O ENSINO SOBRE HANSENÍASE NA GRADUAÇÃO EM SAÚDE: LIMITES E DESAFIOS PARA UM CUIDADO INTEGRAL

  • Maria Augusta Vasconcelos Palácio Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Iukary Takenami Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Laís Barreto de Brito Gonçalves Universidade Regional do Cariri
Palavras-chave: Hanseníase, Ensino superior, Educação em saúde

Resumo

A hanseníase representa um preocupante problema de saúde pública no Brasil, com altas taxas endêmicas e grande impacto na vida do indivíduo e sua família. Um importante instrumento para alcançar o seu controle efetivo é o amplo conhecimento sobre a doença. No entanto, existem lacunas na formação dos profissionais de saúde quanto à sua abordagem no processo de ensino-aprendizagem, o que influencia na prática profissional. A integralidade no cuidado às pessoas com hanseníase precisa orientar o processo de formação dos profissionais de saúde. Objetiva-se apresentar reflexões sobre o ensino da hanseníase em cursos de Graduação em saúde, apontando limites e desafios para um cuidado integral. Trata-se de uma revisão narrativa da literatura que pretende conhecer o estado da arte sobre o ensino da hanseníase na Graduação em saúde. O ensino sobre a hanseníase e sua integração nos currículos dos cursos da área da saúde ainda não contempla uma perspectiva integral para a abordagem do tema. Existe um distanciamento entre teoria e prática, um enfoque centrado nos aspectos clínicos e um grau elevado de desinformação sobre diagnóstico, tratamento, cura e aspectos sociais que envolvem o processo de adoecimento e tratamento. A hanseníase precisa ser abordada de forma integral nos cursos da área da saúde desde os primeiros semestres. Dessa forma, deve-se considerar um olhar ampliado para aspectos sociais e culturais que envolvem o processo de adoecimento e tratamento, tanto a nível individual quanto familiar.

Biografia do Autor

Maria Augusta Vasconcelos Palácio, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Enfermeira. Doutora em Educação em Ciências e Saúde. Docente do curso de Medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Paulo Afonso, Bahia, Brasil.

Iukary Takenami, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Biomédica. Doutora em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa. Docente do curso de Medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco. Paulo Afonso, Bahia, Brasil.

Laís Barreto de Brito Gonçalves, Universidade Regional do Cariri

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem pela Universidade Regional do Cariri. Crato, Ceará, Brasil.

Referências

Organização Mundial da Saúde. Estratégia global para hanseníase 2016-2020: aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. Genève; 2016.

Viana ACB, Araújo FC, Pires CAA. Conhecimento de estudantes de medicina sobre hanseníase em uma região endêmica do Brasil. Rev Baiana Saúde Pública. 2016;40(1):24-37.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico: caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016. Brasília (DF); 2018.

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Guia prático sobre a hanseníase. Brasília (DF); 2017.

Silva FBV, Couto HRM, Hitchon MES, Ribeiro MOA, Murta TGH. Ações de enfermagem na abordagem ao adulto: possibilidades na saúde coletiva. In: Souza MCMR, Horta NC. Enfermagem em saúde coletiva: teoria e prática. 2a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2017. p. 313-33.

Silveira IR, Silva PR. As representações sociais do portador de hanseníase sobre a doença. Saúde Colet. 2006;3(12):112-7.

Borenstein MS, Padilha MI, Costa E, Gregório VRP, Koerich AE, Ribas DL. Hanseníase: estigma e preconceito vivenciados por pacientes institucionalizados em Santa Catarina (1940-1960). Rev Bras Enferm. 2008;61(n. spe):708-12.

Brasil. Ministério de Saúde. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Rev Saúde Pública. 2010;44(1):200-2.

Dias A, Cyrino EG, Lastória JC. Conhecimentos e necessidades de aprendizagem de estudantes de fisioterapia sobre a Hanseníase. Hansen Int. 2007;32(1):9-18.

Rodrigues CC, Berto J, Nassif PW, Nassif AE. Análise dos conhecimentos a respeito da hanseníase em acadêmicos de medicina. Braz J Surg Clin Res. 2013;4(1):23-7.

Viegas SMF, Penna CMM. As dimensões da integralidade no cuidado em saúde no cotidiano da Estratégia Saúde da Família no Vale do Jequitinhonha, MG, Brasil. Interface. 2015;19(55):1089-100.

Rother ET. Revisão sistemática × revisão narrativa. Acta Paul Enferm. 2007;20(2):v-vi.

Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências Agronômicas, Biblioteca Prof. Paulo de Carvalho Mattos. Tipos de revisão de literatura. Botucatu (SP); 2015.

Pedrazzani ES. Caracterização do ensino sobre hanseníase nos cursos de graduação em enfermagem no estado de São Paulo. Hansen Int. 1987;12(1):12-8.

Lopes JP. Conhecimento de alunos sobre hanseníase. Saúde Rev. 2016;16(42):1-10.

Alves CRP, Araújo MG, Ribeiro MMF, Melo EM. Evaluation of teaching on leprosy by students at a brazilian public medical school. Rev Bras Educ Med. 2016;40(3):393-400.

Chaves AEP, Medeiros SM, Chaves BH, Fernandes TN, Dantas CV. Abordagem da hanseníase na graduação em enfermagem. Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde; 2018. Campina Grande. Campina Grande (PB): Combracis; 2018. p. 1-11.

Publicado
2020-10-20
Seção
Ensaio