Fragilidades na atuação dos profissionais das equipes de saúde da família descritas na literatura

Palavras-chave: Atenção primária à saúde, Estratégia Saúde da Família, Serviço de saúde pública

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar as fragilidades ocorridas no serviço realizado pelos profissionais integrantes das equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF)em diferentes localidades do mundo. Trata-se de uma revisão sistemática de literatura baseada no método Systematic Search Flow, pelo qual foram considerados os estudos de acordo com o objetivo, independentemente da localidade e do ano de realização. Para verificar a recorrência das fragilidades encontradas, foi utilizado o método de análise de conteúdo. Obteve-se um portfólio bibliográfico de 24 artigos. A partir da análise de conteúdo de cada um deles, foram extraídas as unidades de contexto e categorizadas em cinco unidades de análise, para representar as fragilidades. Independentemente da localidade, ocorreram as mesmas fragilidades, remetendo a uma interpretação de que o caminho para que as equipes de ESF consigam alcançar uma atuação mais efetiva e eficaz, no que se refere ao impacto na redução das taxas de internações evitáveis, poderá ser bastante trabalhoso. Porém, estudos como este podem ajudar a compreender tal cenário de forma mais clara e detalhada, e talvez sejam um atalho na busca por melhorias e avanços na atuação dessas equipes de saúde.

Biografia do Autor

Caren Fernanda Muraro, Universidade Luterana do Brasil

Pesquisadora. Consultora de Inteligência Organizacional. Doutora em Engenharia de Produção. Mestre em Saúde Coletiva na área de Saúde Pública. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Andrei Bonamigo, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Pesquisador. Doutor em Engenharia de Produção. Docente do departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal Fluminense. Niterói, Rio de Janeiro, Brasil.

Themis Goretti Moreira Leal de Carvalho, Universidade de Cruz Alta Unicruz

Professora Pesquisadora. Mestre em Educação. Professora adjunta do Centro da Saúde da Universidade de Cruz Alta. Cruz Alta, Rio Grande do Sul, Brasil.

Helio Aisenberg Ferenhof, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor. Doutor em Engenharia de Produção Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. Docente no Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Marcelo Gitirana Gomes Ferreira, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Pesquisador. Doutor no Departamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Fernando Antonio Forcellini, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Pesquisador. Doutor no Departamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Cunha JPP, Cunha RE. Sistema Único de Saúde: princípios. In: Campos FE, Tonos LM, Oliveira Junior M. Cadernos de Saúde: Planejamento e gestão em saúde. Belo Horizonte (MG): Coopmed; 1998. p. 11 26.

Cueto M. The origins of primary health care and selective primary health care. Am J Public Health. 2004;94(11):1864 74.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informação da Atenção Básica – SIAB: Indicadores 2003. Brasília (DF); 2004.

Guanais F, Macinko J. Primary care and avoidable hospitalizations: evidence from Brazil. J Amb Care Manage. 2009;32(2):115 22.

Kim C, Disare K, Pfeiffer M, Kerker BD, McVeigh KH. Effects of Individual and Neighborhood Characteristics on the Timeliness of Provider Designation for Early Intervention Services in New York City. J Dev Behav Pediatr. 2009;30(1):38 49.

Macinko J, Almeida C, Oliveira EDS, de Sá PK. Organization and delivery of primary health care services in Petropolis, Brazil. Int J Health Plann Manage. 2004;19(4):303 17.

Macinko J, Starfield B, Erinosho T. The impact of primary healthcare on population health in low - and middle-income countries. J Ambul Care Manage. 2009;32(2):150 71.

Cardoso CS, Pádua CM, Rodrigues-Júnior AA, Guimarães DA, Carvalho SF, Valentin RF, et al. Contribution of hospitalizations for Primary Care-sensitive conditions to the profile of admissions in the public health care system. Rev Panam Salud Pública. 2013;34(4):227 34.

Prezotto KH, Chaves MMN, Mathias TAF. Hospitalizações sensíveis à atenção primária em crianças, segundo grupos etários e regionais de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(1):44 53.

Ferenhof HA, Fernandes FR. Desmistificando a revisão de literatura como base para redação científica: método SSF. Revista ACB. 2016;21(3):550 63.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Harzheim E, Hauser L, Pinto LF, Soranz D. Avaliação dos usuários crianças e adultos quanto ao grau de orientação para Atenção Primária à Saúde na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2016;21(5):1399 408.

Santos WJ, Giacomin KC, Firmo JOA. Assessment of the technology of care relations in the health services: perception of the elderly included in the family health strategy in Bambuí, Brazil. Ciênc Saúde Colet. 2014;19(8):3441 50.

Nogueira EL, Rubin LL, Giacobbo SS, Gomes I, Cataldo NA. Screening for depressive symptoms in older adults in the Family Health Strategy, Porto Alegre, Brazil. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):368 77.

Silva SS, Assis MMA. O cuidar da enfermeira na saúde da família: fragilidades e potencialidades no Sistema Único de Saúde. Rev Esc Enferm USP. 2015;49(4):603 9.

Marin MJS, Marchioli M, Moracvick MYAD. Fortalezas e fragilidades do atendimento nas unidades básicas de saúde tradicionais e da estratégia de saúde da família pela ótica dos usuários. Texto Contexto Enferm. 2013;22(3):780 8.

Polaro HI, Gonçalves LHT, Alvarez AM. Construindo o fazer gerontológico pelas enfermeiras das Unidades de Estratégia Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):160 7.

Silva L, Poles K, Baliza MF, Silva MCLSR, Santos MR, Bousso RS. The process of end-of-life care delivery to the families of elderly patients according to the Family Health Strategy. Rev Latino-Am Enfermagem. 2013;21(1):380 7.

Peikes D, Zutshi A, Genevro JL, Parchman ML, Meyers DS. Early Evaluations of the Medical Home: Building on a Promising Start. Am J Manag Care. 2012;18(2):105 16.

Ogden LL, Richards CL, Shenson D. Clinical preventive services for older adults: The interface between personal health care and public health services. Am J Public Health. 2012;102(3):419 25.

Onocko RTC, Campos GWD, Ferreira AL, Corrêa CRS, Madureira PR, Gama CAP, et al. Evaluation of innovative strategies in the organization of Primary Health Care. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):43 50.

Yellowlees P, Odor A, Patrice K, Parish MB, Nafiz N, Iosif AM, et al. Disruptive innovation: the future of healthcare? Telemed J E Health. 2011;17(3):231 4.

Bulgarelli AF, Pinto IC, Lorenzi CG, Villa TCS, Mestriner SF, Silva RC. Atenção primária à saúde e a construção de sentidos para a saúde bucal: leitura construcionista social sobre discursos de idosos. Ciênc Saúde Colet. 2011;17(5):1347 55.

Medina MG, Hartz ZD. The role of the Family Health Program in the organization of primary care in municipal health systems. Cad Saúde Pública. 2009;25(5):1152 66.

Wright A, Sittig DF. SANDS: a service-oriented architecture for clinical decision support in a National Health Information Network. J Biomed Inform. 2008;41(6):962 81.

Marcolino ABL, Nogueira JA, Ruffino-Netto A, Moraes RM, Sá LD, Villa TCS, et al. Avaliação do acesso às ações de controle da tuberculose no contexto das equipes de saúde da família de Bayeux-PB. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(2):144 57.

Blasco PG, Janaudis MA, Roncoletta AFT, Benedetto MAC. Family Medicine Education in Brazil: Challenges, Opportunities, and Innovations. Acad Med. 2008;8(3):684 90.

Helton MR, Pathman DE. Caring for Older Patients: Current Attitudes and Future Plans of Family Medicine Residents. Fam Med. 2008;40(10):707 14.

Smith KL, Soriano TA, Boal J. Brief communication: National quality-of-care standards in home-based primary care. Ann Intern Med. 2007;14(6):188 92.

Phelan EA, Williams B, Snyder SJ, Fitts SS, LoGerfo JP. A five state dissemination of a community based disability prevention program for older adults. Clin Interv Aging. 2006;1(3):267 74.

Kelly L, Caldwell K, Henshaw L. Involving users in service planning: a focus group approach. Eur J Oncol Nurs. 2006;10(4):283 93.

Smith KL, Ornstein K, Soriano T, Muller D, Boal J. A multidisciplinary program for delivering primary care to the underserved urban homebound: looking back, moving forward. J Am Geriatr Soc. 2006;54(8):1283 9.

Drennam V, Iliffe S, Haworth D, Tai SS, Lenihan P, Deave T. The feasibility and acceptability of a specialist health and social care team for the promotion of health and independence in ‘at risk’ older adults. Health Soc Care Community. 2005;13(2):136 44.

Warshaw G, Murphy J, Buehler J, Singleton S. Special Articles: Geriatrics Training in Family Practice Residencies Geriatric Medicine Training for Family Practice Residents in the 21st Century: A Report From the Residency Assistance Program/Hartford Geriatrics Initiative. Fam Med. 2003;35(1):24 9.

Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI. Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2012.

Publicado
2021-11-03
Seção
Artigo de Revisão