ESTUDO ETNOFARMACOLÓGICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS EM INSTITUIÇÃO DE SAÚDE HOLÍSTICA NA CIDADE DE PETROLINA-PE

  • Camila Mahara Dias Damasceno Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Milla Gabriela Belarmino Dantas Universidade de Pernambuco
  • Isabel Dielle Souza Lima Pio Universidade Federal do Vale do São Francisco https://orcid.org/0000-0003-2067-008X
  • André Paviotti Fontana Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Marcelo Domingues de Faria Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida Universidade Federal do Vale do São Francisco
Palavras-chave: Etnofarmacologia, Fitoterapia, Plantas medicinais

Resumo

A fitoterapia é utilizada há séculos e, até hoje, tem grande importância em muitas comunidades. Embora essa prática seja uma alternativa amplamente utilizada para o cuidado em saúde, com benefícios conhecidos de inúmeras espécies vegetais, a utilização inapropriada de plantas medicinais pode gerar graves problemas para a saúde de indivíduos. Por isso, são necessários estudos para analisar a utilização de plantas medicinais pela sociedade. Este trabalho procura realizar o estudo etnofarmacológico das plantas medicinais utilizadas em uma instituição de saúde holística na cidade de Petrolina, Pernambuco. Foram coletadas todas as plantas cultivadas na instituição que, no momento da coleta, apresentavam partes férteis, para a identificação da espécie botânica. Para coleta de dados sobre as plantas utilizadas pelos pacientes dessa instituição, foi realizada uma análise randomizada em 140 prontuários. Dentre as plantas indicadas, foram consideradas neste estudo apenas as que foram coletadas e identificadas taxonomicamente. As dez plantas mais indicadas foram comparadas com dados na literatura. As indicações para uso dessas plantas corroboram com estudos prévios que, contudo, avaliam apenas a utilização de uma planta durante as preparações para uso, desconsiderando possíveis interações que acontecem quando várias plantas são utilizadas em associação, prática comum na instituição pesquisada. A partir da pesquisa, considera-se que o saber popular é de grande importância para direcionar a descoberta de plantas com propriedades farmacológicas, tendo em vista que muitas indicações referidas através de conhecimento popular são comprovadas por estudos científicos.

Biografia do Autor

Camila Mahara Dias Damasceno, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Enfermeira. Mestre em Ciências. Enfermeira do Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do
São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Milla Gabriela Belarmino Dantas, Universidade de Pernambuco

Fisioterapeuta. Doutora em Ciências. Docente do Colegiado de Fisioterapia da Universidade de Pernambuco.
Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Isabel Dielle Souza Lima Pio, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Farmacêutica. Mestre em Ciências. Docente do colegiado de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do
Vale do São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil. 

André Paviotti Fontana, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Botânico. Bacharel em Ciências Biológicas. Analista Ambiental do Núcleo de Monitoramento Ambiental/NEMA na Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Marcelo Domingues de Faria, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Médico veterinário. Doutor em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres. Docente do Colegiado de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Farmacêutico. Doutorado em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (PQ-1D) pela área de Farmácia. Docente do colegiado de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Referências

Luz MT. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis (Rio J). 1997;7(1):13-43.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS [Internet]. Brasília (DF); 2006 [citado em 2021 mar 11]. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnpic.pdf

Fabiano GG, Cavalcanti DSP. As principais plantas medicinais utilizadas no hospital de medicina alternativa de Goiânia-Goiás. Revista Saúde & Ciência em Ação. 2017;3(1):100-13.

Iannicelli J, Guariniello J, Alvarez SP, Escandon A. Traditional uses, conservation status and biotechnological advances for a group of aromatic/medicinal native plants from America. Bol Latinoam Caribe Plantas Med Aromat. 2018;5:453-91.

Dias ECM, Trevisan DD, Nagaic SC, Ramos NA, Silva EM. Uso de fitoterápicos e potenciais riscos de interações medicamentosas: reflexões para prática segura. Rev Baiana Saúde Pública. 2017;41(2):297-307.

Salesse D, Medeiros FC, Silva CCM, Lourenço ELB, Jacomassi E. Etnobotânica e etnofarmacologia das espécies de Amaryllidaceae, Anacardiaceae, Annonaceae e Apiaceae. Arq Ciências Saúde UNIPAR. 2018;22(3):205-16.

Yunes RA, Cechinel Filho V, organizadores. Química de Produtos Naturais, novos fármacos e a moderna farmacognosia. 4ª ed. Itajaí (SC): Univali; 2014.

Brasil. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. A fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisa de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos [Internet]. Brasília (DF); 2006 [citado em 2021 mar 11]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/fitoterapia_no_sus.pdf

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira [Internet]. Brasília (DF); 2011 [citado em 2021 mar 11]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/julho/14/Formulario-de-Fitoterapicos-da-Farmacopeia-Brasileira-sem-marca.pdf

Turel I, Ozbek H, Erten R, Oner AC, Cengiz N, Yilmaz O. Hepatoprotective and anti-inflammatory activities of Plantago major L. Indian J Pharmacol. 2009;41(3):120-4.

Pargas AR, Padilla MCL, Rodríguez AH, Barranco JJ. Actividad antifungica in vitro de una crema de Plantago major L. Rev Cubana Plant Med. 1996;1(3):9-12.

Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 10ª ed. ICF Cruz, IE Cabral, MTL Lisboa, revisores técnicos. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2005.

Asfura VAS, Davalos JP, Via SZ, Aramayo MC. Formulación de un fitomedicamento con actividad gastroprotectora a partir de extractos de llantén (Plantago major). Biofarbo. 2010;18(2):44-52.

Lopes GFG, Pantoja SCS. Levantamento das espécies de plantas medicinais utilizadas pela população de Santa Cruz – Rio de Janeiro-RJ. Revista Eletrônica Novo Enfoque. 2012;15(n. esp.):76-82.

Haddadian K, Zahmatkash M. A review of Plantago plant. Indian J Tradit Knowl. 2014;13)4):681-5.

Samuelsen AB. The traditional uses, chemical constituents and biological activities of Plantago major L. A review. J Ethnopharmacol. 2000;71(1-2):1-21.

Lorenzi H, Matos FJA. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2a ed. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum; 2008.

Rogério ITS. Levantamento etnofarmacológico de plantas medicinais na comunidade quilombola de São Bento, Santos Dumont, Minas Gerais [Dissertação]. Juiz de Fora (MG): Universidade Federal de Juiz de Fora; 2014.

Guimarães DT, organizador. Dicionário de termos médicos e de enfermagem. 1a ed. São Paulo (SP): Rideel; 2002.

Gutierrez RMP, Laguna GY, Walkowski A. Diuretic activity of mexican Equisetum. J of Ethnopharmacol. 1985;14(2-3):269-72.

Lin CH, Xu HL, Sun WL, Li F, Lin GZ. Equisetum sylvaticum base reduces atherosclerosis risk factors in rats fed a high-fat diet. BJP. 2014;9(3):257-61.

Queiroz GM, Politi FAZ, Rodrigues ER, Souza-Moreira TM, Moreira RRD, Cardoso CRP, et al. Phytochemical characterization, antimicrobial activity, and antioxidant potential of Equisetum hyemale L. (Equisetaceae) extracts. J Med Food. 2015;18(7):830-4.

Nunes SP, Thomas AB, Lima LCO. Compostos fenólicos, antocianinas e atividade antioxidante em chá de hibisco (Hibiscus sabdariffa L.). Trabalho apresentado no 23o Congresso de pós-graduação da UFLA; 2014 out 27-31; Lavras (MG). Lavras (MG): Universidade Federal de Lavras; 2014.

Carneiro FM, Silva MJP, Borges LL, Albernaz LC, Costa JDP. Tendências dos estudos com plantas medicinais no Brasil. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais. 2014;3(2):44-75.

Braz DC, Oliveira LRS, Viana AFSC. Atividade antiulcerogênica do extrato aquoso da Bryophyllum pinnatum (Lam.) Kurz. Rev Bras Plantas Med. 2013;15(1):86-90.

Vendruscolo GS. Estudo etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro ponta grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul [Dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2004.

Rodrigues AP, Andrade LHC. Levantamento etnobotânico das plantas medicinais utilizadas pela comunidade de Inhamã, Pernambuco, Nordeste do Brasil. Rev Bras Plantas Med. 2014;16(3, supl. 1):721-30.

Sahouo GB, Tonzibo ZF, Boti B, Chopard C, Mahy JP, N’guessan YT. Anti-inflammatory and analgesic activities: chemical constituents of essential oils of Ocimum gratissimum, Eucalyptus citriodora and Cymbopogon giganteus inhibited lipoxygenase l-1 and cyclooxygenase of PGHS. Bull Chem Soc Ethiop. 2003;17(2):191-7.

Oliveira GL, Oliveira AFM, Andrade LHC. Plantas medicinais utilizadas na comunidade urbana de Muribeca, Nordeste do Brasil. Acta Bot Brasilica. 2010;24(2):571-7.

Suzigan MI, Battochio APR, Coelho KLR, Coelho CAR. An acqueous extract of Bidens pilosa L. protects liver from cholestatic disease. experimental study in young rats. Acta Cirurg Bras. 2009;24(5):347-52.

Publicado
2019-11-01
Seção
Artigos originais de temas livres