujeito em questão. In: Minayo MCDS, Campos GWS, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo (SP): Hucitec; 2006. p. 669 89.

Fleury S. Reforma sanitária brasileira: dilemas entre o instituinte e o instituído. Ciênc Saúde Colet. 2009;14(3):743 52.

Oliveira GN, Pena RS, Amorim SC, Carvalho SR, Azevedo BMS, Martins ALB, et al. Novos possíveis para a militância no campo da Saúde: a afirmação de desvios nos encontros entre trabalhadores, gestores e usuários do SUS. Interface. 2009;13(Supl. 1):523 9.

Renovato RD. Práticas Educativas em Saúde: trilhas, discursos e sujeitos [tese]. Campinas (SP): Universidade Estadual de Campinas; 2009.

Cavalcanti FOL. Democracia no SUS e na reforma sanitária é possível? Um debate a partir da experiência da política nacional de educação permanente em saúde [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 2010.

Correia NF. Educação popular e gestão participativa na saúde: instituindo espaços [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Oswaldo Cruz; 2010.

Gomes KO, Cotta RMM, Mitre SM, Batista RS, Cherchiglia ML. O Agente Comunitário de Saúde e a consolidação do Sistema Único de Saúde: Reflexões contemporâneas. Physis. 2010;20(4):1143 64.

Targa LV. Mobilizando coletivos e construindo competências culturais no cuidado à saúde : estudo antropológico da política brasileira de Atenção Primária à Saúde [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2010.

Ferreira Neto JL, Kind L, Pereira AB, Rezende MCC, Fernandes ML. Usos da noção de subjetividade no campo da Saúde Coletiva. Cad Saúde Pública. 2011;27(5):831 42.

Collins R. Quatro tradições sociológicas. Petrópolis (RJ): Vozes; 2009.

Ritzer G. Teoría sociológica contemporanea. Madri: McGraw-Hill; 1993.

Siebeneichler FB. Encontros e desencontros no caminhos da interdisciplinaridade. Tempo Bras. 1989;98:153 80.

Habermas J. Era das Transições. Rio de Janeiro (RJ): Tempo Brasileiro; 2003.

Bourdieu P. Razones prácticas. Sobre la teoría de la acción. Barcelona: Anagrama; 1997.

Bourdieu P. Esboço de uma teoria da prática: precedido de três estudos de etnologia cabila. Oeiras: Celta Editora; 2002.

Crozier M, Friedberg E. L’acteur et le systeme. Paris: Seuil; 1977.

Touraine A. Crítica da modernidade. Petrópolis (RJ): Vozes; 1994.

Gadea CA, Scherer-Warren I. A contribuição de Alain Touraine para o debate sobre sujeito e democracia latino-americanos. Rev Sociol Polít. 2005;(25):39 45.

Pez TDP. Pequena análise sobre o sujeito em Foucault: A construção de uma ética possível [dissertação]. Londrina (PR): Universidade Estadual de Londrina; 2008.

Cardoso Junior HR, Lemos FCS, organizadores. Foucault Deleuze Guattari: Corpos instituições e subjetividades. São Paulo (SP): Annablume; 2011.

Foucault M. A verdade e as formas jurídicas. 2a ed. Rio de Janeiro (RJ): PUC; 2001.

Deleuze G. Empirismo e Subjetividade: ensaio sobre a natureza humana segundo Hume. São Paulo (SP): Editora 34; 2001.

Mansano SRV. Sujeito, subjetividade e modos de subjetivação na contemporaneidade. Rev Psicol UNESP. 2009;8(2):110 7.

Deleuze G. Foucault. São Paulo (SP): Brasiliense; 1988.

Latour B. Reassembling the social: an introduction to actor-network-theory. Oxford: Oxford University Press; 2005.

Bilodeau A, Chamberland C, White D. L’innovation sociale, une condition pour accroître la qualité de l’action en partenariat dans le champ de la santé publique. Can J Program Eval. 2002;17(2):59 88.

Akrich M, Callon M, Latour B. Sociologie de la traduction. Textes fondateurs. Paris: Presses de l’Ecole des Mines; 2006.

Callon M. Some elements in the sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St. Brieuc Bay. In: Law J, editor. Power, action and Belief: A New Sociology of Knowledge? Londres: Routledge; 1986. p. 196 223.

Latour B, Woolgar S. Vida de laboratório. Rio de Janeiro (RJ): Relume-Dumará; 1997.

Aubry F, Potvin L. Construire l’espace sociosanitaire : Expériences et pratiques de recherche dans la production locale de santé. Montreal: Presses de l’Université de Montréal; 2013.

Bilodeau A, Potvin L. Unpacking complexity in public health interventions with the Actor-Network Theory. Health Promot Int. 2018;33(1):173 81.

Nobre JCA, Pedro RMLR. Reflexões sobre possibilidades metodológicas da Teoria Ator-Rede. Cad UNIFOA. 2010;14(5):47 56.

Melo MFAQ. A pipa e os quatro significados da mediação sociotécnica: articulações possíveis entre a Educação e a Psicologia para o estudo de um brinquedo. Rev Bras Pesqui Educ Ciências. 2010;10(2).

Latour B. A esperança de Pandora. Bauru (SP): Edusc; 2001.

Freire LDL. Seguindo Bruno Latour: notas para uma antropologia simétrica. Comum. 2006;11(26):46 65.

Publicado
2021-11-03
Seção
Artigo de Revisão